quarta-feira, 17 de março de 2010

MEDO >> Carla Dias >>



O medo é de dormir na luz.
Lamento ter sido indiscreto
com minha dor e discreto com minha alegria.
Fabrício Carpinejar


Tenho medo do silêncio que antecede o grito, o passo que precede o tombo. Temo os que engolem a verdade logo cedo, no raiar do dia, num breakfast de usuras, chegando à noite acreditando completamente nas mentiras paridas.

Inventar verdades é correr o risco de se tornar crédulo com as insinceridades.

Sou temente às gargalhadas engasgadas, ao usufruto da palavra amor, enquanto borbulham mágoas na alma trincada e na indiferente. Almas cambaleantes, ultrajadas, invisíveis ao amansamento. Um casal de lacrimogêneos desastrados que dançam insones sobre os cacos de si mesmos.

Sou temerosa de não fechar os olhos durante a noite, de alimentar a vigília, evitar os calmantes, beber do bule o café.

Sim... Sou da era do bule, e de gravar LPs em fitas K7 para dividir com os amigos as canções que me comoviam. De adorar o cheiro de creme Nívea impregnado na minha mãe, crendo que toda mulher adulta exalava aquele perfume, e que um dia aconteceria comigo. E sou contemporânea: reeducação alimentar, evitar transgênicos, um emprego e mil tarefas.

Temo a agonia inspirada no que sequer compreendemos, sendo burlada a real necessidade de se esmerar no fazer cotidiano. E de jamais ser convidada a construir uma vida diferente da que vivo, onde terei de aprender a dividir a mim, não apenas prateleiras, gavetas, compartimentos do armário, mas a mim... E meus sonhos, meus planos, minhas paixões.
Meus medos.

Resta saber se você me dará a honra de acreditar que, apesar de todos os medos, eu sigo, adaptando-me se possível, escandalizando-me quando não. Vivendo a mutação do sentido da minha própria existência. Hoje temo, amanhã virarei ao avesso. E se abro a boca para verbalizar lamentos, é apenas o esvaziamento que se faz necessário.

Eu temo não me fazer entender nas importâncias. E quem não tem esse temos, certamente tem a minha admiração.


Imagem: from Unprofound web site by Mokhtar

www.carladias.com


Partilhar

3 comentários:

albir disse...

Carla,
a gente te entende nas importâncias e nas importantes insignificâncias também. Abraço.

Carla Dias disse...

Obrigada, Albir.
É bom ser compreendida nos momentos yin e yang.
Abraços outros.

Fênix disse...

Náo temas. Eu Sou Contigo. Seja de que lado for!
;o)