Pular para o conteúdo principal

PARADAS E SÍMBOLOS NACIONAIS >> Albir José Inácio da Silva

Uma crônica por escrever, uma chuvinha absurda no novembro do Rio e uma rinite por causa da chuvinha são razões suficientes para resistir ao som dos trios elétricos que na Avenida Atlântica conclamam à participação politicamente correta.

Mas como a crônica não veio e a rinite é crônica, eu fui.

Claro que se há uma coisa que não falta numa passeata GLBT são as cores. Mas me chamou a atenção, às vésperas do aniversário da proclamação da república, o uso das cores e símbolos pátrios. Difícil não notar o verde e amarelo nas cabeças, nas tangas, nos biquínis. Ao contrário da minha geração, que desenvolveu verdadeira alergia pelas cores pátrias, hoje as pessoas usam verde e amarelo com a certeza de que enfeitam. Bandeiras nacionais embrulham corpos nus, canta-se o hino nacional a todo momento e todos, de todos os partidos, se sentem brasileiros.

Quando eu era jovem não se permitiam primeiro passeatas e segundo o uso da bandeira. Não se podia vestir e nem mesmo hastear sem formalidades o pavilhão. O hino igualmente não se podia cantar a não ser em solenidades oficiais por soldados perfilados, estudantes imóveis ou atletas carrancudos. A ditadura considerava desrespeito o uso dos símbolos por parte da população.

Por outro lado, ninguém usaria mesmo que eles permitissem ou até incentivassem. As pessoas desenvolveram verdadeira ojeriza pelas cores nacionais. Se por descuido se juntasse no traje o verde com o amarelo, alguém logo perguntava: “Você vai de bandeira hoje?”. Fora dos quartéis e da propaganda oficial, a vergonha impedia certas combinações.

Agora, bem na minha frente, um travesti vestido de presidente eleita, faixa presidencial, cabelos, unhas, roupas e saltos de bandeira brasileira, dá show em cima do trio elétrico. Fico pensando no que aconteceria com um travesti com faixa presidencial, vestido de Médici, no início dos anos setenta. Como, recolhido a um quartel, lhe fariam as unhas, os cabelos, massagem corporal e até alguns procedimentos médicos como endoscopia, cirurgia etc. Mengele baixaria em alguém que faria experimentos científicos no travesti como se ele fosse o ET de Varginha.

Felizmente os tempos são outros. Canta-se o hino nacional em todos os lugares, até com ritmo de samba, e sem traumas. Usam-se as cores da bandeira nos cabelos, no rosto, nas roupas, no corpo, e a pátria mãe gentil não se envergonha com isso. Não com isso.

Verdade que há os saudosistas e insatisfeitos, enxergando desrespeito onde se quer homenagem. Não precisamos ir longe. Durante a campanha eleitoral, um candidato a deputado usava camiseta estampada por foto do General Médici e os dizeres: “Eu era feliz e sabia”.

Mas eles não contam. Os brasileiros finalmente se reconciliaram com seus símbolos. Ufanismos a parte, parece que atingimos a maturidade de outros povos na utilização de nossas marcas. Não são proibidas nem envergonham ninguém.

Comentários

Oi, Albir!
Saudades de te ler!
Aos poucos, vou voltando, espero que não voltem os costumes não-pátrios de antigamente...rs.
Confesso que gosto desse colorido pelas ruas, por mais que saiba que, muitos deles, nem o usam com o orgulho que eu sempre estampei, mesmo em outras cores, mas sempre em alto e bom som! :)
albir disse…
Marisa!!!!
Que saudade!!!
Bom saber que você está de novo colorindo o Crônica do Dia.
Beijos.
Carla Dias disse…
Que ponto de vista interessante, Albir. Gosto muito de ver os brasileiros abraçando o Brasil e suas cores e sua pluralidade.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …