Pular para o conteúdo principal

O CANDIDATO - Parte Final
>> Albir José Inácio da Silva

CONTINUAÇÃO DE:
O CANDIDATO I
O CANDIDATO II
O CANDIDATO III

- Salve, reverendo, a paz seja convosco. Venho pessoalmente comunicar-lhe minha candidatura, em homenagem à parceria que sempre desenvolvemos no interesse dos nossos irmãos.

Habacuque suspirou e com um gesto esvaziou a sala de pessoas, câmeras, microfones. Tinha cada vez menos paciência para Adailton. Nunca lhe tivera amizade. Lembrava-se do tempo em que precisou de sanduíche fiado naquele balcão nojento, e isso nunca veio sem humilhação. A situação se inverteu e agora era o comerciante que vivia implorando seus produtos milagrosos. Toalhinhas, rosas, água doce do Rio Jordão, água salgada do Mar da Galiléia, livros, revistas e outras mercadorias abençoadas e de grande procura pelos fiéis. Acontece que agora as próprias filiais da IMIV estavam cuidando da distribuição e ele não precisava de Adailton.

- Pára com essa palhaçada de reverendo e paz, que eu sei que o seu negócio é dinheiro. Sei que você não acredita em nada mas é capaz de se arrastar pra vigário e bruxo se isso lhe der alguma vantagem. Sei que você é corrupto como os outros, e a nossa igreja já tem candidato. Portanto não venha me pedir apoio político e seja breve que eu tenho negócios a cuidar.

E o candidato foi despachado como se enxota um cão. Não era tão simples assim, ruminava Adailton. Tinham negócios, tinham contratos. Aquele sanguessuga era bem mais humilde quando precisava dele, quando implorava que aceitasse suas bugigangas na loja. Agora cuspia no prato em que comeu. Quantas vezes fez reunião no armazém quando a chuva arrastou o barraco que servia de igreja? Quantas vezes pediu dinheiro emprestado? Quantas vezes pediu comida naquele balcão? A vida haveria de fazer justiça! Ali não voltaria mais. Tinha os seus clientes, o seu povo, a sua gente. Os seus eleitores.

Durante a apuração dos votos, a birosca estava lotada com mais de trinta pessoas. Comprava-se, comia-se, bebia-se e havia até comemoração no ar. A sempre rigorosa contabilidade de Adailton esquecia hoje uma cerveja aqui, uma linguiça ali. Havia até um barril de pinga com etiqueta de zero oitocentos na torneirinha. De repente, silêncio no ambiente e olhos na telinha, o repórter anunciou:

- Adailton da Biroska: ... sete votos.

O silêncio continuou por muito tempo, e só foi quebrado pelo próprio Adailton, polido como não costumava ser, mas apontando a porta da rua:

- Por hoje agradeço a presença de todos. Amanhã abriremos no mesmo horário.

O ambiente se esvaziou. Uma a uma, as peças religiosas foram retiradas da parede e amontoadas em frente à birosca. Os fregueses, que saíram mas não foram embora, rodearam os objetos sagrados: livros, santos, guias, contas, ervas, cruzes, toalhinhas, garrafinhas e coisas que ninguém sabia o que era. Olhos arregalados acompanharam as chamas, mas ninguém teve coragem de protestar.

Para o sobrinho universitário, chamado às pressas e muito espantado com a fogueira, Adailton explicou que agora era comunista. Não que pretendesse dividir com vagabundo nenhum o seu patrimônio. As coisas que conseguira juntar com muito esforço e alguma esperteza eram suas e ninguém ia tocar. O que gostava no comunismo era a falta de religião. Naquela parede ali em frente, já livre das quinquilharias da fé, o menino deveria pintar a foice e o martelo, e escrever a frase de Marx: A RELIGIÃO É O ÓPIO DO POVO. Este seria, esclareceu Adailton, o mote de sua campanha para as próximas eleições. E completou, erguendo o punho fechado:

- Hasta la victoria, siempre!

Comentários

Muito bom, Albir. Vamos ver como nosso Adailton se sai nas próximas croniqueleições. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …