Pular para o conteúdo principal

AMORES & SÉRIES >> Carla Dias >>

Eu era – e continuo sendo – fã de carteirinha da série Arquivo X (The X-Files), criada por Chris Carter. Torcia para que Mulder encontrasse sua irmã, ainda que ela tivesse se tornado uma extraterrestre. Também cruzava os dedos para ver se, em algum momento, a Scully sorriria sem parecer que estava sofrendo, sabe?

Mais do que tudo, uma legião de fãs torcia para que os protagonistas desenrolassem logo o romance que estava no ar e entranhado nos acontecimentos mais bizarros que eles presenciavam juntos. Eventualmente, isso aconteceu, mas ainda assim, tudo era muito esquisito.

Eu sei... O amor é uma coisa de louco.

Os improváveis casais têm sido tema de muitos filmes, livros e seriados. O amor fácil é comédia, o mais denso é drama, e se misturarmos a isso um pouco de suspense teremos Bones.

Nunca imaginei que um dia assistiria a uma série de televisão sobre resolver crimes através dos ossos da vítima... E achá-la fantástica! Mas a vida é assim, surpreendente, e ainda tem a ciência.

A Dra. Brennan (Emily Deschanel) e o agente especial do FBI Booth (David Boreanaz) são o casal não-casal mais casal que eu já vi. Ele é um homem que acredita em Deus e ela na ciência e isso tem sido assunto recorrente nas cinco temporadas da série, com momentos hilários de discussões muito interessantes. O toque cômico da série torna suportável acompanhar as investigações. Ossos, lembram? Nem sempre eles vêm limpinhos.

Bones é do mesmo criador de CSI, Josh Berman.

Quem se lembra de Dawson’s Creek, série criada por Kevin Williamson na qual o Dawson (James Van Der Beek) era o menos interessante? Joshua Jackson, o Pacey, já era muito mais bacana naquela época. E então, ele cresceu e apareceu. Lembro-me de um filme bem interessante do qual ele era protagonista, escrito e dirigido por Kevin Noland. Americano foi o primeiro filme com Joshua que assisti, após o fim da série. Desde então, tenho o apreciado cada vez mais como ator.

Despido do Pacey e assumindo o papel de Peter Bishop em Fringe, Joshua Jackson compõe outro casal que não é casal, mas tem tudo para ser, e só Deus – e os roteiristas – sabe no que isso vai dar.

Fringe, criada, entre outros, por J. J. Abrams, também criador de Lost, foi apedrejada, antes mesmo de estrear, e isso nos leva à primeira série que mencionei aqui: Arquivo X. Assim como a saga Mulder & Scully, Fringe é uma série de ficção científica e ganhou o rótulo de cópia barata de Arquivo X, como se o tema fosse exclusividade dessa série. E apesar de não encher os olhos dos donos do dinheiro, Fringe já chegou a sua segunda temporada e com reconhecimento do público à qualidade do que assistem.

Peter Bishop, o filho gênio do fantástico – e gênio – cientista Walter Bishop, interpretado com primazia por John Noble, começa a arrastar suas asas para sua companheira de labuta, a durona e melancólica agente do FBI Olivia Dunham (Anna Torv), que aceita e colabora com o interesse dele. Nesse suspense de ficção científica há muito que Peter e Olivia viverem, antes de um provável e verdadeiro romance.

Independente do romance, essas séries são muito interessantes e bem feitas e valem que a gente assista e fique torcendo para um final feliz com um começo e um meio bem bagunçados.


BONES
FOX: quinta (21h00); sexta (03h00); domingo (12h00); segunda (02h00).
http://www.fox.com/bones

FRINGE
WARNER: terça (22h00); quarta (02h00).
http://www.fox.com/fringe

www.carladias.com

Comentários

Carla, eu já acompanho Fringe, vou dar uma conferida em Bones.
Ana Lucia disse…
Adoooooooooorooooo Fringe! Pena que só volta em abril!!!! snif snif

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …