Pular para o conteúdo principal

Dez Anos (bebe da água) >> Leonardo Marona

Dez Anos é um senhor de chapéu de feltro, com tempo de pensar. Por quanto tempo passamos Dez Anos? Por quanto tempo dissemos “é tempo de pensar?” E depois pensamos. E passamos despercebidos pelas lesmas e serafins. Há quantos anos o último tombo intencionado? Lembrar da velha agulha, que aponta as idéias e também não perdoa, que assassina os próprios filhos em nome da compaixão.

Intelectualizar o que não se pode saber, saber o que não se pode intelectualizar. Quem tiver essa dicotomia presente no sangue e corrente nos erros terá o mundo sempre aberto e perigoso, mesmo escondido em casa, com chapéu de feltro, como Dez Anos. Dez Anos passou dez anos à janela. Ser a própria janela dos anos, moldura fictícia. Voltar a falar e, então, voltar a falar. Mas qual será o momento em que os nervos darão respaldo à prece?

O quase tombo dessa espécie de filho, é disso que Dez Anos fala à janela. A falta de conclusão sobre antigas lapidações, as córneas muitas vezes latejando em desespero burro, o lado áspero da flexão dos cotovelos sobre o pano gasto, é disso que fala Dez Anos em ruminação catártica.

Talvez também de um beijo fugaz e uma corrida para casa. Que casa? Talvez o estampado coração de quem vacila. Mas onde coração, onde amor, onde consciência? Fiódor irreparável no mais novo milênio, Cáucaso no Egito, Ramsés na Sibéria, ouvindo alto o que banhado em sangue é sussurrado. Anjo no reformatório, assassino de barba rala, o que nunca se aproxima, sempre recebe, o amante tolo, o equivocado das frases entrecortadas, o jubiloso desafio de morrer de si só, o não comparável arrebatamento por algo que mordeu e foge. Dez Anos tem um tempo para pensar no que não foi. Ao dobrar determinada esquina, Dez Anos significa o mundo que ficou aquém daquela esquina. O trágico dilema, o medo da morte e o afeto entre amantes, Dez Anos são pedaços espalhados pelo chão, à procura dos óculos, nenhum pássaro ao redor, que lembre o trecho de uma sinfonia russa.

Mas Dez Anos também não está morto e diz do alto da sua montanha de plástico: Bebe da água, meu amor, cede amor ao terminador de frases. Bebe da água, diz o título, que não é veneno e não é desse planeta, que é sem estilo, quase torto, sem cadência. Dez Anos é quase um personagem com garrafa de rum na mão caída e perda óssea no maxilar, batom escuro. Dez Anos usa o charme dos esquecidos, aquece o peito dos decapitados. Esquece o resto, Dez Anos, solta os suspensórios e enrola o teu cigarro de bolso – leva contigo as chaves mais nulas. Mas Dez Anos também levanta a pergunta:

E quando estiver seca a fonte, pagos os anos com pele solta, o que será então de Dez Anos, com os anos nas mãos como areia, o rosto feito lápide, o amor só das minhocas?

Comentários

Oi, Léo! Cabra inspirado é assim: não espera nem a data certa do aniversário. :) Muito o que meditar sobre esse personagem Dez Anos. Bela sacada!
marisa nascimento disse…
Leonardo! Interessantíssimo esse jogo de palavras envolvendo todo o desenrolar da história do personagem! Muito bem escrito, como sempre!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …