Pular para o conteúdo principal

48 >> Carla Dias >>

O profeta afirmou que hoje o dia passará mais lentamente, como se tivesse sido atendido aquele pedido que, vez ou outra, todos fazemos: que caibam 48 horas nas 24 que temos.

Penso o que farei com as 24 horas extras oferecidas, porque não estava preparada para elas, tendo todo o meu dia organizado para cumprir a pauta da sobrevivência.

Talvez eu pare, respire, e então assopre os cabelos das oportunidades jamais desejadas, como a de correr pelas ruas da cidade só para parar no quinto quarteirão e pedir um copo de água gelada na padaria. E respirar, de novo, até que meu coração volte a bater ao compasso do sossego, o perfume de pão fresco invadindo as minhas narinas.

Posso aprender um ofício, através de algum curso relâmpago: leitura dinâmica, cerâmica, adivinhação, organização de armários, como passear com os cães da vizinha, iluminação de quadros na parede, aplicação de reticências, como construir uma cidade com Playmobil.

Ou arquitetar mudanças: a cor do esmalte, os móveis, os cabelos, o endereço de casa, o itinerário de viagem, o sonho, o ideal, a busca.

Posso escrever uma carta, tão longa, que terei de enviá-la ao destinatário em capítulos, um por semana, duração de vinte páginas cada, total de cinquenta e sete capítulos... Ou episódios, se de repente o destinatário gostar de ler pensando na cena.

A gente pede tanto por tempo extra, alegando que não há como visitar os amigos, escrever para os familiares, passear com as crianças. Porém, ficamos sem saber o que fazer quando recebemos este tempo, como quando entramos em férias e não temos dinheiro para viajar, então ficamos em casa, assistindo a Sessão da Tarde, escutando as notícias no rádio, folheando o jornal. E organizando espaços que não precisam ser organizados, relendo cartas, revisitando o passado através das fotografias.

O profeta me deixou morrendo de medo, eu confesso. O que farei com tanto tempo extra se eu nunca o tive e agora sou obrigada a preenchê-lo? Preenchê-lo com atividades diferentes das que fazem parte da minha rotina, porque não vale simplesmente ficar onde se está ou trabalhar dobrado, só para mascarar o tempo. O profeta é severo na afirmação de que este tempo extra deve ser gasto de forma diferente da qual gastamos nossas 24 horas devidas.

Posso passar 24 horas fazendo bolhas de sabão, deitada na grama, o olhar perdido no céu. E quem sabe cantarolar músicas inéditas, que ainda estão na fila da inspiração, à espera de serem colhidas pelos compositores. Que tal sentir o cheiro da chuva, e então dançar horas sendo abraçada por ela?

Posso inventar recomeços, mas com garantia de que eles jamais se tornarão moeda, que não haverá como serem vendidos, apenas conquistados.

Quem sabe, tecer languidez nas faces da timidez e, ao corar de suas bochechas, arrebanhá-la numa conquista de cheiros, toques, palavras a dizerem afeto.

carladias.com

Comentários

Que maravilha, Carla! Que ritmo! Que ideia! Que sacadas! Que escolha de palavras! Acho que vou transferir para você as minhas 24 horas extras: você fará melhor uso delas do que eu. :)
Jacky disse…
Muito interessante...

"então ficamos em casa, assistindo a Sessão da Tarde" haha adorei essa parte

;)
Marilza disse…
Sinceramente adoro seus textos. Vc versa através das palavras como ninguém. Se quiser tb concedo meu tempo extra para q vc possa sempre nos deleitar com mais das suas crônicas (rsrsrs)
vanessa cony disse…
Quanta poesia...Adorei!
Jaque disse…
Meu tempo extra certamente será dedicado aos seus lindos textos Carla.
fernanda disse…
Que abordagem diferente. Amei!
Mas, sabe, desconfio que tempo seja como dinheiro e espaço, quanto mais você tem, mais você acha que precisa de mais.
Carla Dias disse…
Eduardo... Obrigada : )
Mas não posso aceitar as suas 24 horas extras... Você saberá cuidá-las muito bem, utilizando-as com apresso. Basta recorrer aos tíquetes de tempo.

Jacky... Obrigada pelo comentário.
Pois é... Quem já não ficou de cara com a tevê, assistindo a Sessão da Tarde?

Marilza... Você é muito gentil.
E se eu somar as suas 24 horas com as do Eduardo, terei uma dobradinha de 48 horas... Hum... Vou pensar : )

Vanessa... Obrigada!

Jaque... Fico muito feliz por saber disso. Seja sempre bem-vinda.

Fernanda... Obrigada : )
Essa mania da gente de ‘quanto mais temos, mais achamos que precisamos de mais’ é fato, mas também é fato que, se quisermos, podemos sair do círculo e apreciarmos somente o que temos, extra ou não.
albir disse…
Carla
Eduardo tem razão quando fala do ritmo.
Pode-se dançar o seu texto.
Carla Dias disse…
Albir... Que comentário bom esse : )

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …