AMORES & SÉRIES >> Carla Dias >>

Eu era – e continuo sendo – fã de carteirinha da série Arquivo X (The X-Files), criada por Chris Carter. Torcia para que Mulder encontrasse sua irmã, ainda que ela tivesse se tornado uma extraterrestre. Também cruzava os dedos para ver se, em algum momento, a Scully sorriria sem parecer que estava sofrendo, sabe?

Mais do que tudo, uma legião de fãs torcia para que os protagonistas desenrolassem logo o romance que estava no ar e entranhado nos acontecimentos mais bizarros que eles presenciavam juntos. Eventualmente, isso aconteceu, mas ainda assim, tudo era muito esquisito.

Eu sei... O amor é uma coisa de louco.

Os improváveis casais têm sido tema de muitos filmes, livros e seriados. O amor fácil é comédia, o mais denso é drama, e se misturarmos a isso um pouco de suspense teremos Bones.

Nunca imaginei que um dia assistiria a uma série de televisão sobre resolver crimes através dos ossos da vítima... E achá-la fantástica! Mas a vida é assim, surpreendente, e ainda tem a ciência.

A Dra. Brennan (Emily Deschanel) e o agente especial do FBI Booth (David Boreanaz) são o casal não-casal mais casal que eu já vi. Ele é um homem que acredita em Deus e ela na ciência e isso tem sido assunto recorrente nas cinco temporadas da série, com momentos hilários de discussões muito interessantes. O toque cômico da série torna suportável acompanhar as investigações. Ossos, lembram? Nem sempre eles vêm limpinhos.

Bones é do mesmo criador de CSI, Josh Berman.

Quem se lembra de Dawson’s Creek, série criada por Kevin Williamson na qual o Dawson (James Van Der Beek) era o menos interessante? Joshua Jackson, o Pacey, já era muito mais bacana naquela época. E então, ele cresceu e apareceu. Lembro-me de um filme bem interessante do qual ele era protagonista, escrito e dirigido por Kevin Noland. Americano foi o primeiro filme com Joshua que assisti, após o fim da série. Desde então, tenho o apreciado cada vez mais como ator.

Despido do Pacey e assumindo o papel de Peter Bishop em Fringe, Joshua Jackson compõe outro casal que não é casal, mas tem tudo para ser, e só Deus – e os roteiristas – sabe no que isso vai dar.

Fringe, criada, entre outros, por J. J. Abrams, também criador de Lost, foi apedrejada, antes mesmo de estrear, e isso nos leva à primeira série que mencionei aqui: Arquivo X. Assim como a saga Mulder & Scully, Fringe é uma série de ficção científica e ganhou o rótulo de cópia barata de Arquivo X, como se o tema fosse exclusividade dessa série. E apesar de não encher os olhos dos donos do dinheiro, Fringe já chegou a sua segunda temporada e com reconhecimento do público à qualidade do que assistem.

Peter Bishop, o filho gênio do fantástico – e gênio – cientista Walter Bishop, interpretado com primazia por John Noble, começa a arrastar suas asas para sua companheira de labuta, a durona e melancólica agente do FBI Olivia Dunham (Anna Torv), que aceita e colabora com o interesse dele. Nesse suspense de ficção científica há muito que Peter e Olivia viverem, antes de um provável e verdadeiro romance.

Independente do romance, essas séries são muito interessantes e bem feitas e valem que a gente assista e fique torcendo para um final feliz com um começo e um meio bem bagunçados.


BONES
FOX: quinta (21h00); sexta (03h00); domingo (12h00); segunda (02h00).
http://www.fox.com/bones

FRINGE
WARNER: terça (22h00); quarta (02h00).
http://www.fox.com/fringe

www.carladias.com

Comentários

Carla, eu já acompanho Fringe, vou dar uma conferida em Bones.
Ana Campanha disse…
Adoooooooooorooooo Fringe! Pena que só volta em abril!!!! snif snif

Postagens mais visitadas deste blog

A FELICIDADE >> Sergio Geia

EM SÃO BENTO >> Sergio Geia

TRÊS CIGARROS E UM CINZEIRO >> Zoraya Cesar