Pular para o conteúdo principal

EU QUERO UMA JANELA >> Carla Dias >>


“Quem faz um poema abre uma janela.
Respira, tú que estás numa cela
abafada, esse ar que entra por ela."
Mário Quintana


Eu quero uma janela... Sem culpa, sem vergonha, sem métrica, com ousadas esquadrias.

Quero uma janela...

Que é para compreender que a vida não passa só para pirraçar a juventude da gente. E que a felicidade não é abobrinha contada por um alguém que não tem o que fazer, além de nos encher de esperanças vazias e nos observar esgotá-las uma a uma.

Quero a janela para debruçar e esperar o tempo que for, mas que caiba no presente e tenha a habilidade de lapidar o futuro, pois estou atrasada para o passado, meus caros, ele que passou feito assopro que me distraiu até despercebê-lo. E desconhecidos não reconhecem afetos, então, quero a aventura da proximidade.

Quero uma janela...

Sem vidro embaçado, do outro lado da rua, no outro rumo do asfalto, escorregando na ponta da língua na hora do monólogo sobre tal sentimento. Que se abra em sorriso cada vez que me debruçar nela, e que de lá eu veja bem, preste atenção, que seja nossa essa canção: a dos horizontes enquadrados sendo libertados pela brandura das descobertas, como se os cenários tivessem sido derrubados e restasse somente a nudez do encantamento.

Quem não quer uma janela é porque já a tem. Quem espera por ela colhe decepções, mas resiste... Quer uma janela onde anoitecer sem o zumbido da solidão.

Debruce e veja se a deseja:




Eu quero uma janela...


Site: www.carladias.com
Talhe - Blog:
www.talhe.blogspot.com


Comentários

Carla, seu texto é tão lindo de ler que relutei um pouco antes de ver o filme com medo de estragar o conjunto. Mas o filme também é muito bonito. Apenas senti falta de mais palavras suas ao final.
Rubia disse…
eu tb quero uma janelaaa!!!
bjo
Anônimo disse…
eu fui direto no filme e amei desde o início. então me alcei até às palavras e lhes descobri a sutileza. parabéns e obrigado!

nadie
Juliêta Barbosa disse…
Carla,

Gosto do seu texto, curto e direto, e nem por isso menos intenso. Parabéns.
Carla Dias disse…
Eduardo... Achei lindo você ter achado meu texto lindo : )
Na verdade, eu resolvi escrever pouco, porque na minha cabeça o texto era quase um conto. Tive de me conter para não torná-lo tão longo que ao chegar ao vídeo a sensação que tive ao vê-lo ficasse distante do leitor.

Rubia... Como já te disse, você é daquelas pessoas que merecem a melhor janela do ônibus, da casa e do coração. Sua janela chegará em breve... Pode acreditar!

Nadie... Eu é que agradeço. Volte sempre!

Juliêta... Gosto que você goste do meu texto, ainda que curto e direto; que virado do avesso de tão intenso.
Anônimo disse…
voltei e andei cheretando outros textos. :-) e voltei a este, e a este filme, ao reler, revendo, outras palavras e pe(n)sares me assolaram. deu vontade de escrever, botar em algum lugar minha intensidade.

minha pergunta é: se eu tivesse um blog podia lhe "roubar" o filme para dele dispor à vontade de meus pe(n)sares?!

nadie
Carla Dias disse…
Nadie... As janelas são nossas! Use e abuse da inspiração que elas lhe provocarem.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …