Pular para o conteúdo principal

A DEMISSÃO >> Albir José Inácio da Silva

- Amanhã não entro mais por esta porta. Depois de tantos anos! Não, não vou pensar nessas coisas de suicídio. Não é a primeira injustiça nem será a última. Bem que vi os olhares, todos já sabiam e ninguém me disse nada. Isso prova que não existem amigos. Não há solidariedade nem em casa. Vão dizer que já esperavam, que a culpa é minha. Até minha mãe é capaz de falar que me avisou. O cretino do Nildo, se souber, é capaz de achar que eu não sirvo mesmo pra nada. E a Zuleica? Se falar alguma coisa, desmancho na hora. Capaz de ainda dizer que estava comigo por pena. Oh cambada! Eu devia ter saído antes. Aprendido a fazer outra coisa. Foram anos de dedicação, vestindo a camisa. Já era de se esperar: quem trabalha direito não tem valor. Vê se algum puxa-saco vai pra rua. Precisava era ganhar na loteria. Aí eles iam ver. Todos eles!

As palavras saíram assim, sem oxigênio. Depois desencurvou quanto pôde a cervical e disse que ia procurar emprego. Disse que devia ter estudado mais. Tinha gente que estudava. Mas ele às vezes não sabia a lição, não sabia o caminho, não sabia se vestir. Fazia o que podia mas sempre queriam mais. Como se ele não bastasse. Como um devedor. Passou a vida devendo. Sua mãe queria mais, a namorada queria mais, o patrão queria mais. Faltava nele alguma coisa. Os anos passavam e ele quase passava de ano. Quase arranjava um emprego ou arranjava uma quase namorada. Ouviu, animado, que era normal, que estudava, tinha emprego e namorada como todo mundo. Chegou a acreditar que era verdade, mas sempre soube o que ia acontecer. Perdeu emprego, amigos e namorada. A família já não o andava querendo mesmo. Pensando bem, nunca teve muito essas coisas. Ia continuar vivendo, só não sabia exatamente pra quê. Tanto esforço para organizar uma vidinha mais ou menos e agora isso. Vai procurar emprego, mas já sabe o que vão dizer. Sabe como vão tratá-lo. O mercado está ruim até para os muito bons. Não que ele não seja bom. Mas não tem tido sorte. Tem um tipo de gente que se dá melhor. As pessoas acreditam, valorizam. Não sabe se é genético, mas ele está sempre se arrastando. No trabalho e na vida. Talvez seja espiritual – já lhe disseram isto. Precisa descobrir.

Não afasta os pensamentos de autopiedade. Encharcado da humana angústia original, o único consolo é ter pena de si mesmo. Uma pena abrangente, compreensiva, que só ele mesmo poderia se dedicar. Pena do que não foi e do que não pode ser. Pena porque não foi nem pode ir. Duvida que alguém tenha tanta empatia, sabe exatamente do que precisa. Ninguém o justifica melhor. Um sopro quente vai-lhe enchendo a alma e uma dignidade o invade. Achou-se. Que venham os acusadores, ele se compreende e se abençoa.

Comentários

C. S. Muhammad disse…
Que trágico e que comédia. Uma hora a gente acaba sentindo pena de si mesma, culpando alguém pelo que deixou de ser, pelos sonhos que não arriscou seguir, pela covardia, pela própria acomodação. Que bom que a personagem ao menos se perdoou, não?
r a c h e l disse…
Ah Albir, saudade de te ler!
E se tomarmos sempre como referência a 'externa', acho que quase é o melhor que podemos fazer.

Beijoca,
albir disse…
Muhammad, a gente sempre se perdoa se quer sobreviver.

Beijo, Rachel, saudade é de você!
Ana disse…
Albir,
que texto denso, verdade e bem escrito. Ao mesmo tempo um humor leve entre algumas linhas.
E quem é que nunca se sentiu assim?
Tão comum e tão especial ao mesmo tempo...
Adorei.
beijos
Juliêta Barbosa disse…
Albir,

Esse último parágrafo tem força e poder. Valeu por todo o texto. Gostei da atitude! Dizem que só os fracos são fortes... Eu acredito!
albir disse…
Verdade, Ana, quem nunca se sentiu assim? Beijo, querida, obrigado.

Também acredito, Juliêta. Os fracos são fortes mesmo quando ainda não sabem disso.
Bom lè-lo novamente, Albir. Pra mim, desemprego é bènçào, possibilidade de recomeço. Seu texto me fez lembrar do filme Treze Visòes, que tem um personagem que é o homem mais feliz do mundo, e que fica desempregado em determinado momento do filme.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …