Pular para o conteúdo principal

VILLANI-CÔRTES >> Carla Dias >>

Eu gosto de biografias, tanto quanto aprecio a história de criação das obras de feitores de arte que perpetuam amores e dores, de criadores de indústrias, de engenheiros dedicados a enfrentar os percalços da jornada que é desafiar as leis da física. De cientistas em busca da vida sendo baforada para fora dos tubos de ensaio.
Sou telespectadora do canal Bio, que, infelizmente, é coisa de TV paga... Ao menos por enquanto. Há muito veiculado ali que deveria caber também nas salas de aula.

Se a nós é tão agradável saber da vida alheia, folheando revistas em busca da gafe de celebridades, ou mesmo os jornais, para saber quem está mais bem colocado pelo Ibope, por que não dedicarmos esta curiosidade também aos que constroem a identidade do nosso país?

Em agosto passado, a Livraria Cultura do Shopping Villa-Lobos recebeu um evento muito especial, uma homenagem aos 80 anos de Edmundo Villani-Côrtes, pianista, regente, arranjador e compositor. O evento incluiu uma agenda de apresentações, contando com Vitor Garbelotto, Esdras Maddalon Evaristo, Marcus Toscano, Thiago Oliveira, Bruno Madeira, Ericssom Castro, Andrea Paz, Daniel Motta, a Camerata de Violões NAMMUSIC, com regência de Rafael Altro, e os internacionais Elodie Bouny (Venezuela/França) e Gonçalo Cordeiro (Portugal). Além de, obviamente, o próprio homenageado, que apresentou um concerto no qual recebeu convidados. A exposição fotográfica “80 anos de Villa-Côrtes”, com coordenação de Mônica Côrtes e Rafael Altro, permaneceu em cartaz na Livraria Cultura. Lamento apenas a exposição não ter encontrado um espaço fixo em algum centro cultural, porque mereceria permanecer à vista dos interessados.

Colocar aqui, com uma nova roupagem, o currículo deste artista, não seria contar sua história como ela merece ser abordada. Durante minha visita à exposição fotográfica, percebi que há muitas formas de se contar uma história de vida. Nós sabemos disso, mas é diferente quando presenciamos essa ciência. As imagens mostravam o homem que aprendeu a viver a música, e que, em algum momento de sua jornada, misturou-se de tal forma a ela, que ficou difícil pensá-los em separado. Sua biografia também se mistura a do nosso Brasil. Enfim, as biografias das pessoas, de suas crias e criações, dos lugares, são uma miscelânea que cria a identidade da nossa cultura.

Sugiro que vocês embarquem na pesquisa, que se dediquem a conhecer a música de Edmundo Villani-Côrtes. Valerá à pena, posso garantir, pois o artista é sem dúvida um grande talento... Um dos grandes talentos que vêm ajudando a escrever a biografia do Brasil da diversidade, da qualidade cultural.


Imagens: Mônica Côrtes

carladias.com

Comentários

Que fotos! Que música!
Grato, Carla.
Você é uma verdadeira mensageira dos deuses. :)
Carla Dias disse…
A Mônica é uma fotógrafa fantástica, com um olhar muito especial. Você se lembra dela? Você a conheceu no lançamento do meu livro.
E confesso que adorei essa de "mensageira dos deuses"...
albir disse…
Carla,
agora compreendo porque a sua consultoria cultural é de ótima qualidade, apesar de gratuita: mensagem dos deuses.
Não lembro da Mônica. Acho que, no dia, esqueci de tirar a capa da lente de minha memória fotográfica. :)
Carla Dias disse…
Albir... Obrigada, mais uma vez, pela graça contida nas suas palavras.

Eduardo... Ah, achei que se lembraria, porque quando você chegou ao lançamento eu os apresentei e vocês bateram um longo papo. De qualquer forma, ela é fantástica.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …