Pular para o conteúdo principal

UMA PETRÓPOLIS E 166 MARIAS
>> Maria Rachel Oliveira


(Palácio de Cristal - foto Márcio Pregal)

Pois que 16 de março é o aniversário de Petrópolis, onde nasci e onde moro até hoje – apesar de algumas tentativas de abandono malsucedidas. Acho que a cidade está fazendo 166 anos. Digo acho porque foi impossível checar rapidamente a informação com uma simples googlada – como aliás se resolve praticamente tudo ultimamente. Uma das maiores falhas do município é justamente a qualificação dos profissionais de algumas áreas, entre elas, da Comunicação – e não foi possível encontrar essa informação na página da Prefeitura.

Soube, não me lembro bem em que momento, que a cidade começou a nascer quando nosso então Imperador Dom Pedro I, que ia do Rio de Janeiro para Minas, olhou lá nossas matas e achou um lugar aprazível para parar e apreciar o clima ameno e a vegetação exuberante da região. Bem ao estilo da Coroa, logo tentou comprar a fazenda onde havia se hospedado, na região do distrito hoje conhecido como Corrêas (então fazenda Padre Correia). Não conseguiu, mas acabou convencendo o proprietário do quinhão de terra vizinho, e da Fazenda do Córrego Seco deu de nascer minha cidadezinha querida. Bem ali, no Museu Imperial (onde matei uma meia dúzia de aulas passeando pelo jardim), a menos de um quilômetro da minha casa.

Se desde a minha adolescência, minha Petrópolis já não é a mesma, nem a vida e nem o mundo o são, em igual medida – nem iguais permanecemos nós, ainda bem; espantoso se fôssemos. Já mudei e mudaram-me tanto que já começo a namorar de novo com a idéia de deixar a minha terra. Resultado, talvez, de um mix de preguiça misturada com praticidade e um certo dó.

Dó de desatar esses laços que foram feitos com as delicadas lembranças que só os primeiros olhos vêem e as primeiras emoções sentem. Como por exemplo, o Palácio de Cristal, onde eu acreditava – e ainda hoje duvido se não – que à noite bailavam príncipes e princesas. Quando me convencer por um lado ou outro, decido.

Até lá vou caminhando pelas sombras de suas grandes árvores, fotografando a Catedral, passeando de pedalinho pelo lago do Quitandinha e assistindo ao pôr-do-sol do Parque São Vicente. E - quem há de saber - se isso é um reencontro ou uma doída despedida. Até lá há ainda há muitos dias a se celebrar. Algumas Petrópolis. E muitas Marias.

Comentários

Ah, Maria Rachel, fica mais um pouquinho em Petropólis, pelo menos até quando eu for ao Rio da próxima vez. Ainda não subi a serra, e seria ótimo tê-la como guia. :)
Letti disse…
Rachel, "tua" Petrópolis ficou mais bonita através das tuas palavras. E a gente fica com vontade de acreditar que no Palácio de Cristal ainda bailam príncipes e princesas. :)
beijo grande!
rm disse…
Ei moça,
gostosa crônica sobre sua cidade, tão cheia de história. O que restou do Brasil Imperial está aí e a serra que a abriga é das mais lindas do mundo.

O caminho do Rio para Minas é (bem) anterior a essa data, o que me leva a crer que o imperador acertou na mosca...
Carla Dias disse…
Eu que não conheço Petrópolis, senti-me mais próxima a ela ao ler sua crônica. Ainda que você parta dela, creio que as visitas serão encantadoras... E vai que, numa das visitas de saudade pra matar, você encontre os príncipes e as princesas a tagarelarem alegrias, dançando, aos pares, no Palácio de Cristal.
C. S. Muhammad disse…
eu que nasci e cresci em Petrópolis, abandonei-a inúmeras vezes para voltar e me arrepender. Até hoje sonho com a vista da serra na Rio-Petrópolis e aquele calorzinho que a gente sente dentro de si, quando vai subindo e avistando o nevoeiro cobrindo as árvores...
Evaldo C. Macedo disse…
Informo que a fotografia do Palácio de Cristal usada para ilustrar a crônica foi produzida por mim, Evaldo de Carvalho Macedo, em 2008 para campanha publicitária da prefeitura de Petrópolis. Peço por gentileza que façam a devida correção do crédito para EVALDO C. MACEDO. Para a devida comprovação consultar o site http://www.evaldocmacedo.com.br/urbana.htm

Evaldo C. Macedo.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …