Pular para o conteúdo principal

MANHÃ NA RUA OSWALDO CRUZ
>> Leonardo Marona

Arrastava pelo braço um outro senhor um pouco mais senhor e menos digno por isso, ao que me pareceu. Ele era puxado pelo braço de encontro ao vento forte que amassava sua camisa de bolso na altura do peito contra sua ausência de vida em pele. O senhor que puxava era careca. O senhor mais senhor e menos digno, ao que me pareceu, não era careca. Filho da puta, pensei. Filho da puta sortudo de uma figa... Olhei meu reflexo na vidraça da portaria de um prédio um pouco antes do meu. Por que fui raspar a cabeça? Essa cabeça chata de idéias velhas e dramatizações falsas. Pensei em dar minha mão para o senhor mais senhor e menos digno, ao que me pareceu, e ir-me embora com ele até o lugar onde todo mundo tem cabelo e é feliz. Mas o outro senhor, que o arrastava contra o vento, me olhou como se fosse me matar e a toda minha geração. As pessoas precisam se defender delas mesmas o tempo todo. Isso tudo durou um segundo ou dois. Coisa de péssimo escritor. Virei para trás quando passei pelos senhores. O senhor mais senhor e menos digno, ao que me pareceu, estava com uma cueca listrada para fora das calças, a camisa para dentro da cueca. Estava contente com o vento na cara, se sentindo mais jovem, os dentes soltos saltitavam e a goela ia e vinha, tal qual uma bolha de sabão. Saltitava o velhote. O outro o arrastava blasfemando. Eia, velho! Eia! Estou atrasado para a morte, não vê? O velho com a camisa para dentro da cueca, a cueca para fora das calças. Feliz por andar ao sabor do vento, mesmo que arrastado como uma mula.

Entrei no prédio. O porteiro vive rindo. Oi, nenê! Gut, gut, gut, nenê… Ele falava com um bebê de chapéu. A babá era uma daquelas cearenses de pé lascado. Uma boa. Ele ficava lá, contente, gut-gut no bebê e gut-gut nas tetas suculentas do agreste. Eu entrei e só ouvi. O resto eu tive certeza. A porta do elevador estava se fechando e eu tive que correr e enfiar a mão entre a porta e a parede. Porque outra mão puxava a porta para que não me desse tempo de entrar. Meti a mão e entrei. Uma velhota parecida com a Yoko Ono depois de Hiroshima. Uma Dercy Gonçalves oriental, enfim. Usava uns óculos enormes cor de violeta, muito batom encarnado. Não pode ter sido ela quem escolheu aquilo. Deve ser como com o velhote de cueca por fora da camisa.

Bom dia, bom dia. Que calor! Mas e o vento? Nossa! Um, dois, três, quatro, cinco, eu sempre começo a contar números quando não sei mais o que falar. Dez, onze, doze, ela recomeça. Ai, ai, eu não entendo esses porteiros. Estão sempre rindo. Eu digo: É? E ela: É. Quanto menos se tem mais se ri. E eu: Vai ver existe alguma explicação pra isso. Vai ver existe. Daí a velha: Ai, a gente, sabe, a gente é tão cheio de coisa... Ufff... Dezenove, vinte, vinte e um, vinte e dois, chegamos ao oitavo... Abro a porta pra velhota. Tchau. Até logo. Ela vira pra mim já do lado de fora, tira os óculos cor de violeta e diz: Olha, que bom que uma coisa sempre compensa a outra. É. Até logo. Bum! Porta velha do elevador, porta velha e de grade.

Entro em casa e sento aqui para escrever isso. A água no chuveiro está ligada, o exaustor do fogão a mil. Cheiro de alho. Puta, os nuggets! Merda, Vídeo Show! A água quente a comida quente o dia quente a testa quente a vida fria. Ainda bem que uma coisa compensa a outra.

Comentários

É, Léo, a cada crônica eu tenho mais a impressão de que o Rio ganhou um novo cronista clássico. :)
Leonardo! E nesta vida tumultuada que ando aprendendo a viver, o que compensa é saber que com um clique posso matar a saudade de ler essas preciosidades que você tão bem sabe escrever. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …