Pular para o conteúdo principal

OS PERNILONGOS >> Ana Coutinho

Eles voltaram. E voltaram com tudo. Parece que, a cada ano, ficam mais fortes. Pois eu acho que deveríamos aprender com os pernilongos. Que tipo de treinamento fazem? Como conseguem sobreviver por todas as gerações, enlouquecendo a todas elas, apesar do avanço tecnológico, do aquecimento global, das células tronco?

Os pernilongos surgem como o Natal. Quando a gente vê, já chegou. Mas é ainda pior do que o Natal, porque se pode evitar. Como uma gravidez indesejável, há tantas formas de nos livrarmos dos seus zumbidos infernais, por que meninas cada vez mais novas ainda ficam grávidas? É a mesma coisa. Mesmíssima. É fácil, fácil, fácil, mas não é tão fácil assim, né?

O Protector da tomada, dizem que dá câncer. Já ouviu isso? Não tem comprovação científica, mas, venhamos e convenhamos, não há comprovação científica pra milhares de coisas óbvias, né? Tem a tal raquete, super na moda de uns tempos pra cá. Mas se você compra a chinesa, ela pifa ou acaba a pilha bem naquela noite insuportável. Pronto, é a camisinha que furou... “Mas com tanta informação!”, dirá uma mãe desavisada...

Eu achei outro dia um produto desses, de tomada, que dizia que emitia um ruído que afastava os pernilongos. Nossa, até que enfim, vibrei! Sem câncer, sem picadas, sem zumbido. Pra mim, né, que eles iam sofrer com o tal ruído. Será que o ruído era correspondente ao zumbido infernal que eles fazem em nós? Um gosto doce de vingança invadiu a minha boca.... Hummm, eu deixaria aquele negócio na tomada por toda uma vida, pra eles verem como é bom pra tosse um zumbido fino no ouvido. Mas eles têm ouvido? Fui pesquisar e a minha descoberta foi chocante: só os pernilongos fêmeas que fazem o barulhinho, e elas são afastadas pelo barulho do macho, que era simulado pelo meu aparelhinho milagroso. Não titubeei: Enfiei o troço na tomada com toda a minha força e, já deitada, pensava nas “meninas” correndo e dizendo uma para as outras: “Tá cheio de homens, fujam, fujam, fujam!”. Elas decididamente são diferentes das humanas...

Acontece que não levou 5 minutos até que zzzzzzzzzzz, ai que ódio: “Fia %$&*#!”, levantei e gritei com toda a minha força. Pelo menos eu sabia xingar na concordância certa, era uma fêmea, e o aparelhinho milagroso é uma enorme furada. Praticamente uma pílula de farinha. O ruído dos homens, definitivamente, não afugenta mais ninguém...

Antes de desistir, ainda olhei o spray no armário e pensei em matá-los com duchas de Protector. Grande coisa. Se elas não tinham medo de seus parceiros, aguentariam o veneno... Capaz ainda que eu é que tivesse que sair do quarto por conta do cheiro.

Acabei por desistir. Resignada, parabenizei as “meninas” em voz alta, e fui pra cozinha comer...

Comentários

Maravilha de associação, Ana. Bem que merecia o título de "Sexo e pernilongos". :)
cArLa disse…
Ana, adoro seu senso de humor. Pelo menos "elas" serviram para alguma coisa: um texto ótimo, que ,só quem já perdeu noite de sono por conta "delas", entende. :)
Cristiane disse…
Eles voltaram sim, estão inquietos e mais audaciosos com o aquecimento global. Mas o engraçado que pensei estes dias, é que os daqui de BH não fazem barulho! Lá no Vale do Jequitinhonha eles pareciam que tinham um trio elétrico interno. Eu não dormia de jeito nenhum com aquela "gritaria" que a "mulherada" fazia, mas aqui em BH eles são silenciosos, vai saber porquê... coisa de pernilongo mineiro. A gente só sabe que eles estão por ali quando sentimos as picadas, doloridas picadas. Na Bahia a picada dói mais, chegava a inchar o lugar. Em Salvador, durante o dia, eu passava uma camada de protetor e outra de repelente. À noite dormia toda grudenta de repelente, um inferno! Se esquecesse um pedacinho do pé sem repelente, pronto, acordava sentindo aquela dor terrível. Nem o ventilador acalmava a fúria do pernilongo baiano.

Aqui em casa, usamos aqueles negocinhos de tomada mesmo, nem sabia que dava câncer. E temos, também, velas de citronela. Estas eu deixo no escritório quando estou no computador e eles atacam. Não dá para deixar acesa vela a noite inteira, então, elas servem para quando estamos acordados.

Pior que camisinha furada estes bichinhos.

beijos
Elaine Carvalho disse…
Muito Criativo! Parabéns!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …