Pular para o conteúdo principal

Allegro ma non troppo >> Leonardo Marona


A primeira sensação que tive quando me desgarrei da família foi a de ter o cérebro se desmanchando em pequenas partes, as idéias se perdendo na gosma resultante. Não é uma cena muito bonita, nem tampouco lamentável, mas era poética o suficiente para uma pessoa parcialmente ridícula, como no fim qualquer outra.

E diziam que eu deveria sofrer, se quisesse escrever algo que prestasse. Mas eu só pensava nas glândulas cedendo, na epifania causada pelas letras tornando-se vagas e as células murchando, no desconsolo sem medida que vem da aceitação da verdade: seu cérebro já não mais está.

Pois eu sofro! E me coloco a sofrer. Porque sinto alguma coisa profunda e portanto patológica, que jogo no bolo das vaidades e junto a elas desmereço como algo superficial, mas está lá, me olhando sem olhos, mesmo que burilada ela está lá, ela que é meu berço e minha cruz.

De onde poderei mais esperar por adversidades? Da janela sem cortina apenas uma estudante de flauta transversa sem o menor talento, que chega a emocionar. Se os românticos hoje são extraterrestres de si mesmos, de um planeta que habitam e transformaram em piche, por causa da maldição de Strindberg, do sujeito que se suicida involuntariamente por pensar em coisas grandes demais, me sentia um homem oculto, dentro de uma pocilga onde varejeiras intermináveis chupam as feridas do Todopoderoso em cada um de nós. Agradecia por estar vivo. E na dúvida sobre que tipo de raiva, acariciava os gatos.

É mesmo algo bem ridículo, alguém pode pensar, mas se até hoje são encenadas peças de quatrocentos anos é porque pouco temos a dizer sobre a evolução da espécie. Alguns matam em nome de Deus, outros para matá-lo, para livrar-nos dele, para sê-lo, a grande piada. Me sinto magro, os ossos puxam e não sei se devo comer. Que estranho fenômeno será esse, da gente sugar até o talo, sem ganhar nada? As palavras me pesam, é melhor parar assim, sem avisar.

Comentários

Léo, será que precisaremos ainda de séculos e séculos para aprender a escrever com alegria? :)
leonardo marona disse…
De fato, caro Edu, este saiu um tanto melancólico, mas eu acho realmente que somos injustos com os sentimentos, e tendenciosos ao escolhê-los, o que os dificultam de ser verdadeiros e profundos e os torna caricaturas ausentes de nós mesmos perante o mundo. isso é triste. e foi pensando nisso que resolvi escrever nesse dia. e deicidi não valorar se era um sentimento "bom" ou "mau", mas se era verdadeiro e estranho e, sendo ambos, servia. escrever com alegria é uma necessidade. Não me refiro à essa alegria dos filmes dos romances literários, mas uma alegria ainda mais funda na pele, que nos permite andar sobre o fogo com um sorriso nos lábios.
Carla Dias disse…
Pois é, Leonardo... A dolência é autora de muitos fados e reverbera em ímpares tangos. Se tivermos de dançar ao ritmo dela, que seja através de bons textos, como este teu.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …