Pular para o conteúdo principal

MÁGICA NO ABSURDO >> Fernanda Pinho



A impressão que tenho é a de que os habitantes do planeta Terra estão num processo acelerado e irreversível de envelhecimento. Não falo do envelhecimento biológico, pois este estamos conseguindo driblar com maestria graças aos milagres operados pelos santos Ivos Pintanguis da vida. Falo do envelhecimento de espírito, que é muito mais grave já que não tem botox que dê jeito. Não sei o que deu em nós, mas estamos empenhados em deixar o mundo chato, sem graça, cinza, nublado. Reclamar virou um vício. Criticar virou sinônimo de inteligência. E, de repente, perdemos todo o encantamento pela vida.

Tenho pensado nisso desde o último fim de semana, quando estive com alguns amigos no Hopi Hari, no estado de São Paulo. Passamos o sábado no parque e, no fim do dia, quando nos reencontramos com nossos colegas de excursão, ouvimos um grupo reclamar com veemência dos maus tratos que havia recebido em um dos brinquedos. Diziam os reclamões que era um absurdo pagar caro, viajar 600 quilômetros e terem de aguentar pessoas gritando com eles, exigindo silêncio, fazendo ameaças, insinuando que os expulsariam do brinquedo. Enfim, reclamações que fariam sentido se brinquedo em questão não fosse uma tal catacumba de terror e os berros dos funcionários do parque não fizessem parte de uma encenação teatral. Meus amigos e eu – felizmente ainda providos de algum encantamento – ficamos chocados com os comentários e morrendo de pena daquela gente ignorante e sem graça. Eles não entenderam o espírito da coisa e essa falta de boa vontade para entender o espírito da coisa parece generalizada. As pessoas não conseguem mais aproveitar os momentos diferentes que a vida proporciona simplesmente porque estão obcecadas em achar defeito em tudo.

Quer um outro exemplo? Outro dia li uma crítica sobre a saga Crepúsculo, na qual o autor se dizia indignado com os exageros criados pela escritora Stephenie Meyer. Segundo ele, era um absurdo a autora insinuar ser possível relações sexuais entre humanos e vampiros, porque todos os fluídos do corpo de um vampiro são venenosos, o que torna o sexo improvável. Absurdo é um comentário desses. Critique a falta de experiência da escritora, as adaptações dos livros pro cinema, a falta de consistência do enredo, o fato do Jacob Black só ficar sem camisa, sei lá, qualquer coisa, mas não o que é certo ou errado no mundo dos vampiros. Isso não faz sentido por um motivo muito simples: vampiros não existem! Então se eu quiser inventar um vampiro que curte muito mais caipirinha do que sangue e que, em vez de sugar pescoço, gosta mesmo é morder limão e cana de açúcar eu posso! Porque é fantasia, é ficção, é magia e a vida anda muito carente dessas coisas.

Lá nos anos 80, Lobão cantava em seu famigerado hit que “nem sempre se vê mágica no absurdo”. Eu diria que, hoje, quase 30 anos depois, quase nunca se vê mágica no absurdo. O mundo está ranzinza. E eu vou cuidar de me policiar para não entrar nessa também. Morro de medo de virar uma chata que não sabe brincar. Minha vida é uma aquarela e eu não estou nem um pouco interessada em transformá-la numa planilha de Excel. Vivo muito bem sendo uma pessoa que morreu de medo na catacumba do terror e que suspira quando vê o Jacob Black sem camisa.

Foto: www.sxc.hu
www.blogdaferdi.blogspot.com

Comentários

Carla Dias disse…
Ai, Fernanda... Concordo com você que as pessoas andam preguiçosas quando se trata do outro, das outras coisas que acontecem fora do universo que criam para si mesmas. Estamos na era em que todos podem comentar o que o outro faz, mas a maioria não percebeu que, se comentar é possível, imprimir no outro uma versão de si mesmo é ser limitado.
Vou ficar por aqui, também, pulando amarelinha na vida-aquarela e dando língua para a planilha de Excel. Bjs!
Loreyne disse…
rsrs Nossa, como vc diz tudo em poucas palavras, e nós bem sabemos como eh chato gente reclamando, concordo com tudo! Amei mais uma vez! rsrs
Bjuusss
Anônimo disse…
Mas vcs estavam num parque de diversões? Bem, é natural q muita gente brigasse pelos "brinquedos".

rsrsrs....

Cláudio Vilaça.
BELO HORIZONTE
vilaca228@hotmail.com
É a primeira vez que comento um texto seu, acho...
Mas alguém assim, que consegue juntar palavras de uma forma significativa, agradável e cheia de percepção, nunca vai se tornar ranzinza, tenho certeza! :)
Jujú disse…
Ai amiga, estou rindo aqui!

Porque é tão verdadeiro o que vc diz...eu passo por isso aqui todos os dias. Tem gente que tem prazer em reclamar, eu tenho alguns clientes aqui, que muitas vezes me irritam, claro, mas às vezes eu caio na risada, de tão absurdo que é! Juro!

Virou mania reclamar por reclamar, e ninguém mais cede ao lúdico, à diversão! Eu tb me recuso ficar rclamando de fila no meio de um parque! Como vc eu me divirto até em fila!

(ok, nos dias de TPM tudo me irrita, até um dia lindo como hoje, mas isso são outros quinhentos!rs)

Beijos, amiga!
Terminei de ler e disse: minha amiga é ótima !
Você é ótima, repito.
Esse texto foi um tiro no pé da Laís, que anda bem idosa e chata...rs

Te amo gata
albir disse…
Pois é, Fernanda, as pessoas chegam a ver absurdo na mágica.
fernanda disse…
Muito obrigada pelos comentários, gente. Quanta gente com olhos encantados!!! O mundo ainda tem jeito. Beijos!
Minha mágica amiga, você nuuuuunca será ranzinza, pois sabe tirar uma girafa da cartola.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …