Pular para o conteúdo principal

ÁGUAS DE MARÇO >> Albir José da Silva

São Paulo continua molhado com as águas de janeiro e fevereiro e seus arquitetos já revisitam conceitos mais úmidos como o de palafitas. Chovem tempestades de março e candidatos de sempre. Mas São Paulo não pára e providencia casas para os desabrigados, cargos para os candidatos e cracolândia para os viciados, enquanto espera por outros ventos.

No Rio, o que chove é bala e autoridade perdida divulgando estratégicas informações por descuido. Agora os traficantes informados terão de se armar para enfrentar a polícia, a milícia, as outras facções, o disque-denúncia, os agentes duplos e triplos e a concorrência no transporte, no jogo, no fornecimento de gás e na televisão paga. É duro ser traficante no Rio!

Brasília, sempre a última a saber, descobriu que também fuma crack. Nascida para ser perfeita, seu problema continua sendo o que vem do Rio, de São Paulo, de Minas, do Sul, do Norte e do Nordeste: drogas e candidatos que, diga-se de passagem, são coisas diferentes. Por lá, afastado e preso o governante, corre-se o risco de que continue mandando mesmo sem mandato através do eleito pelos que ainda não foram punidos.

O lado do Pacífico em latinamérica amarga terremotos no chile e outras manifestações temperamentais de el niño e sua irmã bipolar. Treme, ainda, o continente com soluços de ditadores saudosistas que fecham jornais e prendem editores pelo crime de discordância.

Para o pobre Haiti, que já sofreu com terremotos e diplomatas faladores, março reserva George Bush – um flagelo governando, invadindo ou visitando, conforme registros recentes da história – que se apressa em limpar a mão depois de cumprimentar um haitiano.

Ninguém sabe o que Bush vem fazer na América Latina, mas especula-se que traz proposta de monarquia para este pedaço do planeta. Os países passariam a ser províncias e Bush, imperador, daria ordens de uma capital a ser escolhida entre as cidades que tivessem menos negros, índios, e outros defeitos comuns nestas plagas.

Construiria campos de concentração para os maus e dissidentes e daria títulos de propriedade na Amazônia para os bons e amigos. Crack, maconha, cocaína e corrupção seriam proibidos. O álcool, em compensação, estaria permitido para todas as idades, inclusive para o sono dos bebês, em substituição a camomila, casca de maçã e outros venenos. A tortura só poderia ser feita por especialistas, equipe multidisciplinar com médicos, psicólogos e capelães, para evitar danos irreversíveis ao paciente. Aulas de tiro seriam ministradas na educação infantil, mas com balas de festim do maternal até o jardim de infância.

Branqueamento de pele, à Michael Jackson, seria direito do cidadão, pago pelo SUS, que também ofereceria escova japonesa, marroquina, inteligente, de chocolate e demais procedimentos essenciais. As outras doenças, simples manifestações demoníacas, seriam atendidas nos centros internacionais de milagres, por meio de correntes, descarregos e outras curas menos invasivas.

Bush, em campanha, já teria solução para todos os problemas que nos afligem e alguns que ainda nem identificamos. Um assessor lhe sugere o slogan “Depois da tempestade vem a bonança”. Outro, bajulador, prefere “Depois da tempestade vem o Bush”. O estadista e poeta, de olhos no futuro e na história, decide: “Depois da tempestade vem a bushança”.

Vade retro! Que abril nos redima, nos lave a alma e enxugue os olhos.

Comentários

Photoshop disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Meu Deus! O famigerado Jornal Nacional invadiu o Crônica do Dia?! :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …