Pular para o conteúdo principal

ISSO NÃO TEM GRAÇA
>> Felipe Peixoto Braga Netto

Tem coisas que de tão brincadas perdem a graça. A idade é uma delas. Todas as piadas já foram feitas, todos os risos já foram ridos (a língua é minha, vai encarar?), não há mais graças possíveis. A gente até ri, mas sem achar graça, ri só por fora.

Da minha, eu não acho graça. Acho só errada, leviana, excessiva. Ela correu demais em anos quando o mais prudente seria ficar parada, quieta, só observando. Estão comemorando 20 anos da queda do muro, lá na Alemanha. Acho que podiam começar a contar daí, muro novo, vida nova. Entrevistaram umas modelos que eu chutaria que teriam uns poucos anos a mais que eu. Até teriam, se valesse a ideia de zerar tudo a partir do muro. Pra que serve um muro, ou um ex-muro, se não para inaugurar novas eras?

Lembro disso porque, ontem, vi uma entrevista. De um responsável pela Bienal em São Paulo. Um senhor. Até simpático, daqueles que as mulheres achariam bonito, mas um senhor. Até aí tudo bem. Até revelarem a idade dele. Eu, que estava deitado no sofá, dei um pulo e caí de pé. O quê? O senhor só tinha uns cinco anos a mais do que eu. Meu Deus, meu Deus, onde esse mundo vai parar? Perderam a noção das coisas. Eu sou um senhor como esse aí? É isso que sou? É assim que os outros me veem?

Fiquei preocupado, fiquei melancólico, não quis mais ver a entrevista. O que quer que ele dissesse, não repararia o estrago de ter nascido só uns anos antes de mim. Há algo errado no mundo. O pior, já lamentou Oscar Wilde, não é que estejamos velhos, é que os outros estão jovens.

Ah, velho Felipe, ah... É melhor não falar sobre isso, é melhor não falar. Fica feio e não cai bem. Só faço um juramento final. Eu juro – juro ajoelhado – que não sei quantos anos tenho. Eu brinco tanto com isso que, se for para falar a matemática verdade, não sei, mas não mesmo. Se me dessem três chances, acertaria. Ou então alguns minutos, porque sei o ano em que nasci. Mas teria que fazer, nos dedos, as contas dele até 2009. Estou rindo mas é verdade. A frase inicial da crônica é falsa.

Comentários

Felipe, se tem uma coisa que eu acho boa é o passar do tempo, o aumentar da idade. Quanto mais longe da adolescência, melhor me sinto. :)
Ana Lucia disse…
Ahh, bem vindo ao time dos inconformados com o tempo, que teima em passar mais rápido pra uns e outros. Ninguém merece!
Anônimo disse…
Oh, Felipe,
Pra que tanta preocupação. Você é um menino!
fernanda disse…
me lembrou uma questão que, dizem, foi confúcio quem levantou: qual seria a sua idade se você não soubesse quantos anos você tem?

no mais, felipe, vc está sumido. bom saber q vc está vivo. velho, mas vivo (sim, é uma brincadeira...rs).

beijos!
Boa questão essa, Fernanda. Eu devo ter uns 8 ou 9, no máximo uns 11. :)
Cacau disse…
Felipe, entendo bem o que você diz. Ontem mesmo numa reunião da minha empresa um rapaz da minha empresa me disse que nasceu em 1986. a pergunta fatídica veio a seguir. Que ano você nasceu? Respondi fazendo um desafio para ele adivinhar. Ele disse que arriscaria 1980. Deixei por isso mesmo. A resposta dele era melhor que a realidade. O único consolo é que o tempo é a coisa mais democrática do universo, passa para todos, não é?
Anônimo disse…
Olá - Eduardo, Ana Lúcia, Fernanda, anônimo e Cacau - obrigado pelos comentários, viu? Foi só uma crise, já passou, mas depois vem de novo. É que eu acho meio injusto mesmo, eu MERECIA, às vezes, ter menos. rs...

beijos,

Felipe Peixoto
Ana Janete disse…
Recebi, via e-mail, uma cronica sua (sotaque das mineiras), por pura curiosidade vim pesquisar aqui e li uma, duas, tres ....oito ... maravilha! Seu escrever é demais! Daquelas leituras que não temos vontade de parar. Parabéns!!!!!!!!!!!!!!!!!!
ana luiza disse…
Não conhecia o novo e jovem escritor. Parabéns pelos textos e pela bela colocação das palavras! Sinto-me lisonjeada após ver o vídeo "sotaque das mineiras", em meio tantas críticas, você aparece dizendo quão doce somos nós, Mineiras! Coninuarei as leituras, continue a escrever.. ganhou mais uma fã! Beijos
andrèia disse…
Felipe,sou mineira mas moro em Roma,quer dizer que tive boca cheguei e fiquei...entao,li sua cronica das mineiras,ameiiiiiiiiiii,morri de saudades de Minas,de pao-de-queijo,e etc.....e depois coloco uai em toda parte,atè qdo falo alemao...parabènssss
Mirian disse…
tem um monte de gente querendo o imail do Felipe Peixoto Braga Netto .. tem gente querendo passar mais informaçoes pra ele...
Anônimo disse…
Ola Felipe, saudades de você amigo.
Mande notícias.

Abraços Délerson

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …