Pular para o conteúdo principal

MEMÓRIAS DO DIVÃ >> Fernanda Pinho


Eu estava achando o mundo estranho, as pessoas confusas e os questionamentos insolúveis e, então, por minha conta, decidi que era hora de fazer terapia. Sem referência alguma, procurei um psicólogo na Internet e marquei uma consulta. A experiência foi desastrosa, pois o homem era esquisítissimo, me deixava pouco à vontade, com a sensação de que, a qualquer momento, ele iria tirar uma arma de trás de sua poltrona e me balear. E pior. Ele insistia em me chamar de Flávia. Sorte a minha é que eu nunca tive problemas de identidade, ou teria pirado de vez.

Mesmo assim, cheguei a frequentar umas quatro seções e só desisti quando eu tive a certeza de que não tinha jeito: eu nunca confiaria nele, ele nunca aprenderia meu nome. E foi então que aconteceu o fato mais bizarro dessa experiência pois, estranhando meu sumiço, o homem resolveu me telefonar.
- Oi, Flávia, tudo bem? Eu notei que você não veio mais ao consultório. Aconteceu alguma coisa?
- Flávia? Quem é Flávia? Você ligou errado, aqui não tem nenhuma Flávia!

Isso foi o que eu pensei. Na verdade, eu disse:
- Ah, eu não vou poder continuar com a terapia porque não estou tendo tempo. Desculpa não ter avisado antes.
- Tem certeza de que é só isso, Flávia?
- Não, não é só isso. Acontece que se tem alguém que precisa de terapia aqui esse alguém é você. E meu nome não é Flávia, é Fer-nan-da. F-E-R-N-A-N-D-A, entendeu?

Isso foi o que eu pensei. Na verdade, eu disse:
- Sim, é só questão de tempo mesmo. Estou trabalhando demais, sabe como é...
- Humm...então não é problema financeiro não, né? Porque se for, eu te atendo de graça. Eu gostaria de continuar, porque você é um caso muito interessante para minha linha de estudo...
- Um caso muito interessante? Você tá me chamando de louca?

Isso foi o que eu pensei. E disse.

Obviamente, depois do acontecido, fiquei ainda mais desesperada em busca de um bom terapeuta, afinal eu tinha um novo – e grave – questionamento a ser resolvido: por que cargas d’água eu era um caso muito interessante? Foi então que minha cabeleireira me indicou sua amiga, que é psicóloga. Seguindo a linha de raciocínio “ela cuida bem da minha cabeça do lado de fora, então sua amiga saberá como cuidar da minha cabeça por dentro”, apostei minhas fichas e fui.

Olha, desde então, me tornei uma diletante da terapia. Naquele consultório descobri coisas que mudaram minha vida. Criei um vínculo raro com a nova psicóloga que, além de ser uma excelente profissional, sempre teve uma empatia gratuita por mim (e eu por ela). Foi ela quem me fez entender, por exemplo, que não temos o poder de mudar ninguém. Mas temos o poder de nos afastar de quem quisermos. Um aprendizado e tanto para uma mimada e birrenta como eu.

Pena que, de fato, fiquei sem tempo e tive que parar com a terapia. Talvez se eu tivesse continuado, eu poderia ter resolvido algumas coisas que ainda me atrasam muito. Cheguei a essa conclusão um dia desses quando, por um acaso, me reencontrei com a psicóloga. Me bateu uma angústia quando ela me perguntou sobre certos padrões que ainda continuam a se repetir. Tentei disfarçar, mas acho que ela notou minha cara de quem tomou bomba na escola.

Porque de nada adianta ter a melhor terapeuta do mundo se você tem um talento inato para sempre, invariavelmente, fazer as escolhas erradas. Ainda bem que eu não sou assim, né, gente? A Flávia é que é.


Comentários

Fernanda, o título é maravilhoso. A imagem de abertura é, bom, deixa pra lá... :) E a crônica, definitivamente, está à altura. Perfeita do início ao fim. Parabéns! Eu adoro essa história de pensar uma coisa e dizer outra. Me faz lembrar daquela série "Anos Incríveis".
Amei a crônica. Realmente, quando não existe confiança, fica dificil ir em frente, não é? E o pior de tudo: Fernanda é um nome tão lindo! Por que não decorá-lo? Realmente você fez bem. rs

Agora sério: gostei muitíssimo do texto. Superbem escrito e gostoso de ler.

Beijos
E vc descobriu qual era o caso para estudo? rs

Ai, sempre quis fazer terapia, acho que preciso, embora eu me resolva escrevendo... sei lá!

beijo
albir disse…
Maravilha... a quem devo parabenizar?
Acho que F. Pinho resolve a questão. Abraço.
Marilza disse…
Fernanda, adorei sua crônica. Já vivi isso: falta de confiança e credibilidade. Agora, 'ainda' não trocaram meu nome....talvez porque seja incomum.
Abs
fernanda disse…
Eduardo: muito obrigada! Eu penso cada coisa, que é melhor nem dizer mesmo. Às vezes fico até com medo de alguém ouvir meu pensamento...rs

Fernanda: concordo! Nosso nome é muito lindo pras pessoas ficarem cometendo essa blasfêmia :)

Lah: ainda não descobri porque eu era um caso muito interessante. Acho que nem quero...rs

Albir: você me fez levantar uma hipótese. Quem sabe eu tinha (ou tenho) um alter ego e, sem saber, me apresentava como Flávia para o psicólogo? Vai ver que é por isso que eu era um caso interessante...que medo!

Marilza: pois é, eu superrecomendo a terapia. Mas se a gente não tiver confiança, já era.

Beijos!!!
Vinicius Machado disse…
Fernanda:

Haha! Muito bom! Engraçado.
O fato do terapeuta ter lhe chamado de Flávia, me lembrou de algo que ocorreu comigo durante, pelo menos, dois anos. A maioria das pessoas me chamavam de Matheus. Na verdade acredito que não tinha o H no nome, mas coloquei, já que me emprestaram.
Tipo, pessoas que me conheciam a pouco, e por vergonha de perguntar meu nome novamente, chamavam-me de: Matheus. Mas essas pessoas nunca me incomodaram. Elas não são obrigadas a decorar meu nome logo que eu o digo para elas. E se tenho, ou não, cara de Matheus também não é problema deles. O problema são os amigos, amigos que convivia boa parte da minha vida, me chamarem de Matheus!!! E, por incrível que pareça, não era gozação ou brincadeira. Eles não lembravam. Eu namorei uma amiga que tinha essa mania de me chamar de Matheus, e durante o namoro ela me chamava de tal. E o que eu fiz? Reciclei a amizade. Fiquei com aqueles que conseguiram aprender meu nome.

Adorei a sua crônica!

Abração!!
fernanda disse…
Hahahahaha, adorei sua história, Matheus...ops...Vinicius. Algumas pessoas também me chamam de Paula. Mas é o nome da minha irmã, então aceito a confusão...rs
Beijos!
Jujú disse…
Ai amiga....que delícia de texto!

E nem preciso dizer que me identifico a cada palavra que vc escreve. Às vezes acho que vivo numa série de tv, onde eu penso em algo, digo o contrário! hahaha

E eu lembro quando vc me contou esse causo...psicólogo MALUCO!

Tenho muita, muita vontade de fazer terapia, e acho que tb iriam querer me estudar! E acho ótimo!rs

Amo ocê!

Beijos
Ai, você é um caso sem solução... por isso que eu te amo, Flávia!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …