Pular para o conteúdo principal

JULHO DE 2018 >> Albir José Inácio da Silva

A página principal do site Crônica do Dia apresenta menus, banners, ícones e pop-ups que se misturam, aparecem e desaparecem, facilitando o acesso dos leitores. Os antigos diriam que a diagramação é um tanto caótica, mas olhos acostumados à revolução da informática transitam sem dificuldade pelas chamadas para dezenas de textos, notícias e outras informações.

Suspensas as negociações após novo bombardeio israelense. Crônica do Dia comemora vinte anos. Sonda espacial envia novas imagens de Plutão. Paula Pimenta emociona com carta à Paula de 2008. Metrô para Niterói tem inauguração prevista para dezembro. Carla Dias conduz o leitor num passeio musical pelos ritmos da alma. Candidato republicano obtém maioria com suspeita de fraude em Arkansas e Minnesota. Eduardo Loureiro fala sobre o lançamento do livro Crônica do Dia, uma coletânea representativa dos vinte anos do site. Trânsito no Rio: rodízio de placas não produz o resultado esperado. Marisa Nascimento fala de sua ligação com o Crônica do Dia, primeiro como leitora e depois como cronista. Comunidade Européia rejeita nova proposta do Mercosul. Pedro Cardoso nos leva nas asas da nostalgia até seus vinte anos. Playboy tem edição especial em julho com mulher graviola. Anna Christina fala dos últimos vinte anos com açúcar, afeto e chocolate. Bush se defende: não havia armas nucleares no Iraque, mas poderia haver. Débora Botcher faz acreditar que vale a pena viver mais muitos anos. Após dez anos Fluminense chega outra vez à final da Libertadores. Sandra Paes canta bolero em homenagem às duas últimas décadas. Três mulheres já estão na disputa pelo Palácio do Planalto.

E prossegue o século XXI, jovem ainda, entre crônicas e notícias, bombas e atentados, exploração e desigualdade, misturando dor e beleza, poesia e lamento, medo e encantamento. E o simples prosseguir já é motivo de comemoração. Comemoremos. É tempo de contar o tempo.

E como o tempo é segunda-feira, a exemplo dos outros cronistas, eu também preciso falar dos vinte anos do Crônica do Dia. Falar de como foi enriquecedora a convivência com escritores e leitores. Relembrar a indicação de Cláudia, a Letti, e a calorosa recepção há dez anos. Dizer como pude fazer amigos, refletir e me emocionar durante esse tempo.

Mas, por precaução, como o futuro é incerto e traiçoeiro, melhor antecipar um pouco essa fala. Para garantia de que seja dito, melhor que se diga logo. Uns dez anos antes.

Comentários

Paula Pimenta disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Paula Pimenta disse…
Amei, Albir! E quem conseguiu emocionar foi você, com essa retrospetiva futurista! :)
Albir, perfeita conclusão dessa semana de festa. Surpreendente! :)
Carla Dias disse…
Quando falamos em tempo, apontamos o passado, porque ele foi vivido. Ao futuro, sempre reservamos o "pode ser".

Mas você não teve dúvida e o escreveu futurista, independente do que ele realmente será daqui a 10 anos.

Achei genial, Albir!
Marisa Nascimento disse…
Albir, sua sensibilidade foi magnífica, mais uma vez, com suas quase profecias futuristas. Ri muito da mulher graviola. :)
E, claro, fiquei emocionada por ter lembrado de mim. Mas...apesar de lisonjeada com a lembrança, tenho que dizer que nasci para ser platéia. E é uma emoção maravilhosa diante do espetáculo que vocês, cronistas do Crônica do Dia, reservam para o público aqui! :)
Debora Bottcher disse…
Ai, Albir, Esse jeito de escrever emociona, faz rir e sorrir... És um homem encantado? :)
Beijo.
C Letti disse…
Que bom ter você como amigo e colega ha dez anos, Albir. Débora, sensível, acertou em cheio, um homem encantado. E encantador. :)
beijo grande!
albir disse…
Paula, a idéia foi sua, de brincar com o tempo.

Eduardo, parabéns pelos 10 anos e pelas comemorações.

Carla, falar do presente e do passado tem as amarras da realidade. O futuro não tem parâmetros.

Está certo, Marisa. Mas, de vez em quando, reconsidere...

Que gentileza, Debora! O site é encantado...

Tia Cláudia, que bom lê-la! Que saudade de ouvi-la! Beijo na Tia Rachel.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …