Pular para o conteúdo principal

A LÔRA E OUTROS MISTÉRIOS ITALIANOS
>> Eduardo Loureiro Jr.

Meu amor que me perdoe, mas passo quase todo o meu tempo, aqui na Itália, pensando na loura. Ou, em bom cearensês, na lôra.

Já são dez dias de viagem, e nenhum deles se passou sem que me falassem da lôra. É, de longe, a pessoa mais citada na Itália. Como o pessoal de Fortaleza chama a prefeita Luizianne de "lôra", pensei até que fosse o caso também aqui. Mas os prefeitos -- aqui se diz "sindaco" -- de Roma, Bologna e Firenze, as cidades por que passei, são todos homens. De todo modo, deve ser uma pessoa famosa, famosíssima, porque se fala na lôra em todas as situações, das mais triviais às mais formais. É a lôra pra cá, a lôra pra acolá. Talvez seja uma dessas mulheres modernas, mulher-macho-sim-senhor, independente, que trabalha três expedientes, bem-sucedida. Mas, às vezes, um homem diz "a lôra" e não fala mais nada, fica com o pensamento suspenso, e nesses momentos eu imagino que a lôra talvez seja uma mulher formidável, feminina, linda... quem sabe uma artista de cinema.

Ontem fui ver um filme, "Diverso da chi?", "Diferente de quem?", e cheguei a pensar que a Claudia Gerini fosse a lôra: ao mesmo tempo, uma mulher moderna, uma fêmea formidável e uma artista de cinema. Mas nunca se sabe se o cabelo dela é apenas pintado. E contra essa hipótese está o fato de que mesmo crianças, ou mendigos de rua, falam sobre a lôra. Não sei se a Claudia Gerini é tão conhecida assim. Então continuo minha busca da lôra.

Esse não é o único mistério aqui na Itália. Hoje mesmo, no café da manhã, eu pedi um pão e a mulher que me entregou o pão acrescentou:

-- Burro?

O sorriso e a gentileza dela não me deixaram pensar, nem por um momento, que ela estivesse me xingando. Foi quando lembrei que as culturas têm hábitos alimentares estranhos. Eu mesmo comi lhama no Peru. Os tailandeses comem insetos. No Brasil, em Belém, se come pato. Então era aquilo mesmo: a mulher queria saber se eu desejava botar burro no meu pão. Quando estou viajando, gosto de experimentar a comida local, e quase disse à mulher "si, burro per favore", mas lembrei que estou tentando me tornar vegetariano e disse "non, grazie".

Outra coisa estranha é que os italianos são fixados em pianos e pregos. Pianos, tudo bem, é até de se esperar de uma civilização que produziu grandes nomes da música clássica. No hotel mesmo em que eu estava em Bologna, o atendente disse que meu quarto ficava no terceiro piano, embora eu não tenha conseguido ver o piano nos três dias em que estive lá. Agora, pregos... Que fixação mais estranhas essa! Todo mundo quer prego. Você não consegue entrar ou sair de um restaurante, de uma lanchonete, de uma sorveteria ou de uma loja qualquer sem que lhe perguntem pelo prego. Se eu fosse empresário e resolvesse abrir um negócio na Itália, seria, sem dúvida, uma fábrica de pregos. Assim que eu vir uma loja de material de construção por aqui, entrarei e comprarei uma mão cheia de pregos. Se é prego o que os italianos querem, prego é o que eles terão.

Agora, mistérios à parte, tirando a lôra famosa e invisível, o burro que se coloca no pão, os pianos escondidos nos hotéis e a falta generalizada de pregos, devo dizer que a Itália, até aqui, tem me parecido um bom país. O que me dá ânimo para continuar a viagem, que só terminará em maio. Quem quiser pegar carona, pode acompanhar meu diário de viagem aqui.

NOTA DO EDITOR:
Não nos responsabilizamos pelas ideias veiculadas nos textos de nossos cronistas, principalmente aqueles que são completamente ignorantes. Em respeito ao nosso leitor, fornecemos um pequeno glossário de palavras italianas:
- Allora > então
- Burro > manteiga
- Piano > plano, andar
- Prego > por favor, não há de quê

Comentários

Juliêta Barbosa disse…
"Allora", Eduardo, quando nos brindará com outro texto tão interessante? Peço-lhe insistentemente, "prego".
albir disse…
Estou com vc, Edu. Vamos nessa pela riqueza do solo e do idioma italianos. Abraço
C. S. Muhammad disse…
Hahaha. Adorei. Parecia até que a Ana (Coutinho) estava aí com você.
(...)Sem falar no tal "eco" que eles ouvem a todo momento, não?
Prego, Juliêta. Domingo que vem tem mais. :)

Então vamos enricar, Albir. :)

Carla, você percebeu corretamente: Ana tem sido uma influência em minha escrita. E como é que eu fui me esquecer justo do "ecco"? Peccato!
Carla Dias disse…
Eduardo, seu blog de viagem está na minha lista de favoritos. Sempre que sobra um tempinho, corro pra lá para conferir o que se passa com você. E adorei essa sua crônica...
Carla, oisa boa é viajar com gente boa junto. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …