Pular para o conteúdo principal

O JOGO DEMOCRÁTICO
E SUAS FALSAS ESCOLHAS
[Sandra Paes]

Parece que o mundo ocidental está todo debaixo da pressão de escolher alguém para lhe ditar os caminhos. Falo das eleições no Brasil e nos USA.

Por toda parte, propagandas de “vote em mim” e uma série de discussões temporárias sobre o melhor partido. Pela internet, recebo diariamente incontáveis emails na tentativa de ganhar meu voto ou, pelo menos, uma adesão simpática.

Me pergunto: a quem serve tudo isso?

Desde que os gregos inventaram a democracia o mundo vem brincando de escolher representantes. Entre percepção e consciência, escolha sob a égide de tantas dúvidas, fica apenas uma possibilidade: você tem que escolher. Há que apontar alguém. O discurso histórico de que possíveis candidatos a cargos políticos têm que prevalecer para sustentar o Estado e seus poderes de decisões e normas na sociedade vigente nunca foi avaliado.

A crença básica é: o homem precisa de quem lhe aponte o caminho, quem lhe imponha regras e tarifas para justificar seu trabalho, sua produtividade e, por que não, dar um sentido à sua existência.

Dizem que o trabalho enobrece. Dizem que é importante guardar dinheiro e fazer economia. Dizem que é importante dar continuidade à educação da prole. Dizem que é fundamental investir na paz. E prometem segurança de todas as formas, da saúde ao território coberto de proteção.

Tudo mentira! E a gente, que lá no fundo pertence apenas ao partido humano da esperança, fecha os olhos, cruza os dedos e torce pra dar certo.

E o que seria “dar certo”? Uma justificativa numérica de que a economia vai bem, de que as crianças estão frequentando a escola, de que os hospitais lhe atendem quando você precisa e você tem serviço médico a seu dispor?

Mentira, tudo mentira!

Existe a tentativa de usar o dinheiro arrecadado de impostos para financiar algumas coisas. Todos os pedidos anotados? Todas as reivindicações devidamente encaminhadas para serem cumpridas com o prazo exíguo de quatro anos? Claro que não!

Sobra apenas uma dualidade cruel. Se você acredita que o Presidente vai melhorar o nivel da pobreza e distribuir melhor a riqueza entre os miseráveis, vote no PT. Se você acredita que o Estado é abusivo em gastos e poderes e pensa que é melhor deixar o homem administrar suas próprias empresas e serviços e acha que a privatização é o caminho, vote no PSDB.

Se você acredita que apenas com a guerra se constrói a paz, vote nos republicanos. Também se você pensa que o liberalismo de decisões e controle de gastos deve ficar mais na mão das empresas do que nas mãos do governo, o caminho é o mesmo: eleger um republicano. O próprio nome diz: o que conduz a coisa pública.

E o que seria mesmo a solução? Existe uma?

Os que precisam de pai — e isso parece ser a maioria —, o pai protetor, tipo que passa a mão na cabeça, lhe perdoa sempre os erros e até esquece deles, então você já sabe exatamente em quem votar.

Mas se você já acha que atingiu a maturidade, e sua relação com a Pátria é de respeito e cooperação, tanto quanto com sua familia, sua mulher ou esposo, seu vizinho, etc., você está sem partido e representação por que isso ainda não foi conquistado.

Política ainda reflete o estado de consciência de um povo e suas possíveis carências e necessidades. Conseqüentemente, a forma de resolver tudo isso.

O mundo todo ainda é infantil. Ainda brigamos para ter um Deus verdadeiro, ainda criamos confusão de todas as ordens em nome de manter nossas crenças, mesmo que seja no melhor time de futebol.

Parece que estamos todos aprendendo a escolher — se é que isso é assim mesmo —, porque onde há fome não tem cardápio ou menu pra se escolher um prato. Está cheio de casos como esses no planeta.

E no Brasil? Qual é a cara e a máscara desse país? Até porque quem vê cara, não vê coração, e todos nós sofremos com a falta de uma percepção mais clara e uma consciência mais realista. Ainda dormimos em berço esplêndido ao som do mar azul e à luz do céu profundo, e eleger significa acordar ou mudar de sonho? Não sei...

Caçaram meu direito de voto. Sumiram com meu título de eleitor. E isso é dever cívico. Como cumprir um dever cívico sem o documento oficial para fazê-lo?

A vida me colocou em outro espaço de escolha: a falta de escolha. E isso não está nas urnas. Ou é goiabada com queijo ou é pudim e ponto. Recusar sobremesa agora não pode.

Comentários

Debora Bottcher disse…
É isso mesmo, Sandra: nos deixaram sem escolha, numa enorme cilada. Isso me dá uma certa agonia - e eu nem sou ligada em política. Mas o jogo eleitoral chega a dar náusea - e eu nem falo da propaganda, na TV, rádio ou internet, mas do dia a dia dos (dois) candidatos, que ou fazem trapalhadas ou encenações... Feio, triste, bizarro...
Eu torço para o depois, esperançosa (como todo mundo) no 'dar certo' que, pra mim, parece que nunca chega...
Beijo, bonita. Sempre bom te ler.
Bela reflexão, Sandra! Muita coisa pra pensar a partir dessas suas palavras.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …