Pular para o conteúdo principal

MEUS FILHOS >> Eduardo Loureiro Jr.

Não tenho filhos.

Ainda.

Perdi a única chance que tive de tê-los até agora. E aguardo uma nova oportunidade.

Mas tudo que queremos muito se realiza quase que automaticamente, embora não da maneira como pensamos. O que me leva a admitir que a vida, o destino, o tempo... essa coisa que vai nos acontecendo sem prestarmos muita atenção, me trouxe dois filhos.


O primeiro é uma menina, que eu chamo de Linda Julia, sobrinha de minha querida, ex, falecida e saudosa Déa. Para Linda Julia compus uma canção que diz assim:


Quem me traz uma menina linda?
Se for canhota, melhor ainda.
Sapeca e sorridente,
amiga da fada do dente.
Quem me traz uma menina chique
— mesmo que pegue uma bronquite —,
que adormeça ouvindo histórias
e me vença com sua memória?
Alguém com quem ninguém possa:
me dê um susto com um beijo nas costas;
que tenha idéias mas com trabalho.
Ticha, Ticho, tichu, baralho.

Esta é a Julia, Linda Julia.

Quem me traz uma menina esperta
que já acorde tirando meleca,
que se esconda sob o lençol
e com cheirinho de chulezol?
Quem me traz uma menina atenta
e avoada feito borboleta,
que não desista sem antes tentar
e que adore me enrolar?
Aguém que todo mundo curta
— Bregueço, Boboca, Jujuba,
Mô Fia, Bombom, Bimbinha.
Sol da noite, lua do dia.

Esta é a Julia, Linda Julia.



O segundo filho é este site, o Crônica do Dia, para o qual nunca escrevi nenhum poema, canção ou crônica, embora ele também merecesse. Ele é feito o irmão do filho pródigo: tudo que tenho é dele, atualizado todo domingo num novo texto.

Por uma dessas coincidências ou sincronicidades, meus dois filhos têm agora 10 anos. Julia fez aniversário dia 25 de maio, o Crônica do Dia aniversariou em 1º de julho.

Se Linda Julia tem uma mãe — e uma tia-mãe, e uma avó-mãe — o Crônica do Dia também tem a sua: Carla Dias.
Se Linda Julia comenta que a introdução à peça de teatro noh "está uma explicação muito longa e chata", o Crônica do Dia vai tocando a vida com leveza, sem se achar fazendo Literatura com l maiúsculo. Se Linda Julia aproveita o seu novo direito de andar no banco da frente do carro, o Crônica do Dia também usufrui do reconhecimento desta e das demais crônicas da semana. Se Linda Julia tem alternado entre aulas de hipismo, aikidô, flauta, balé, ginástica olímpica, inglês... o Crônica do Dia varia estilos em cada cronista diário: o humor gentilmente abusado de Felipe; a elegância da prosa do Albir; as divertidas sacadas cotidianas do Maurício; a beleza de fotos e de letras de Paula e de Claudia, que escrevem feito sereias seduzindo nosso ouvido; o sereno de sentimento que a Carla generosamente, e sem falta, pinga em nosso juízo; a humildade despretensiosa da Chris, com crônicas boas de pegar feito areia da praia; o vigor caleidoscópico das cenas do Léo; a conversa gostosa ao pé do ouvido da Cris; os relacionamentos revistos, revirados e comprendidos por Debora e pelas artemísias; e, finalmente, eu, Eduardo, pescando palavras pra fritar pra vocês.

Linda Julia e Crônica do Dia são crianças, menina e menino. Bons de brincar. Bons de cuidar. E dez anos são — realmente — só o começo.

Comentários

Marisa Nascimento disse…
Que lindos filhos, Eduardo! E que bom, que dádiva maravilhosa, que sabedoria ímpar a sua de criá-los assim para o mundo...
Beijo.
albir disse…
Linda Júlia já me parece devidamente paparicada pelos que a rodeiam. Quanto ao Crônica do Dia, que possamos nos sentir responsáveis e, a exemplo dos índios, ajudar os pais, Eduardo e Carla, nos cuidados com ele.
Debora Bottcher disse…
Ah!, Eduardo, é um prazer fazer parte do espaço junto com esses tantos citados. E esse texto me faz pensar que somos filhos da sua criação - além de seus próprios filhos, pois sem sua mão, seu incentivo, a generosidade de dividir, eu mesma já não escreveria mais (já que hoje não vivo mais diretamente no mundo das Letras)...
Beijo e obrigada por esses dez anos. :)
Paula Pimenta disse…
A Julia eu não conheço, deve ser mesmo linda. Já o Crônica, conheço bem e acho que é um filho como os filhos devem ser, criados não para si, mas para o mundo. E o mundo agradece esse presente que você criou, não conheço ninguém que já tenha passado por aqui (leitores, autores) que não tenha se apaixonado e viciado!

Mais uma vez parabéns pela idéia da comemoração, foi realmente emocionante ler todas as nossas crônicas comemorativas. E quem sabe a idéia do Albir para a comemoração dos 20 anos não se concretiza? Seria um sonho um livro coletânea com as crônicas que nos marcaram durante esses anos e uma alegria comemorar ao vivo, além de por escrito! :)
Tânia Batista disse…
Lindo Dudu,
Amei a música. Saudades da saudosa Déa. Gostei de saber que "aguardas" nova oportunidade de ter novos filhos. Lembre-se que é preciso mais que "aguardar"...
Beijo da Dinha...
Abraço no coração,
Carla Dias disse…
Ah, eu me lembro da Julia, desde há alguns anos. Lembro-me de comentários sobre ela, porque eu andava encantada com os meus sobrinhos nascendo (e continuo me encantando com eles crescendo), então falávamos sobre crianças. Acho que ao reconhecermos quem não conhecemos pelo nome, já podemos dizer que ao menos sabemos de quem se trata. E você sempre foi muito carinhoso ao falar sobre ela. Eu sei desse afeto seu.

Eu não sei o que dizer sobre a consideração que me coube sobre o Crônica do Dia. O que posso dizer, sem dúvida alguma, é que este é um nascimento que comemoro sempre com muito carinho. Eu gosto de fazer parte do que o Crônica representa; de apreciar o que os cronistas têm a dizer.

Adorei a letra da música da Julia : )
Marisa, você é tia, ou prima querida, do Crônica do Dia. :)

Albir, escrever as crônicas já é um grande auxílio. Mas quando quiser fazer um extra, fique à vontade. :)

Debora, se depender de mim, você não pára nunca. :)

Paula, vamos sonhando até os sonhos se realizarem. :)

Madrinha, a oportunidade eu aguardo, pra na hora em que ela aparecer eu estar descansado pra agir. :)

Carla, o que você teria a dizer já é dito toda quarta-feira. :) E vamos em frente que esse menino ainda precisa comer muita pipoca e chocolate. :)
Kelly Martins disse…
Parabéns Júlia...Parabéns Blog...Sua história me comoveu muito...tb tenho filhos de coração q amo como se fosse d verdade...os meus somas tres almas iluminadas q me fazem feliz demais...Foi muito bom ouvir sua voz nessa canção...Bjux
Kelly, que continuemos felizes próximos de nossos filhos de coração.
C Letti disse…
Um beijo com dez anos de carinho, meu amigo querido!
:)
Anônimo disse…
Olá, achei uma crônica sua esta semana.. sobre mulheres de libra e acabei me interessando em saber quem era vc,rsrs. Li este e percebi o tamanho da sua sensibilida ou habilidade em escrever, adorei e parabéns pelo blog.
Olá, anônima libriana (acertei?)! Que bom que veio até aqui. Grato pelas palavras. Volte sempre para ler essa turma boa aqui do Crônica do Dia.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …