Pular para o conteúdo principal

TECNOLOGIA NA COZINHA [Ana Gonzalez]

Comprei pela internet. O pacote chegou depois da espera convencional. Mas eu estava já contando as horas e os minutos. Comprei porque me prometia maravilhas: um liquidificador e um multiprocessador juntos. O primeiro era velho amigo e foi o grande motivo da minha ansiedade. Forte, novo, lindão. Mas o segundo eu não sabia como usar. Ficou no armário, com as peças todas acondicionadas, depois de verificadas, do jeito que vieram pelo correio. Embora o manual parecesse simples, por precaução deixei o uso da novidade para um momento em que eu pudesse dar conta da tarefa.

Desse mesmo jeito eu lido com as tecnologias todas. Delongando a hora do confronto. Isso nem sempre é bom, claro. Por exemplo, tenho dois endereços no facebook, por inabilidade de me arrumar com um só. Não funcionou o primeiro. Quis consertar o desacerto e arranjei outro endereço.

Assim também tem acontecido em outras situações na internet. Contabilizo um monte de outras tentativas frustradas para entrar em um sem número de redes, inclusive o Orkut. E também não sei mexer muito no meu blog. Utilizo menos do que poderia. Nem tento o twitter.

Sei, sei que é uma pena. Já sofri com isso. Hoje em dia, dou-me um tempo enorme para aprender aos poucos. Permito-me essas impropriedades. Alguns dizem que isso é sinal de maturidade. Amigo ou amiga, conclua como puder ou quiser. Saiba que aceito ajuda para aprender a lidar com essas coisas.

Enfim, chegou o dia do multiprocessador de coisas. Naquele dia, o menu tinha cenouras e bogô (um vegetal de que japonês gosta muito e que tem muita vitamina, segundo informações colhidas na feira). Experimentei uma vez. Frito com alho, cortado em rodelinhas, parece uma pipoca saborosa. Depois disso, faz parte do meu cardápio. Em vez de ralar os dedos com a cenoura e cansar os punhos com o bogô, que tal utilizar a tralha guardada no armário, me disse uma voz delicada ao ouvido?

Pois fui à luta. Com o espírito preparado, propus-me a descobrir como ralaria a cenoura em pedaços não muito grandes e como cortaria o gobô em rodelinhas finas. Chegara o necessário enfrentamento com a máquina. Cerca de doze peças estavam à minha frente. Arrumei todas elas e tentei montar para as funções escolhidas. Várias vezes, fui mudando as maiores e as menores de algumas maneiras conforme minha criatividade indicava. Não deu certo.

Sucumbi, então, ao manual. Estudei as páginas e tentei de novo. Claro que funcionou, mas o estresse aconteceu. E só se desfez quando, à mesa, devorei uma pratada de suflê de cenoura com pipoca de bogô e arroz integral. Pequenas alegrias de uma lua em touro, à frente de uma refeição saudável e deliciosa.

Outra experiência do campo do sensível veio depois. A sensação de encantamento com os efeitos da tecnologia. Quase uma gratidão! Nessas horas, sempre me lembro da minha linda avó, que sorriria perante a situação e concordaria que toda essa novidade ajuda pra caramba. E há um outro detalhe: depois de conseguir montar o aparelho, acertando as partes, verifiquei que ouvia um clic que significava o seu perfeito encaixe. Só depois desse clic o aparelho funcionava. Prudência da tecnologia. Isso não é demais?

Site: www.agonzalez.com.br

Comentários

Debora Bottcher disse…
Ana, querida, Que crônica divertida - especialmente pra quem vive aventurando-se pela cozinha... :) E é isso: a tecnologia ajuda muito e nossas avós ficariam maravilhadas...
Outro dia, eu descobri a utilidade de um Mix - imagine só! Depois disso, parei de usar o liquidificador - é bem mais prático pra lavar e guardar. :)))
Super beijo.
Marilza disse…
Ana, eu a entendo perfeitamente. Já passei e continuo passando por algumas agruras com a tecnologia.
Bjs
Anônimo disse…
Queridas amigas, Debby e Marilza
Ai, que parceria aliviante e estimuladora!...rsrsrsrs... Obrigada pelas palavras.
Ana González
Hum... fiquei com vontade dessa pipoquinha aí. :) O texto, como sempre, uma delícia.
Anônimo disse…
Simples, simples, Eduardo. Corte em pedacinhos pequenos as tiras de bogô, depois de levemente raspadas. Refogue alho e coloque as pipoquinhas para dourar e cozinhar. Coloque sal e, se quiser, pimenta. Vindo a SP, faço com gosto para vc! bjs
Ana González

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …