Pular para o conteúdo principal

CONSCIÊNCIA A TIRACOLO >> Carla Dias >>

Minha consciência até parece viver ao meu lado, vestir branco – que eu não visto. Beber uísque – que eu não bebo. Tem esse nariz empinado, que jamais terei, porque já passei da idade de querer desistir desse meu jeito de caminhar olhando para o chão, catando passos com o olhar. Inventando pedrinhas no caminho.

Mas mesmo ela tem seus dias de rebordosa, e acorda e não quer saber de pentear os cabelos ou escovar os dentes. Seu hálito, indisciplinado, em dias como este, lembra-me a descortesia da eternidade, que quando desembesta a dizer a verdade, suicida-se sem ao menos nos fazer entender que, mesmo ela, tem fim.

E há dias em que não acordamos para sermos alvejados pelas verdades duras, cruas, desoladoras. Preferimos as capazes de reconstruir nossa arquitetura emocional, para aguentarmos a batalha incessante entre quem somos e o que nos tornamos, diariamente.

Em momentos como este, precisamos de verdades suaves, como a ciência de que, logo mais, será a hora do jantar. E nos sentaremos à mesa – os ligados pelo sangue ou pelo amor em todas suas vertentes – para jogar conversa fora, deixando bem claro a importância que damos e também a que recebemos.

Minha consciência, por sua vez, cutuca-me com a sua necessidade de se manter afiada. Não quer perder a briga para o sentimentalismo, tampouco se aventurar com a ignorância. Não quer se perder de mim, apesar de nem sempre me gostar, e desejar sair de cena, vez ou outra. Sei bem que nem sempre o seu nariz empinado é garantia de sucesso... Às vezes ela me perde, e apenas por alguns instantes, mas é o suficiente para que eu me sinta não muito bem ao encará-la, logo depois do sumiço.

A consciência é uma senhora correta, quando a permitimos existir livremente. Vez ou outra, ela se torna também a rendeira de grandes acontecimentos nas nossas vidas. E pede paciência – como quase tudo pede – para amansar os desvarios, clarear a visão, oferecer não a versão, mas a concepção das nossas escolhas, e a autoria das consequências geradas por elas.

Somos filhos das nossas consciências, e como tais, às vezes nos tornamos rebeldes, ultrapassamos limites, cometemos erros. Desapontamos essa mãe que, mesmo nos seus piores dias, ainda é sensata, preza pelo justo.

Minha consciência não protela dúvidas, tampouco exclui ruminações. Ela não me protege, porque sabe que o melhor é viver o que tem de ser vivido, para que a minha existência não se torne um balaio de dúvidas que jamais conseguirei sanar. Às vezes, ela dói um pouco, porque nem tudo são flores no reino da consciência tranquila... Mas depois passa.

A consciência de cada um de nós é a esperança de, dia desses, sermos muito mais interessantes e justos aos olhos da sua prima-irmã: a consciência coletiva.

E como diz a canção, “Cuide-se bem/perigos há por toda a parte/e é bem delicado viver/de uma forma ou de outra/é uma arte/como tudo”.

Cuide bem da sua consciência.



Comentários

fernanda disse…
Minha consciência veste colorido, fluorescente. É gigante, luminosa, ruidosa, espalhafatosa. De um jeito que não se deixa esquecer nem por um segundo da minha vida.
Carla, gostei da analogia entre Consciência e Mãe. E lembrei que, assim como por vezes, quando adolescentes, tínhamos vergonha de chegar nos lugares com nossa mãe, também podemos ter vergonha, em nosso descrescimento, de chegar com a consciência em alguns lugares. :)
Marilza disse…
Carla,

o importante é que a nossa consciência nos guie. Ora por caminhos planos, ora tortuosos e que o aprendizado seja sim, diário.
Bela crônica.
Carla Dias disse…
Fernanda... Sua consciência me parece não apenas justa, mas também divertida. Isso é bom... Bom à beça!

Eduardo... Isso mesmo! Às vezes a gente tem vergonha de sermos conscientes assumidos. Uma bobagem a ser superada, em algum momento... Assim espero.

Marilza... Concordo com você. Mas é preciso estarmos abertos a este aprendizado, assim podemos abraçar a nossa consciência sem medo.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …