Pular para o conteúdo principal

PÓS-PRODUÇÃO >> Eduardo Loureiro Jr.

Ainda bem que as eleições de 2010 terminam hoje. A campanha eleitoral foi longe demais: invadiu o terreno sagrado de meus sonhos.

Eu, que já tive o privilégio de sonhar namorando a Maitê Proença atrás das cortinas do belíssimo cinema São Luiz, recebi em minha cama, de ontem para hoje, os candidatos à presidência da república. Não conto o sonho inteiro para não aborrecer o leitor, invadindo também seu sacrossanto domingo. Permito-me apenas dizer que não dei mole para eles. Para o Serra, já desconsolado com a iminente derrota, ofereci uma frigideira gigante, dizendo: "Pula aqui que eu vou fritar você". Depois, caminhando na contramão da massa que vinha comemorar a vitória de Dilma, distribuí empurrões e palavrões para a multidão.

Mas esta crônica não é sobre política, e sim sobre o que acontece depois. "Depois de quê?", perguntará o leitor. Depois de tudo. Depois das eleições, depois desta crônica, depois de "foram felizes para sempre", depois do disco, depois do show.

Eu tinha já meus 26 anos quando descobri uma verdade incontornável da vida: existe um depois. Foi numa sala do anexo do também belíssimo Theatro José de Alencar. Eu participava de um curso de Produção de Eventos Culturais, ávido para aprender como viabilizar meus sonhos de música e literatura. Lá pelas tantas, a professora começa a falar de pós-produção. "Como assim pós-produção?", perguntei sem perguntar. Para mim, depois da produção ou do espetáculo, só restava sair com os amigos para tomar uma cajuína e papear. Elisa, a professora, fez como o mundo de Cartola: reduziu minhas ilusões a pó.

Não que a pós-produção em si fosse algo estranho ao meu mundo. Eu já sabia, à época, que deveria lavar os pratos que sujasse, e também tinha passado pelas primeiras dificuldades do casamento que deveria ser feliz para sempre. Mas eu pensei que certas áreas da vida — as artes e os sonhos — estavam protegidas do castigo do depois.  Não estavam. Não estão.

Depois do impacto inicial da descoberta catastrófica, fui me acostumando, afinal fazer o quê? Foi nessa época que comecei a produzir já pensando na pós-produção, em facilitar a pós-produção: cozinho o macarrão antecipando a lavagem da panela; planejo as coisas considerando não apenas o trabalho que dão agora, mas, principalmente, o trabalho que darão depois para limpar, desmontar, devolver, encaminhar, comprovar, desfazer-se, sumirem... O que era uma simples adaptação a algo de que não gostava, começou a se transformar num prazer quase compulsivo.

Agora, enquanto escrevo esta crônica, me ocorreu que talvez seja consequência dessa minha obsessão pela pós-produção o que chamo de desapaixonamento. Eu costumava me apaixonar — por pessoas, por coisas, por ideias — com uma velocidade inacreditável. Quebrei a cara muitas vezes, pois saltava do precipício da vida, voando com as asas do sonho, e só acordava quando batia no duro chão da realidade. Mas arrisco dizer que foi nesses curtos momentos de voo que cheguei mais perto da felicidade. Quando comecei a me preocupar com a pós-produção, a paixão se dissolveu como uma paisagem de sonho. Hoje, se me ocorre uma ideia genial, penso quinhentas vezes antes de colocá-la em prática, e geralmente não coloco — daria MUITO trabalho. Hoje, acho que seria incapaz de dedicar-me a alguma coisa, a um hobby, como fiz com os jogos de tabuleiro durante alguns anos da minha vida, afinal, qual seria o objetivo disso? Hoje, quando vejo uma mulher linda, linda, linda na rua, não levo mais que três segundos para imaginar todos os defeitos dela, todas as atitudes e manias que tornariam insuportável a convivência.

Sei que o ser humano, de uma maneira geral, e o escritor, em particular, acha que está sempre certo. Mas talvez, apenas talvez, isso tudo esteja errado: eu sonhar com Dilma e Serra em vez de sonhar com Maitê Proença; eu fazer portfólio em vez de beber cajuína; eu trocar uma refeição saborosa por uma refeição fácil;
eu dispensar uma ideia genial e me dedicar a uma ideia exequível; eu preterir as qualidades e me concentrar nos defeitos.

Sim, estou errado, embora me pareça certo admitir que estou errado — não há como escapar ao destino humano da certeza.

Ao final da noite, depois do resultado das eleições, vou dormir e sonhar um sonho trabalhoso, quase impossível de realizar; um daqueles sonhos que não são fáceis, mas que dão sentido à vida da gente.

Comentários

Marilza disse…
Edu, não perca as esperanças perante seus projetos. Os seus, os meus, os nossos medos pós fazem parte, mas a gente tem que acreditar.
Eu acredito! Não nos políticos, mas em mim...rsrs
Bjs
*Fê* disse…
Sim, estou errado, embora me pareça certo admitir que estou errado — não há como escapar ao destino humano da certeza.

Edu, como sempre profético!
Também ando querendo sonhar um sonho trabalhoso!
Adorei demais!
Beijao
Marilza, a gente até tenta perder a esperança nos sonhos, mas os sonhos não perdem a esperança na gente. :)

Profeta eu, ?! :) Vamos lá, trabalhar nossos sonhos.
vanessa cony disse…
Depois que conheci o Crônica do dia venho por aqui sempre que possível,espero anciosa por seu texto.Sorte que nessa espera vejo tb muita coisa boa...
Quando lemos bons textos nos inspiramos e isso,definitivamente ,serve de alimento.Que bom,né?
Eu continuo lá.Espero uma nova visita,uma nova crítica.Super beijo!
A propósito,muito bacana seu texto.Mais uma vez...
vanessa cony disse…
Meu Deus!!!!Ansiosa.AnSiosa,Erro gravíssimo.3 pontos na carteira!kakakaka
albir disse…
Edu,
o pós de ontem é o per de hoje e o pré de amanhã. Não há muito pra onde correr.
Vanessa, que bom que encontrou aqui um cantinho agradável. E às vezes a ansiedade é mesmo tanta que muda até a grafia da palavra. :)

Bem lembrado, Albir. Bem lembrado! Não há como escapar. :)
fernanda disse…
Sobre minhas próprias experiências o que eu posso dizer é que quanto mais me preocupo com a pós-produção, menos faço bonito na produção.

Sou melhor no impulso ;)
Carla Dias disse…
Pensei numa pós-produção que foi capaz de apontar como foi bacana a produção. Seja no sonho, na vida, na realidade poética ou profética, você tem de tratar a pós-produção no tempo dela: depois. Senão a produção perde mesmo a graça.
Fernanda, você me fez lembrar de uma música de um amigo meu: "Vou no impulso, no pulo do pulso, tramo e traço." :)

Sábias palavras, Carla. Estou meditando nelas. ;)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …