Pular para o conteúdo principal

LIGAÇÕES PERIGOSAS >> Albir José da Silva

- Boa tarde, bem vindo ao nosso atendimento, o valor de sua conta é de cento e oitenta e dois reais e noventa e quatro centavos e o vencimento é dezessete de março de dois mil e dez. Se deseja informações sobre nossos produtos, digite dois. Se deseja comunicar pagamento de fatura, digite três. Se deseja mudança de plano ou cancelamento, digite quatro. Se deseja falar com nossos atendentes, digite cinco. Cinco. No momento todos os nossos atendentes estão ocupados.

Consegui falar com alguém depois de duas horas e quarenta e sete minutos e vinte e nove tentativas. E não foram mais porque a maior parte do tempo eu fiquei repetindo para os moradores do Rio de Janeiro que não era do Salão Flor de Cupuaçu e que a minha voz não estava mais grossa porque eu não era a Genalva. Expliquei tudo isso à Maria Júlia logo que ela me disse: - Repita o número do seu telefone com DDD por favor, obrigado pela confirmação, em que posso ajudá-lo? Contei que há quatro dias a cidade me liga marcando pé e mão com francesinha, escovas orientais de frutas com chocolate e depilações exóticas. Ontem ligaram às três da manhã perguntando se tinha horário pra limpeza de pele, o que me fez desconfiar da seriedade desse salão. Não tenho feito outra coisa além de atender telefone e tentar falar com a senhora ou outro maldito atendente que me resolva esse tormento, já que tenho pago com fidelidade pelo direito de ser infernizado por esta empresa e seus milhares de clientes que também devem ser clientes da Genalva no Flor de Cupuaçu - aguardei ofegante, mas veio o som de ocupado substituindo a voz fanhosa de Maria Júlia e eu entrei em desespero.

Muito desespero depois, digitei cinco, musiquinha chata e bastou dizer o número com DDD para ser informado que não poderia falar com Maria Júlia, mas ela, Lúcia Helena, poderia me atender desde que, é claro, eu repetisse o meu problema. Comecei diferente: disse que estava indo a uma loja da operadora dela e que tinha muito medo de que alguém saísse de lá de ambulância e eu de camburão. O impacto foi bom porque Lúcia Helena ficou em silêncio e eu continuei. Falei do martírio que já durava quatro dias, do Salão Flor de Cupuaçu, das noites sem dormir, das milhares de ligações que recebi, das centenas de ligações que fiz para a operadora, das dezenas de números de protocolo que anotei e da ironia das promessas de solução imediata que recebi de atendentes e supervisores.

Lúcia Helena fez sua voz mais aconchegante: - Eu estou tentando lhe ajudar, mas para isso é preciso se acalmar. Não adianta ficar gritando no telefone porque não vai resolver nada, entendeu, Dona Genalva?

Taquicardia e um grande esforço pra respirar. Vejo o Celular se espatifando no chão antes que a vista escureça. Ouço mais um baque. Ouço vozes que se aproximam, se misturam, mas não entendo o que dizem. Ouço uma sirene. Já não ouço nada, penso.

Penso que não serei mais Genalva. E sorrio porque não vou poder estar pagando a fatura de cento e oitenta e dois reais e noventa e quatro centavos que vence no dia dezessete de março de dois mil e dez.

Comentários

Debora Bottcher disse…
E eu gosto dessas suas histórias 'malucas' que nos fazem rir e sorrir... :)
Beijo enorme, moço.
Cláudia disse…
E viva o tele atendimento, telemarketing e outros teles! Jogue a primeira pedra quem nunca passou por uma situação com esta! Parabéns!
Albir, até dá pra rir quando não é comigo. :) Minha nova tática: digitar a opção de compras: sempre tem mais atendentes do que a opção de problemas. :)
Thiago F. disse…
hahaha. Gosto de crônicas assim, cômicas.
albir disse…
Obrigado, Débora, beijo pra vc também.

Cláudia e Edu, é uma tortura, né? A gente ri por falta de opção.

Obrigado, Thiago, um abraço.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …