Pular para o conteúdo principal

HORA DE IR >> Eduardo Loureiro Jr.

Brasília, 1º de março de 2009

Minha querida,

Escrevo na sua presença. Vejo você caminhar do quarto até a cozinha, da cozinha até a varanda, da varanda até um beijo meu.

Daqui a alguns dias, começo uma longa viagem. Serão dois meses e meio. Tempo longo demais para quem deseja estar próximo, junto, ao curto espaço de um beijo, um sorriso, um abraço.

A vida está sempre mudando. Algumas vezes, mudanças que nos parecem bruscas, que nos deixam perguntando de onde veio esse vento que mudou tudo tão rápido. O sentimento imediatamente anterior a tais mudanças é a surpresa, a estupefação.

Outras vezes, a mudança é lenta, antecipada, anunciada. Podemos senti-la chegando como o vento forte que precede a chuva torrencial. Temos tempo de nos preparar, de recolher a roupa do varal, de pararmos o que quer que estejamos fazendo para nos colocarmos à janela e assistirmos a um espetáculo da natureza ou mesmo para descermos à rua e nos molharmos inteiros.

Esta minha viagem está de muito anunciada num poema que escrevi há tempos:

Não sou Pacífico,
sou Atlântico
— Mar Tenebroso.
Quando atravessar,
ganho um mundo novo.

Travessia interior que se projeta numa travessia exterior. Da mesma forma que nunca soube o que ia encontrar do outro lado do mar das tormentas de mim mesmo, também não sei o que me espera além do oceano concreto de água e sal. Diferente língua, pessoas, sabores, paisagens.

Houve um tempo em que meu mundo se resumia a meu quarto. Depois meu mundo foi a minha casa. Hoje meu mundo é o Brasil entre Fortaleza, Teresina, Brasília, Rio Branco, Salvador, São Paulo, Natal, São Luís, Rio de Janeiro... Daqui a alguns dias, meu mundo começará a ser o Mundo.

E eu que sempre vivi a situação descrita por Álvaro de Campos — "Na véspera de não partir nunca / ao menos não há que arrumar as malas." — agora me vejo "fazer planos em papel, / Com acompanhamento involuntário de esquecimentos". Bagagem de documentos, reservas, ingressos... Bagagem de meias, calças, camisas... Bagagem de adaptadores, câmera, notebook... Bagagem de sentimentos, esperanças, projetos...

E, assim como a "memória serve para esquecer e para lembrar" nas palavras de meu caro amigo Fabiano , também a bagagem serve para levar e para deixar. Na minha bagagem, levo o teu amor por mim e deixo o meu amor por ti, que é um jeito também de viajarmos juntos nesse nosso amor que não conhece lá ou acolá, que é sempre aqui, no aconchego do abraço.

Se vou, não é porque queira exatamente ir. É que na vida fui aprendendo que, além do nosso querer que a gente sabe que é nosso, existe um outro querer que a gente pensa que é alheio, mas que é na verdade nosso querer profundo, nosso querer desprovido de medos e apegos.

Seguindo esse querer, fazendo essa viagem, tenho a convicção de que estaremos ainda mais próximos. Esse mundo novo que ganharei, trarei para compartilhar contigo. Não apenas o mundo de fotos, histórias, souvenirs... Também o mundo interno de confiança, coragem, flexibilidade.

Eu sou minha própria bagagem. A medida com que vou é a medida com que fico. A mudança já não me calafria, ela me sussurra-esquenta gostoso feito nosso beijo, nosso sorriso, nosso abraço.

A primeira canção que aprendi ao violão, há vinte e três anos, parece que foi composta pelo Roberto Carlos para este momento:

Já está chegando a hora de ir,
venho aqui me despedir e dizer
que em qualquer lugar por onde eu andar
vou lembrar de você.
Só me resta agora dizer adeus
e depois o meu caminho seguir.
O meu coração aqui vou deixar,
não ligue se acaso eu chorar,
mas agora adeus.

A Deus. Porque o que Deus uniu por Seu querer — que é também e tão bem o nosso — uma viagem só pode ampliar.

Com amor,

Eduardo


Comentários

Juliêta Barbosa disse…
Eduardo,

Esse texto merece um milhão de "estrelas." (excelente)
Te deixo a minha admiração e o meu desejo de que voltes o mais breve possível para a fonte de tão linda inspiração.
"Ah, se todos fossem no mundo iguais a você."Que maravilha...Amar!
cArLa disse…
Seu texto derreteu a neve lá fora. Eu bem sei o quanto a distância aproxima e o quanto a bagagem (quando a gente se carrega)pesa... Que bom que você compartilha seu mundo com esse daqui.
Tia Monca disse…
Junoca,

Fazia tempo que não lia uma carta de amor :o) O meu desejo é de que você encontre, do outro lado do mar, tantas coisas boas quanto sei que tem encontrado em si. Feliz viagem, feliz estadia e feliz retorno!
Um abraço crinhoso.
Tia Monca
Magna Santos disse…
Quem parte com tanta delicadeza, acaba deixando sempre profundas lembranças. No seu caso, certamente, deixará mais do que isso. Que linda carta de amor com um fundo musical tão perfeito. Fez-me lembrar de outra música(Vital Farias): "e eu chorando pela estrada, mas o que eu posso fazer? Trabalhar é minha sina, eu gosto mesmo é d'ocê".
Segue em paz!
Boa viagem!
Bom passar por aqui nesta noite de domingo.
Abraço.
Magna
C Letti disse…
Coisa linda essa despedida. Ainda bem que tem gosto de "até daqui a pouco".
Leva, guarda nosso carinho na bagagem. E enquanto vejo você acenar, alegre de expectativas, vou cantarolando contente por você: "se por acaso algum dia um beija flor invadir, a estrada na sua viagem..."

:)
Tantti baci! Auguri!
Juliêta, grato pelo céu de um milhão de estrelas do seu comentário. :)

cArLa, bom saber que o gelo dissolvendo aqui dentro também derrete a neve aí fora. :)

Tia, desejo que você passe a ler cartas de amor com mais frequencia. :)

Magna, vou acrescentar mais essa canção no CD de viagem. :) Grato pela visita de domingo.

Grazie, Claudia. Com carinho, essa viagem vai ser só fluxo sem pedregulho. :)
Tânia Batista disse…
Oi Edu,

Fazia tempo que eu não te "ouvia" dizer um "eu te amo" tão direto ... Quero conhecer essa poderosa, hein??

Que as tuas viagens (interiores e exteriores)sejam cada vez mais doces, felizes e plenas da realização que vc tanto busca!

Beijo, querido amigo.
Grato pela bênção, minha madrinha Tânia. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …