Pular para o conteúdo principal

AS VIDAS DE UM HOMEM
>> Eduardo Loureiro Jr.

A Vinício de Moral


Só mesmo estando fora de seu perfeito estado mental para afirmar que vida só tem uma. Só mesmo chamando urubu de meu louro e whisky de cachorro para acreditar que uma vida é tudo que nos cabe.

Não, não falo aqui de reencarnação. Não preciso apelar para existências além da memória para afirmar o óbvio: são muitas as vidas de um ser humano.

Também não me refiro à renovação celular completa que faz com que, a cada sete anos, tenhamos um corpo completamente novo, com todas as mitocôndrias ainda crianças brincando de bola no pátio interno das células.

Tampouco falo do sono ou do sexo, essas pequenas mortes que nos deixam o corpo prostrado e, em seguida, revigorado.

Falo de passar dois dias numa cidadezinha pequena e encantadora chamada Pirenópolis, não pensando em outra coisa além de livros. E depois voltar e encarar a caixa de entrada com mais de cem e-mails de trabalho. E o beijo da mulher amada.

Falo de passar quatro dias numa casa cearense à beira-mar sem viver nada além de família, amigos e meditação. E depois retornar ao suposto mundo real. E para o abraço da mulher amada.

Falo de passar uma semana entre ensaios e gravações, no ambiente acusticamente isolado de um estúdio. E depois reouvir buzinas e motores. E a risada da mulher amada.

É dessas vidas que falo. Das pequenas vidas de alguns dias que um homem pode ter. A princípio, parecem descanso, ilhas de férias na rotina da realidade. Mas com o tempo percebe-se que as ilhas é que são a continuidade — de terra — enquanto a água, que parecia tão real, é que tem a matéria dos sonhos. O sonho da mulher amada.

Eu, aqui na metade da minha vida, carrego minhas muitas vidas nas costas como quem leva um mochila azul e verde de cá para lá e de lá para cá. Vidas feitas de letras e notas, inspirações e silêncios, mares e montanhas.

E enquanto vou e venho dessas muitas vidas, enquanto tomo banho quando chego ou antes de sair, enquanto troco de roupa para ficar mais à vontade ou para aparecer socialmente, enquanto o avião, o barco, o carro atravessam o ar, a água, o chão, fico pensando que não deve ter cartório no céu e que não há firma reconhecida de Deus que não seja a alegria de viver. E que o poeta que negava as muitas vidas, ele próprio as vivia — mesmo fingindo não o saber.

Comentários

albir disse…
Verdade, Edu. Elegemos e priorizamos algum aspecto a que chamamos vida e deixamos à míngua as outras vidas que nem chamamos de nada.
Pothi disse…
,,, Vidas paralelas. Vidas necessárias!!!

Ótimo texto, nos traz à memória a realidade que está tão perto e, na maioria das vezes, não vivemos.

Abraço.
Grato, Albir e Pothi, companheiros dessa vida crônica. :)
Debora Bottcher disse…
Ah! Eduardo... Moram tantas pessoas - e vidas! - em nós, que nosso universo particular não cabe no universo todo. E haja imaginação, sonho e letras pra descrever esses mistérios... :)))
Beijo.
Cláudia disse…
Eduardo, o melhor destas vidas paralelas é saber que quando voltamos a nossa vida real temos o carinho, a felicidade de alguém que está sempre a nos esperar. E são estas pequenas vidas e estes pequenos reencontros que dão sentido a nossa "vidona".
Carolina disse…
Nossa gente...é a primeira vez que venho ler...mas com certeza voltarei! tanto pela crônica quanto pelos comentários que são maravilhosos!
Parabéns!
Debora, Claudia e Carolina, durante esses dias as outras vidas estão tão agitadas que mal consigo comentar aqui direito. :) Grato pela companhia de vocês. Carol, volte sempre!
Brunno Leal disse…
Belo texto, Eduardo. São essas pequenas coisas que nos faz viver outras vidas, às vezes rápidas por serem "perfeitas demais'.
Abraços!
É, Brunno... parece mesmo um ensaio de perfeição. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …