Pular para o conteúdo principal

UM DIA NO BOSQUE >> Pedro Cardoso Machado

Putz! Eu tinha dez anos... Parece que foi ontem, eu era um menino, andava descalço, jogava pedra pra lua, brincava pelos bosques, colhia flores silvestres e frutos maduros. Era tudo de graça, ninguém era “dono” daqueles pés de veludo, mangaba, jatobá, goiaba, cagaita, orquídeas. Árvores enormes que faziam parte do bosque do colégio Ateneu Dom Bosco em Goiânia.

Quando olho para trás vejo que lá se foram anos e anos, mas para os meus olhos nada mudou. Vejo tudo como antes. É só buscar pela memória, lá, minha infância, minha felicidade, minhas pegadas em cada galho de árvore, tão preservadas. Pulava de uma figueira para outra sem a menor dificuldade, sem o menor risco, eu era um pássaro-menino. Conhecia cada pedacinho daquelas plantas, todas tinham nome, apelido, posição no terreno e época de colher os frutos e as flores... Um paraíso que guardo comigo e que utilizarei para contar minhas travessuras aos meus bem-vindos netos. Prometo que não vou inventar nada, contarei com detalhes cada dia em que lá estive.

O bosque era divino. Aos meus olhos... Uma imensidão verdejante. Além de tudo servia de pasto para a tropa da cavalaria municipal. Os cavalos, meu Deus! Uma tentação indescritível, cada qual mais fogoso e elegante. A despeito do soldado que os vigiava, dos registros que traziam gravados nas ancas, eu colocava nome em todos eles. Ah o Mambo! Uma escultura cor de mel. Mais de 1,85 de cernelha, patas brancas, crina enorme, rabo robusto, passadas cadenciadas e macias. O responsável pela tropa contava que aquele era o predileto do Comandante, que aquele era o animal mais valioso, que aquele era o animal que puxava a tropa no dia Sete de Setembro. Eu o via, embasbacado. Sua postura era mesmo a de um valioso garanhão. Galopar em seu lombo, era tudo que eu mais queria. Eu me via pulando córregos, saltando troncos caídos, correndo por baixo daquelas árvores frondosas que compunham o bosque. O soldado permitia que eu cavalgasse com qualquer um daqueles animais, bastava que eu os pegasse, que eu os laçasse, que eu os capturasse por alguns minutos. Mas o Mambo era o Mambo: arisco, inteligente, malandro, atraente. Eu não tinha um laço, uma corda apropriada para que pudesse agarrá-lo e, mesmo que tivesse, não conseguiria jogá-lo em sua cabeça. Mas o sonho era grande demais, o desejo de tocá-lo era maior que eu. Um dia tive a idéia de fazer uma arapuca com um cipó que tirei de uma gameleira que havia caído com a chuva do dia anterior. Fiquei maravilhado com a idéia de que poderia, enfim, prendê-lo de alguma forma. Tirei o cipó com esmero, com precisão, com um cuidado inimaginável. Finalmente poderia capturá-lo. Fiz um laço enorme. Sabia que não poderia jogá-lo, foi aí que tive a idéia de abri-lo no chão como uma armadilha, de forma que, quando ele passasse por cima do cipó, eu puxaria e prenderia uma de suas patas. Respirei fundo, escolhi uma trilha onde eu pudesse direcioná-lo, de modo que ele não tivesse outro caminho a percorrer senão aquele. Com tudo preparado, toquei o “bicho” como se tangesse um ente de outro planeta. Fomos lado a lado, eu e ele, no mesmo passo, na mesma toada. Quando colocou a pata da frente dentro do círculo, ainda me lembro como se fosse agora, puxei a extremidade do cipó com todas as minhas forças. Ele estava finalmente preso! Um gigante à minha frente. Ele estava ali, dócil, quieto, afável. Pensei... Sou um felizardo. Gritei do fundo da minha alma... Sou o mais feliz dos humanos!

Ah, meu Deus! Aquele dia jamais sumirá de minha caixa de segredos.

Comentários

Grande Pedro! Bom vê-lo de novo por aqui. Que o menino que você era — com sua coragem e seu gosto pela vida — inspire o menino que o Crônica do Dia é E que a vida seja longa para todos nós!
Marisa Nascimento disse…
Pedro, esse relato da sua infância deixou um gostinho de nostalgia com saudade do passado. Ainda bem que o Crônica do Dia, ainda uma criança, tem muita história para viver e contar.
Carla Dias disse…
Pedro, Pedro... Bom te ler de novo. E assim, numa prosa de infâncias e descobertas.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …