Pular para o conteúdo principal

ANAlisando o BBB -- Paula Pimenta

Não sou fã de televisão, se a minha está ligada, provavelmente é algum filme que está passando nela. As notícias eu leio através da internet e há vários anos não vejo novela, não tenho a menor paciência para seguir uma história que dura vários meses, sou ansiosa, preciso saber logo do final. Porém, um programa me faz quebrar essa resistência: sou completamente viciada em Big Brother.

Todo começo de ano é a mesma coisa. Procuro saber o nome de todos os participantes antes mesmo do primeiro dia, imagino de qual deles irei gostar, já no começo percebo quais merecem a minha torcida e geralmente mantenho minha preferência durante os três meses que duram o reality show. Fazer com que eu saia de casa às terças, quintas e domingos (dias de paredão, prova do líder e indicações) no horário do programa, é muito difícil. Torço mais pelos meus preferidos do que pelo Brasil na copa do mundo.

O time deste ano, na minha opinião, não foi muito bem escalado. Não entendo como no meio de tanta gente que manda vídeo para concorrer a uma vaga, os ‘olheiros’ da Globo conseguiram escolher pessoas tão sem sal. Mas vício é vício, não desanimei, continuei assistindo e aos poucos vi que eu estava um pouco enganada. Uma das participantes tem muito tempero, sim. Comecei a observá-la mais de perto e, hoje em dia, a defendo a ponto de já ter quase batido boca na rua com uma mulher da torcida adversária.

Eu gosto da Ana. Muitos dizem que ela é uma menina mimada, sem noção, egoísta, mas eu só consigo enxergar uma pessoa verdadeira, que não finge ser o que não é, como a maioria dos outros participantes.

Imagine-se no lugar dela. Você está calmamente andando pelo gramado da sua casa, de repente você pisa em um formigueiro. Qual a sua reação? A minha, pelo menos, seria chamar alguém pra exterminar com urgência aquelas formigas, antes que elas entrassem pela minha casa e, por sua vez, me exterminassem. Amo animais, me sinto mal se tenho que pisar em uma barata que seja, mas um caso desses é de matar ou morrer. E foi o que a Ana fez. Na impossibilidade de chamar alguém especializado pra acabar com a farra das formigas, como ela agiu? Resolveu tomar providências por ela mesma. Alguém falou que sabão em pó servia para matar formigas. Ela foi lá e colocou sabão no formigueiro, sem pensar que isso causaria algum tipo de prejuízo aos outros participantes. Na verdade, acho que ela pensou foi no bem estar geral da casa, naquele dia foi o pé dela que as formigas atacaram, mas no seguinte poderia ser o de qualquer outra pessoa. Ninguém enxergou isso. Só viram uma menina fútil gastando sabão em pó.

Outra situação para se imaginar. As pessoas que moram com você não ligam muito para limpeza. Todos os dias você vai ao tanque e lava os panos de prato, mas os indivíduos continuam sujando, sem se preocupar em lavá-los na sequência. Se não for você, os panos vão ficar engordurados pela vida inteira e na hora que você tiver que usar, alguém já usou antes e deixou tudo sujo. O que você faz? Eu faria o mesmo que a Ana fez. Lavaria uns panos e os esconderia, para quando eu fosse lavar a minha louça ter com o que secá-la. E aí já taxaram a pobre Ana de individualista.

Outro caso. Você participa de um jogo. A cada semana alguém tem que sair. Alguns participantes se unem e fazem uma espécie de ‘panelinha’, não votam entre si, e por isso sempre te colocam na berlinda junto com as pessoas que você mais gosta. Com isso, você tem que ver cada um dos seus amigos ir embora e fica cada dia mais sozinho. Eu também choraria, espernearia, chutaria o vestido, gritaria e me consideraria perseguida. Mas para quem implica com ela, isso tem outro nome: birra.

Além disso, é visível que a Ana é uma pessoa boa. Tantos participantes e com quem ela foi se enturmar? Com alguém que tem idade para ser avó dela. E ela cuidou da Naiá como se esta realmente fosse sua parente. Na época em que vivemos, onde os velhos são tratados com preconceito, deixados de lado, considerados inúteis, isso só mostra a boa índole da Ana.

Quer mais ainda? Pois a Ana é defensora dos animais. Impossível não me identificar quando a escuto contar dos bichos perdidos que já resgatou, dos sete cachorros que tem em casa e da vontade de comprar uma casa maior que caiba todos os animais que ela quiser.

Depois de tudo isso, se ela não ganhar quem vai fazer birra sou eu. E deixo a televisão de castigo. Pelo menos até o ano que vem, quando o BBB10 começar.

Comentários

Anônimo disse…
Disse tudo! O milhão é da Ana.
Anônimo disse…
Adorei. Também penso assim. É tudo isso mesmo.

Bjs.
Bianca disse…
Disse tudo,quem fez esse Big Brother valer a pena,foi ANA,ela pode ser mimada mas ela mostra quem realmente é não fica fazendo caras e bocas como os outros que ficam se preocupando com a imagem aqui fora...
Merecedora do prêmio,não tem pra ninguem...
Go ANA,Bjim
Anônimo disse…
Perfeito.
Angel* disse…
Parabéns pela lucidez, Ana é tudo de bom que uma pessoa precisa ter e ser.
Ana disse…
Ah não, a Ana não...
Acho que ela vai ser boa, daqui uns 10 aninhos, quando crescer um pouco. É chorona e chata, isso sim. Eu encaro a tristeza e o choro, como parte da vida, inevitável e necessária, até. Mas assim, todo dia, não dá né? Da casa, eu gosto mais dos alegrinhos!
:)
beijos
Anônimo disse…
perfeito mesmo a colocação da ANA

ANA SEMPRE !!!
Leley disse…
Gostei da sua colocação com relação a Ana.
Estava apostando que a Nana e Ana iriam para a final. Foi pena a Nana ter saido.
Agora fico na torcida pela Ana, ela é sincera, transparente.
odeio pessoas que jogam para ter beneficios, muito embora o BBB seja considerado um jogo.
Bjs
Mulher Indigesta disse…
Pensei mil vezes se comentava ou não teu blog, pois fiz uma pesquisa sobre crônicas sobre bbb e me deparei com esse blog. DEsculpa a sinceridade e a curiosidade, mas o que te leva a ser "viciada" nesse tipo de programa? Tudo bem, todos tem suas bizarrices, mas escrever um texto de tantas palavras (do qual li os primeiros parágrafos, fiz leitura dinâmica dos outros dois e o resto não suportei) defendendo uma participante desse zoológico da indignidade e da burrice, a ponto de quase bater boca na rua com outra pessoa... POr quem mais tu faz isso? Se tiver uma criança de rua apanhando da polícia, tu também enfrenta, bate boca? E se os políticos resolverem aumentar seus salários milionários, (coisa que aconteceu agora)tu também pinta a cara e vai pra rua gritar palavras de ordem? E sobre o piso dos professores, assinaste a petição na internet (e olha que é só dar um clique)? Não preciso fazer esforço algum pra saber que, definitivamente, não. Como um programinha tão mal feito consegue prender a atenção das pessoas durante 11 edições? Faça uma auto-avaliação, será que a tua vida merece ser controlada alguns dias por semana por um "reality show" que tenciona mostrar bundas, pegação, bebedeira e baixarias de todas as espécies pra viciar as mentes menos favorecidas e ganhar rios de dinheiro nos paredões? Desculpe o desabafo, mas fiquei chocada com esse post gigante sobre a maior babaquice que já se teve notícias. Ah, antes que eu esqueça, ele está até bem escrito.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …