Pular para o conteúdo principal

DO OUTRO LADO DA JANELA >> Carla Dias >>

Ao invés de ler a pessoa numa olhada, como dizem fazer super bem muitos dos que conheço, prefiro chegar manso, perceber peculiaridades... Como as várias que habitam a existência dessa pessoa de quem conheço a cadência de cada passo, assim como a inconstância da sua jornada. Disse-me, outro dia, que era seu jeito de mudar as coisas já que, sozinha, jamais mudaria o mundo; que para as ações solitárias é preciso requintar a ilusão e que, ao encontrar outros, essa obra de arte emocional certamente faria seu papel coletivo.

É verdade que assistir ao show da humanidade alheia também cria vínculo com cenários difíceis de se apreciar. Como a pessoa que faz tantas coisas avessas ao que seria benéfico a ela e aos que o cerca, acreditando completamente que sabe mais do que todos a respeito, portanto é juiz, detentor do poder de resolver as questões fundamentais e que dizem respeito não só a ela, mas a outras pessoas. Nessa hora, tento manter a cabeça no lugar e o coração mais brando. Apesar de todos nós termos nosso momento de puxar para si a capacidade de decidir o que deveria ser uma decisão fundamentada por tantos, dureza é ver uma pessoa tomar para si essa função, sentindo-se mártir, padecendo a incapacidade de delegar definições. E raramente isso não provoca desafetos.

A construção de nós mesmos é lenta e nem sempre nos permite enxergar o destino. Eu, particularmente, acho que ela não tem fim, nem mesmo quando o fim da gente chega. Perpetua-se com nossos espíritos que, creio eu, têm mais o que viver, depois daqui.

Encarei fartas dissonâncias humanas, nesses últimos dias. Eu mesma assumi a autoria de muitas delas. Mas olhei de perto, sabe? Feito criança curiosa, ainda na fase das interrogativas. Nesse tempo, assisti telejornal com displicência de quem se fartou das tragédias. Emudeci diante do sorriso indisposto daquele que bradou - a voz atordoada - a dor imensurável de se perder o direito de comer, beber, trabalhar, viver, estudar, sonhar, amar... Um punhado de verbos fundamentais vetados pela miséria ferina destinada a tantos.

Para abrandar a melancolia crescente, observei o menino correndo pra lá e pra cá lá no parque. Tentei imaginar atrás de que, mas ele me percebeu. Aproximou-se e, antes que eu contasse uma história a mim mesma sobre ele, começou a falar sobre a sua capa de herói, que a mãe comprou na “loja bonita da rua de casa”; que iria salvar o mundo das garras do homem mau “que gosta de machucar gente e bicho e carros de corrida e tem cara de tatu”; que gostava de “sorvete de chocolate, bolo de chocolate, biscoito de chocolate, leite de chocolate”, e que aprenderia a voar, mas só “quando for grande”, porque o pai disse que “homem só pode voar depois que aprende a dirigir carro e tira carta”.

A mãe do menino, que nos observava de longe, aproximou-se e sorriu a certeza de qualquer adulto: é bom quando ainda achamos possível separar o bem do mal, o certo do errado. Quando os heróis sempre aparecem em tempo de acabar com o vilão.

Passei esses dias contemplando pessoas, meu passatempo favorito. Houvesse me empenhado, quem sabe, teria me tornado antropóloga, psicóloga, ou um bem-te-vi morando do outro lado da janela de alguém; olharzinho afinado feito o canto.


Site: www.carladias.com
Talhe - Blog:
www.talhe.blogspot.com


Comentários

albir disse…
Carla,
prefiro você cronista. Assim podemos todos contemplar suas pessoas.
Ah, Carla, um dia me ensina a observar as pessoas? Eu fico logo com vergonha e não observo direito. :)
Adriana (Drika) disse…
Tão conveniente para meu AGORA esta crônica! Para este momento de ver tumultos, de lutar as próprias guerras(e a de tanta gente junto) e sorrir de ver criança sonhar srrsrs e eu tenho material de sobra em casa para isto (leia-se três filhos kkkk). Só mesmo quando nos fazemos meninos, podemos olhar com paixão a vida... vale a pena. Já com olhos de bem-te-vi rsrsrs penso neles apressafdinhos, como tudo o que lembra bem-te-vi! kkkk....Lindo, Carla, e mais uma vez... muuuuito propício....bjks
Carla Dias disse…
Albir... Obrigada : )

Eduardo... Observar as pessoas é bom e requer certa cumplicidade com o silêncio. Vai ver não é vergonha que você sente, mas o olhar certo para essa função. Eu acho que você já é um observador de pessoas dos bons. Vai ver falta você acreditar nisso... Sem vergonha : )

Drika... Seus três filhotes são três dos meus seis sobrinhos pelos quais sou apaixonada. Ainda que cresçam a toque de caixa, serão sempre a juventude da inspiração para uma vida mais humana, melhor, repleta de boas novas.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …