Pular para o conteúdo principal

COMO ANDA SEU INTESTINO?
[Carla Cintia Conteiro]

Dizem os desiludidos que as ideologias morreram. Pesquisas entre os jovens denunciam o hedonismo desenfreado. Nunca a beleza e o dinheiro foram tão valorizados. Quem pode se submete a sucessivas cirurgias plásticas para corrigir defeitos que mais ninguém vê ou busca um modelo de perfeição lapidado a photoshop. Por outro lado, já dizia meu pai, quem nunca comeu melado quando come se lambuza. As classes ascendentes entopem-se com a comida farta de que não podiam desfrutar antes e engordam, cevando as estatísticas sobre diabetes, doenças cardiovasculares e câncer.

Há quem resista, ou pelo menos tente se sentir um pouco especial, inventando formas de postar-se acima da turba. Entre eles estão os intelectuais que teorizam sobre programas de televisão; os vegetarianos prosélitos, do alto de seus sapatos de couro; os defensores da cultura e do bom gosto em seus discursos repletos de incoerência com a norma culta da língua e vícios de linguagem; gente que diz que só no Brasil acontece isso ou aquilo sem jamais ter tirado o passaporte. É urgente expressar suas impressões sobre todas as coisas. Não que as coisas sejam importantes. Relevante é a própria opinião e, em última instância, quem a emite. O foco de todo esse povo é um só: o próprio umbigo.

Assim, foi sem surpresa que comecei a reparar, em muitos anúncios da TV, a cicatriz que todos temos no ventre como estrela, cheia de setas apontando em sua direção ou a partir dela. Não há um intervalo comercial sem pelo menos uma peça publicitária que sugira que você reflita seriamente sobre seu movimento peristáltico. Ser como um reloginho virou uma necessidade premente da sociedade pós-moderna. Quem não vai ao banheiro todos os dias, na mesma hora, há de sofrer consequências nefastas.

É simples. Quem quer conquistar alguém fala da maior paixão de seu interlocutor. O próprio umbigo é o centro do mundo de cada um, portanto, se estão todos olhando para lá, há que se criar produtos adequados ao interesse desse público. Tome o iogurte, beba o chá, engula o medicamento. Você não há de querer ficar enfezado, cheio de espinhas, estufado.

Então quem pretende cativar alguns fãs, para compartilhar do juízo que faz a seu próprio respeito, antes há que mostrar alguma simpatia. E isso anda bem difícil. Todo mundo quer estar no palco, ninguém quer ser platéia. Logo, não importa se você é uma diretora, produtora, atriz, apresentadora premiada e prestigiada. Ao encontrar conhecidos na praia, antes de assuntar sobre filhos, pais, cônjuges, trabalho e hobbies, seja esperto e pergunte:

— Como anda seu intestino?

Comentários

Marcela Santos disse…
Adorei! Foi a primeira coisa que pensei quando vi o comercial; quem pergunta do intestino logo que encontra conhecidos na praia?!
Mas, acho que a história de que "Nunca a beleza e o dinheiro foram tão valorizados" é uma questão de circuntâncias. É muito mais fácil ser materialista no mundo de hoje.

Gostei da análise =D

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …