Pular para o conteúdo principal

AFORA >> Carla Dias >>

Eu saio sei não pra onde quando estou nesse tipo de momento. Tipo o quê?, você perguntaria, tivesse voz que viajasse no tempo e voltasse exatamente neste momento em que rabisco, em toques no teclado, a minha crônica-reflexão.

Seria essa a pergunta? Ou seria apenas um pedido para viajar nessa comigo? Bom, seja bem-vindo de qualquer forma. Questionando ou compartilhando.

Posso lhe contar assim, ao pé dos olhos que desnudam as letrinhas digitadas para minha crônica-frenesi, esse momento está desarrumado como que necessitado de absolutismos nos quais jamais acreditei, e aí moram as dúvidas e os temores. De tão atrapalhado, me colocou de castigo, a cara pra parede, o olhar desbotando feito imaginação de pintor que esqueceu como pincelar sentimentos na tela vazia. À espera sabe de quem do que e do quando.

Momento feito esse, de acordo com alguns, é quando nos permitimos endoidecer um tanto, de jeito que não se cabe mais nas convenções estabelecidas por nós mesmos, antes de ontem, quando os planos tinham importância, as listas faziam sentido.

Libertário, não? Efêmero, também.

Estou fora da casca, do castelo de cartas, das mansões de areia, dos barracos de vento, das arquiteturas planetárias. Aqui fora meus pés vagueiam com suas asas postiças, leveza emprestada, levando-me para essa viagem ao interior que não é do estado. Não são às estradas que me lanço, mas ao espaço que me separa – lonjuras afiadas – da jornada de reconhecimento dos meus próprios desejos.

Falo dos desejos que escondemos de nós mesmos quando mudar requer uma energia que não sabemos de onde tirar.

É um quero-quero desandado esse meu, um desamparo da superfície, enquanto sou mantida imersa em repouso pelo peso do que desconheço, apaixonando-me homeopaticamente pelos saltos. Sonhando com o catapultar aprisionadores sentimentos.

Estar fora é adentrar precipícios e amansar as quedas. Sabotar medos. É lamber a bisbilhotice dos abismos e angariar força para se segurar às beiradas. E dependurada nesse fim de mundo que me habita, os pés balançando suas asas, sedentos pelo passo, pelo salto, pela queda livre, saboreio traquinagens. Fora da certeza alicerçada por crenças emprestadas, eu construo possibilidades simples e tão importantes. Possibilidades que são como alamedas pelas quais ainda não caminhei, enfeitadas com belezas às quais nunca fui apresentada.

Como a beleza de estar fora do centro e poder espiar dos cantos. De construir pontes no ar para mais agradáveis travessias.


Imagem: Juja Kehl >> http://www.flickr.com/photos/juja_kehl

Comentários

Aforar-se ou desaforar-se? Eis a questão. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …