Pular para o conteúdo principal

UM POUQUINHO >> Eduardo Loureiro Jr.

Ubira/PicasaWeb"Qualquer amor é um pouquinho de saúde, um descanso na loucura."
(João, o Rosa)

Quando eu era criança, e meus pais discutiam, eu me fechava no quarto em busca do calado. Na adolescência, tentava abafar os gritos colocando o volume no máximo. Hoje eu busco o silêncio da música que não grita.

Sento sob o sol, na grama, sobre o orvalho da manhã, e deixo a luz lavar meu frio com seu calor. Aviso que estou ali, cheguei, pronto. Já posso ouvir o canto dos passarinhos. Estou no ponto onde a gente se toca. Pele de gente também pode ser aconchego de sol. Voz de gente também pode ser canção de passarinho.

Existe o caminho da borda e o caminho do meio. Ao redor, se corre. Dentro, se caminha — se camazinha —, pisando de leve nos lençóis da natureza. O córrego escorre sem ter pressa e vai dar num lago com ritmo de tartarugas. Vai dar. Dá. A gente precisa saber certa coisa antes de dar. Uma coisa certa só: dar é já ter recebido — transbordar pra dentro, onde o outro está, quem recebe.

Gastar o olhar feito quem gasta os dentes na pipoca: afiando. Poupar o guardanapo pra poder lamber os dedos. Cobrir de fluidos beijos as pontas desses delicados filamentos. Amar a Si — mesmo. Sentir o amor preenchendo.

Chegar até as cercas. E rir dos farpados. Flagrar os beija-flores amando desescondido, sussurando em fragrantes ouvidos, "Qual é teu nome, flor? Faze de mim o que eu sou." Errar até o mel feito cego no claro, honrar a retidão que há no curvo. Com o coração quentar o sol pra que ele alcance o meio-dia. Chegou, enfim chegou, a hora em que tudo que ouço é poesia.

Lavada a roupa suja — pernas pra que te quero —, estender: braços pra quem me quer. Ser gostoso de pegar, ser bonito de se ver. Olhar a voz, ouvir o cheiro, inspirar a cor. Tocar o bom, o bobo do cordial tambor. Pendurar-se na varanda do lábio sem palavras. Viver com horas desmarcadas.

E só levar consigo o que não puder deixar.





Comentários

Marisa Nascimento disse…
Eduardo, simplesmente lindo! Uma massagem na alma e no coração...
E é sempre muito confortante ouvir seus textos falados. União de duas de suas belezas, texto e voz! :)
Hebinha disse…
"E só levar consigo o que não puder deixar."
Parece Pepeta, parece Arthurzinho, parece e é Eduardo Júnior. Pra mim é muito amor e desprendimento. Dá vontade, mas é pra poucos que assim escolhem. Quem sabe um dia... pelo menos um pouquinho.
Beijo, Hebinha.
Grato, Marisa. Espero que você tenha recido a crônica como um presente de aniversário a lhe desejar muitas belezas em seu novo ano de vida. :)
Engraçado, Hebinha, você comentar justamente o final, que eu quase retiro da crônica, justamente por não querer passar esse sentido que você percebeu. Nesse "levar consigo só o que não puder deixar", pode-se levar muito. Acho que não consegui traduzir em palavras o sentimento. Tem coisa que a gente aparentemente, materialmente, deixa, mas na verdade leva, porque não pode deixar. :) E é pra levar esse muito que a gente tem que deixar as coisas sem importância. :)

Eita, acabei enrolando mais ainda. :)
Marisa Nascimento disse…
Eduardo, não pude deixar de responder sua resposta. :)
Obrigada por mencionar a crônica como presente, mas todos os seus textos são dádivas aos domingos, independe de ser aniversário ou não. Claro que nesse em especial, ficou com gostinho de brigadeiro preparado por um chef das letras. :)
Carla Dias disse…
"Uma coisa certa só: dar é já ter recebido — transbordar pra dentro, onde o outro está, quem recebe."

Dizer o que depois disso?

Belo texto...

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …