Pular para o conteúdo principal

BALAS, BEIJOS E BILHETES >> Carla Dias >>

Durante a nossa jornada de vida, a vida em si acontece de uma forma inteira. Somos apenas uma mecha dos seus cabelos arrebanhados pelo vento. Um fragmento fundamental para que ela aconteça num todo.

Quem se permite alcançar pelo que acontece a sua volta, que observa o que vai além do universo que criou para si mesmo, está sujeito à inspiração na sua essência.

A nossa existência remete ao aprendizado. Temos de aprender a ser não apenas a pessoa que a geografia, a família e a sociedade nos permitem ser. Temos de ir adiante... Inspirar-nos.

Sim, eu me permito inspirar por balas. As cores dos seus papeis, os formatos, inspiram-me, assim como a curvatura do corpo do menino que pega a bala que caiu no chão, ou o olhar desamparado do dono do bar que vendeu a bala ao menino. O resmungo da mulher que espera para ser atendida.

Inspiram-me também as fotografias que contam histórias. Minha mãe tem algumas delas, tão antigas quanto eu, com pessoas das quais não sei o nome, apesar do parentesco. Ah, que sou deveras distraída com nomenclaturas, mas não esqueço o sorriso. Inspira-me o sorriso das fotografias amareladas. E os beijos, que são inéditos, sempre. Um nunca é igual ao outro. E os bilhetes, grudados na geladeira, deixados sobre a mesa da cozinha, trocados na sala de aula.

Permitir-se inspirar é como escancarar as janelas, sair para um passeio, debaixo de chuva. É atrever o olhar, ousar o sentimento. Abrir o coração para o que vem e tentar escolher o que nos faz bem.

Inspiram-me, também, as canções. Escrevi um livro de poesia inteiro ouvindo os mesmos discos, do mesmo artista. E capítulos de romances, trechos de contos, escutando o que diziam tantos outros, os sons que emolduravam os seus pensamentos. Muitas vezes, somente os sons.

Há frases que escutei durante a minha vida, nem sempre dirigidas a mim, mas que ainda ecoam no meu dentro. Às vezes, elas invadem a minha lembrança, e parecem ter sido sussurradas nos meus ouvidos. A voz é a mesma, assim como a entoação. Vêm junto com a lembrança cores, cenários, cheiros. É como se elas vivessem por perto, em total silêncio, e vez ou outra viessem me visitar.

Inspirar-se com o que a vida faz acontecer conosco e à nossa volta, leva-nos ao ambiente amplo da poesia. A dor não precisa inspirar somente dolências, mas também bálsamos. As desventuras podem ser apenas obstáculos, e mesmo que elas evitem chegarmos onde queríamos, é certo que o destino nos reservará gratas surpresas.

Inspire. Respire. Inspire-se. Viva.

carladias.com

Comentários

Glaucia disse…
Certas coisas nos inspiram na vida, e são elas que nos fazem viver melhor!!
Adorei sua crônica, inspirei-me a escrever algo hoje!!
fernanda disse…
Sua crônica é um convite à inspiração, Carla. Pena que poucos são os capazes de entender a sutileza desse tipo de convite. Muito obrigada pelas palavras.
Marilza disse…
Amei sua crônica, como tudo aquilo que vc escreve.
Suas palavras realmente inspiram. Principalmente, a prestarmos atenção ao simples, às coisas que estão à nossa frente e nem sempre percebemos.
vanessa cony disse…
Sabe o que me inspira?Todo o cuidado e carinho que percebo entrev cs.Amigos ,parceiros que a companham com carinho palavras alheias...Carla,é tão bonito ver docura nas palavras,ver encantamento e cuidado.Sensível são seus olhos ,capazes de perceber e fazer das coisas simples da vida uma bela fonte de inspiração.
Carla Dias disse…
Glaucia... Não é uma delícia nos permitir inspirar? E obrigada por me permitir inspirá-la, através desta crônica.

Fernanda... Mesmo sabendo da insistência da maioria em não atende ao chamado, melhor a gente sempre mandar convites para que os outros se inspirem. Como tudo na vida, pode ser que não desistindo consigamos tocar alguém que, até ontem, acreditava ser incapaz de ser inspirado de uma forma bacana.

Marilza... Você sempre gentil... Obrigada por fazer parte de tudo que escrevo.

Vanessa... Adorei saber o que a inspira. E assim como você, acho a doçura muito boa, e ao contrário do que a maioria imagina, ela não vem acompanhada da incapacidade de ser forte, de lutar pelo justo. A doçura tem uma força transformadora.
Carla, meus pulmões ficaram cheinhos de suas palavras. :)
Carla Dias disse…
Que então sejam coloridas e animadas essas palavras.
"Respirar bem fundo e devagar
que a energia está no ar."
albir disse…
Carla,
"atrever o olhar,ousar o sentimento" é um curso completo de criação literária. Parabéns pelo texto.
Carla Dias disse…
Eduardo... Ainda bem que a energia nunca nos deixa na mão e adora está no ar. Basta a gente alcançá-la.

Albir... Obrigada. Atrever... Ousar... Há verbos que são mesmo fascinantes, não?
Ângela disse…
Olá, Carla!
Tenho lido muitos textos seus, mas este tocou a minha alma e me proporcionou um mergulho no meu "dentro", como você bem o diz... Este meu encontro com o seu texto pode ser mais uma oportunidade tão linda como a que tive por intermédio do "Crônica do Dia" com Paula Pimenta... Hoje ela é a escritora preferida de meus alunos!!! Parabéns pela sensibilidade...
Ângela
Carla Dias disse…
Ângela... Obrigada por ler meus textos, mas principalmente por permitir que eles a levem a outros rumos, como o seu dentro. O dentro da gente é muito importante, por isso temos de cuidá-lo com o maior carinho.
A Paula Pimenta é gente muito boa, ótima escritora. Sou fã dos escritos dela.
Mais uma vez, obrigada. Beijos!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …