Pular para o conteúdo principal

LABUTA >> Kika Coutinho

Não é regra, até porque as regras vão todas para baixo do tapete quando parimos, mas, em geral, passamos por um fluxo que funciona de modo muito parecido para as mães.

No início, bem no início mesmo, dá um pânico tão grande de tudo que você quer logo voltar ao trabalho para descansar um pouco e, quem sabe, viver um pouco como gente normal.

Daí passa o tempo, você não volta porque mãe de recém-nascido não é gente normal. Quando vê, o bebê já está gostoso com seus 4 meses, rindo pra lá e pra cá, encantando o mundo todo. Você passou para a fase 2 na qual, decididamente, não quer voltar a trabalhar. Nunca. Nunca mais na vida. Pra que trabalhar, pra que aquelas reuniões, aquelas planilhas? Meu Deus, tudo o que eu precisava está aqui! Abandono compras, salário, sapatos, até cortes de cabelo, sou uma pata e só quero pôr meu filhote embaixo da minha asa. Nada mais é necessário, punto e basta.

Nessa fase, se você puder, não trabalhará. E curtirá o seu bebê intensamente. Vão ser pracinhas, parquinhos, tapetões, roupinhas, mamadeiras e fraldas dia após dia. E você experimentará uma felicidade inédita. É a calma e a alegria clara da maternidade. Tudo o que eu vivi até agora foi bobagem. Até que, um dia, sente uma coisa estranha ao ver seu sapato de salto alto no armário. Uma coceguinha de lembrar que você já viveu maquiada e sem moleton. Já? Já — responde se olhando no espelho, entre um cocô e outro. Logo, pensa na sua conta bancária, vai imaginando como seria poder, de novo, comprar uma blusa, um sapato, um livro, quem sabe comprar aquele DVD que você nem sabe se quer, mas, enfim, pode comprar, sem dever nada a ninguém. Nossa, como era bom ter meu dinheiro. Eu já tive dinheiro caindo na minha conta, mês após mês, livremente? Já? Já. Daí, de repente, você sente uma vontadezinha de voltar a trabalhar. E, se pode, volta. Mas sofre.

Voltar ao trabalho é como ser jogada num gira-gira, daqueles de criança, de repente. Uooooou, você quer gritar, quando está lá, naquele escritório alucinante, enquanto todo mundo fala, pergunta, opina, decreta, grita, chora... Quanta vida, quanta gente! É um choque após outro, e você, em silêncio, não consegue parar de cantarolar: "Fui morar numa casinha-nha, enfestada-da de cupim-pim-pim..."

Leva tempo, suor e lágrimas essa adaptação.

Mas, quando você menos espera, pode achar bom. É uma dor boa, uma tristeza alegre, uma contradição das piores, mas é o que somos.

Enquanto estamos no trabalho, só conseguimos pensar na fofice que nos espera em casa, na risadinha, no cheirinho, nos gritinhos, até nos tapas que o bebê nos dá na cara. Sentimos uma saudadesinha doííída. Daí, chega em casa e aperta a criança quase até machucar. A felicidade é dobrada quando vemos que causamos igual alegria naquele serzinho: Ele me ama, ele me ama — a gente se vangloria em êxtase. Mas passa um tempo e, de repente, no meio da troca de fralda, a gente lembra daquela planilha do trabalho, daquela reunião. Nossa, estou ficando louca? Eu queria tanto estar em casa, por que não paro de pensar no trabalho? Onde desliga o modo profissional? Apagaram o modo mãe? Hã?

É. Nunca acaba. A gente vai aprendendo onde aciona uma e onde fecha a outra, mas vive confundindo, trocando, esquecendo. O modo esposa, vixe, a gente até perde a chave. Demoooora a lembrar. Mas tá aí. Em algum lugar.

Entre o caos das descobertas, dos medos, da saudade, dos encontros e desencontros, a gente descobre as camadas de força, coragem e alegria de qual todas nós — todas — somos feitas. É o mundo mágico (e caótico) da maternidade invandindo cada pedaço de quem somos. Seja bem-vindo.

Comentários

Apenas mais uma de mãe. Com esse humor que eu adoro. Tudo de bom para um início de segunda-feira. :)
fernanda disse…
Antes de ser mãe eu vou precisar aprender a confiar nos outros, senão, nunca mais vou calçar sapato de salto e ter dinheiro na minha conta. Não consigo dividir nem minhas tarefas de trabalho, imagine dividir os cuidados de um filho? (sim, sou paranóica)(coitado do filho que vou ter)....rs
Bjos
albir disse…
E segue o curso intensivo de maternidade. Nem precisamos apostilar as crônicas porque já estão no livro. Aguardemos os próximos volumes: 1ª infância, 2ª, adolescência, etc.
Fernanda disse…
Kika, adoro seus textos sobre a maternidade, faz a coisa parecer mais leve até do que imagino ser :)

bjs!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …