Pular para o conteúdo principal

EU NÃO SEI FALAR DE AMOR >> Carla Dias >>


O título desta crônica eu emprestei da música do meu amigo Kléber Albuquerque. Não sei por que, essa frase, essa constatação, ficou pipocando na minha cabeça, nos últimos dias. Obviamente, escutei o CD no qual tem essa música, ainda ontem. Porém a sensação vem de antes, de um eco.

Amor é o tipo de palavra que me deixa à mercê dos enganos. Se durante a minha existência, até este ponto-agora, falar é um perigo ao tentar me fazer compreender, imagine só falar de amor! Não nasci para oradora, jamais serei atriz, de jeito maneira conseguirei falar aos que aguardam ansiosos pelo dizer o amor.

Woody Allen decretou: todos dizem eu te amo. Acho que ele se esqueceu de me incluir nesse balaio, ou simplesmente ficou indiferente ao meu não saber falar de amor.

Porque eu não sei mesmo...

Certo dia, minha mãe me colocou de cara com a tevê, apertou play e me mostrou um vídeo institucional de uma cadeia de supermercados. Comemorando o Dia das Mães, o tal filme mostrava um filho que não disse eu te amo para a mãe dele e ela morreu. Assisti aquilo com o coração na mão... Todos dizem eu te amo, meu colega Woody? Mas quem disse que tem de ser assim: EU TE AMO?

No final do filme, entreguei os pontos: eu te amo, mãe, mas as palavras saíram mancas. Eu demonstro meu amor à minha mãe todos os dias, não é o amor que é manco, é apenas o jeito de falar de amor... Eu não sei falar de amor, mas sei senti-lo, demonstrá-lo, ao invés de dizê-lo.

Mas as pessoas sentem falta de escutar...

Há quem fale de amor com uma simplicidade, como se toda complexidade que vem embutida nele não existisse. Como quando a minha sobrinha diz “eu te amo, tia”. Há uma honestidade no dito que não vem com peso, com dúvidas, com cobranças. É o dizer o amor da forma mais pura impossível. Falar de amor com ela, por exemplo, é fácil. É só desfiar verbos: cuidar, abraçar, aninhar, sorrir, brincar, cantar, ler... Ela adora que leiam para ela, apesar de ela mesma poder fazê-lo numa boa.

Falar de amor, eu sei, nem sempre se trata de se declarar. Porém, espantam-me, mas de um jeito elogioso, aqueles que sabem sobre ele falar sem qualquer acanhamento. Que assumem que o amor dito com tanta naturalidade que não há como não apreciá-lo, mesmo ele não sendo seu.

Falar de amor requer um traquejo que não tenho. É preciso a voz sair na temperatura certa, as palavras evocarem a intimidade do sentimento.

Eu não sei falar de amor, por isso escrevo sobre ele. Portanto, se eu me calar e empunhar uma folha de papel onde o amor está escrito, acredite, não é performance... É falar sobre o amor, mas em silêncio.


Comentários

fernanda disse…
Todas as vezes que eu tentei falar de amor, eu chorei. E as lágrimas acabaram afogando o assunto. Você pode até não saber falar de amor, mas sabe escrever sobre, que o diga o meu livro do momento, Jardim de Agnes =)
albir disse…
Carla,
é fácil falar de amor: decore seus próprios textos.
Ah, Carla, eu nunca gostei muito de ouvir, não sei direito o que dizer como resposta. E as palavras ditas se perdem no tempo. As atitudes é que ficam e as palavras escritas são atemporais.
Acho que a mãe do filme morreu porque era a hora dela, simples assim, não é? Beijos
Querida muitas vezes as pessoas dizem "te amo" e ao mesmo tempo te entregam ao diabo...Você é uma das poucas em que ainda confio...
Carla Dias disse…
Ah, Fernanda... Conheço esse chororô de quem tenta falar de amor, mas é invadida por um mar de lágrimas. E obrigada por estar passeando pelo jardim de Agnes, essa que sabe também não sabe falar de amor, mas o sente de um jeito...

Albir... Obrigada : )
Mas devo confessar que acho que continuarei sem saber falar de amor, se isso depender de decorar os meus ou os textos de outros. Confesso: eu não sei decorar...

Marisa... Também acho que atitudes definem melhor o amor do que as palavras. Mas mesmo nos sentindo acanhadas, sem saber o que responder, todos nós precisamos da confissão, em algum momento, vindo de alguém que elegemos ser capaz de dizer sem nos torturar.
E penso como você... A mãe morreu porque era a hora dela : )
Bjs!

Ká... Obrigada pela confiança, que é uma declaração de amor não declarada, mas das mais bacanas. Bjs, minha irmã.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …