Pular para o conteúdo principal

TERAPIA >> Albir José Inácio da Silva

Tédio. A vida estava um tédio. O que seria normal para a maioria dos humanos, mas não pra ele. Para Miltinho a vida tinha de ter alegria, sempre. Outro se daria por satisfeito: bom emprego, bons parentes, bons amigos. Tudo bom, tudo igual. Tudo igual.

Do jornal não esperava mesmo novidades. Crimes, desastres, política, corrupção. Os mesmos filmes, classificados, programas, garotas de programa. Tudo igual. Mas o que é isso? “RAINHA CATRINA VENHA SER MEU ESCRAVO E VIVA SEUS FETICHES MAIS OCULTOS LIGUE AGORA OBEDEÇA-ME”.

Ela o recebeu de cara feia, mas devia ser parte do jogo.

- O que você gosta?
- Fica por sua conta. Surpreenda-me. - respondeu ele com um risinho.

Tudo certo então. Pagamento adiantado, tire a roupa, espere de joelhos. Sentiu-se meio ridículo, mas ia participar. Sem ousadia não se muda nada.

Ela voltou em rendas e botas pretas. Uma corda amarrou firmemente os tornozelos e, outra, os pulsos atrás das costas de Miltinho. Uma terceira juntou quanto pôde os cotovelos. Não estava confortável, mas conservava ainda o sorriso de “que será que esta danadinha vai fazer?”

Miltinho se espantou com o barulho do lado esquerdo do rosto. Ia protestar mas a mão explodiu do outro lado, dessa vez fechada. Sua expressão era ainda de surpresa. Não queria mais brincar: chega! Pagou e não estava gostando. Podia desamarrá-lo e ficar com o dinheiro. Ia embora, pensou, mas não chegou a falar.

- Quem é sua rainha? Quem é sua senhora? - ela grita, mas não lhe dá tempo - Ah, você não quer falar. Pois agora não vai falar mais.

Uma bola é pressionada contra sua boca e ele trata de abrir para evitar que os lábios se rompam. A corda que passava pela bola é amarrada atrás da cabeça. Agora só emite sons pelo nariz. Uma bota atinge de bico suas costelas e ele cai de lado, no carpete sujo, gasto e cheio de grãos de areia. Novos golpes, enquanto está ganindo em posição fetal. Não consegue respirar e sente gosto de sangue.

Agora ela tem um chicote que trabalha incansavelmente o corpo moído que se mexe como uma minhoca tentando fugir dos golpes. É xingado de coisas que nunca ouviu nem da torcida adversária.

A corda que prende a bola na boca é desamarrada, mas uma venda é colocada nos seus olhos, ao mesmo tempo em que ouve a voz cínica, mas agora suave;

- Por misericórdia sua rainha vai aplacar sua sede.

Um jato quente, ácido e salgado lhe entra pelas narinas e um tapa estala no rosto molhado.

- Abre a boca. Não desperdice uma gota!

Ele engole, engasga, tosse e desperdiça. A senhora, é claro, não perdoa. Ele acha que vai morrer com os chutes, gritos e... uma campainha. Ouve uma campainha.

- Seu tempo acabou.

Salvo pelo relógio. Sua rainha não concederia um único tapa depois do tempo. Ela o desamarrou e apontou o banheiro. Quando saiu foi recebido com um sorriso meigo e um cartão. Catrina se despediu com dois beijinhos, como uma velha amiga.

- Aí tem meu celular. Pode ligar a qualquer hora.

No elevador, Miltinho fica emocionado com a gentileza do ascensorista. Nunca tinha reparado em ascensoristas. Na rua, acompanha as crianças com olhar cheio de ternura. Enche os pulmões com o cheiro das árvores que, por incrível que pareça, sempre estiveram ali. O dia está nublado, mas ele nunca viu tantas cores. Vai redescobrindo cada rosto, cada fachada, cada loja. Suspira.

Quando eu era criança, ouvi várias vezes uma história. Um homem batia na própria canela com um pedaço de pau e depois caía no chão gemendo. Algum tempo depois repetia esse gesto, para espanto de todos. Quando lhe perguntaram por que fazia isso, se não doía, ele respondeu: “dói, dói muito. Mas quando para é tão bom!”

Pois é, leitor, às vezes precisa piorar pra ficar bom. Miltinho, que eu saiba, está bem. Mas é claro que as recaídas são sempre possíveis em terapia. Acho que é por isso que ele conserva aquele cartão.

Você não está entediado, está?

Comentários

“dói, dói muito. Mas quando para é tão bom!”

Nossa, Albir! Nunca tinha visto o masoquismo com esses olhos! Perfeito o seu texto, perfeita a descrição das sensações do Miltinho quando saiu do encontro com a Madame.
Beijos.
Hahahahahaha! Eu espero que no meu caso não seja necessário piorar tanto. Amei o texto. Especialmente a parte em que ele saindo daquele mundo esquisito repara no ascensorista. Sensacional Albir!
Beijo!
albir disse…
Obrigado, Marisa.
É tão bom ter você por aqui novamente! Beijos.


Rachel, que saudade!
Beijos pra você, Cláudia Letti e todos na Terapia da Palavra.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …