Pular para o conteúdo principal

RESUMO DOURADO [Debora Bottcher]


Não pretendo que esse seja um texto triste, mas quando falo de dez anos, não posso omitir que exatamente na manhã de 05 de Julho de 1998 eu enterrava meu pai depois de dois anos de batalha contra um câncer. Foi a maior dor que já senti...

Mas foi também há dez anos - em Maio - que conheci meu segundo marido e aprendi de amor, cumplicidade e plenitude, numa relação que perdura com as mesmas bases, renovando-se a cada dia, a cada ano.

Nos últimos dez anos me reinventei: mudei de profissão e me instalei naquele canto de mim que sempre quis ser dona do próprio negócio. Foi preciso quebrar minhas barreiras de acomodação e a eterna inclinação ao pessimismo, para ousar num território desconhecido. A aventura tem rendido realização e prazer, e ainda me permite conciliar a metade de mim que pertence ao mundo das Letras para continuar escrevendo - não tanto, vocês sabem, mas ainda assim com a honra de integrar esse
espaço, onde primeiramente cheguei como leitora voraz.

Também arquivei o projeto de ser Mãe, descobrindo que Maternidade se faz de muitas e diferentes formas, e que não é preciso parir para se ver dentro desse cenário. Com cinco enteados - herdados de dois casamentos anteriores de meu marido -, eu sou o 'sonho de consumo' de muitas mulheres: sou avó - postiça, é verdade, mas isso não tem a menor importância, creiam-me - de quatro crianças adoráveis sem ter tido filhos. Além do que, contrariando a imagem distorcida que atualmente se imputa às madrastas, descobri que uma mulher pode amar os filhos de outra com uma intensidade singular, e o melhor: sem os embates inerentes às relações entre pais e filhos, porque tal condição nos dá mais leveza, um olhar mais complacente, sem cobranças nem pré-julgamentos.

Nos últimos dez anos consegui fazer as pazes com a minha mãe, quebrando o círculo vicioso de distância e mágoa, e com o perdão mútuo vamos traçando uma nova linha de ligação.

Confirmei minha alma cigana e, em dez anos, mudei seis vezes de casa, cada vez reconstruindo um mesmo lar num novo teto - sempre mais bonito, mais aconchegante, mais acolhedor.

Fiz 40 anos - e isso não causou nenhum estardalhaço em mim -, engordei, emagreci, engordei de novo (e ainda não emagreci!), adoeci, me curei. Passei por crises existenciais, emocionais, pessoais: sobrevivi a todas - refazendo-me, renascendo, recomeçando. Chorei - mais do que gostaria, não posso negar -, mas também sorri e ri muito.

Acima de tudo, vivi intensamente, pois foram anos de transição, superação, confirmação, de descobertas e conquistas, de realizações. Talvez tenham sido meus anos dourados e eles me calçam para os anos futuros com esperança, cada vez mais liberdade de expressão, menos peso e, espero, tanta ou mais alegria. Que venham, então, os próximos muitos dez anos - para todos nós!

Imagens: Travesseiro, Autor Desconhecido; Dressmaker's Notebook, A. Inden; Tempo, Flavia e Helena

Expressões Letradas

Comentários

albir disse…
E, mesmo que não sejam dourados os próximos muitos anos, brilharão se vistos através dos seus resumos, Debora.
Paula Pimenta disse…
Debora, adorei a sua retrospectiva, o melhor da gente voltar 10 anos e vir lembrando é perceber o quanto a gente aprendeu e cresceu, né? Um beijo grande!
Debora, com a primeira frase você me deixou com o coração na mão, preso entre os dedos. Depois suas palavras foram aliviando a tensão e liberando meu coração que, leve, voou da palma da minha mão.
Debora Bottcher disse…
Eduardo, querido,
Faz-me rir... :) Vc já não está acostumado aos meus escritos? Dentro de mim mora uma mulher que está sempre dando sustos - em si mesma e nos próximos de si. Depois, se aquieta, se cala, adormece e deixa a vida e os textos seguirem leves. :)

Albir, sempre obrigada pelo carinho. Vc tem uma sensibilidade incrível!

E Paula: quando a gente senta pra fazer resumos, vê que a vida acabou sendo mais generosa do que se imaginava, não? Na proposta do Eduardo, há uma enorme beleza. :)

Beijo pra todos.
Marisa Nascimento disse…
Debora, como é bom ter do que lembrar! Olhar para o passado e enxergar uma vida vivida e não apenas sobrevivida.
Bom demais te ler por muitos anos!
Carla Dias disse…
Débora,

Também faz dez anos que nos conhecemos nesse planeta internet, não?

Lembro-me de muito do que você conta na sua crônica e orgulha-me demais vê-la onde está... Como está.

Você é uma vencedora e eu comemoro com você!E torço pelas suas conquistas.
Debora Bottcher disse…
Carla, querida,
Vc foi uma das primeiras pessoas 'virtuais' com quem conversei ao telefone, se fazendo real. Desde então, tantas vezes quisemos nos encontrar e é incrível que ainda não tenhamos nos encontrado, pois há dez anos moro em São Paulo!!! Acho que quando acontecer, será daqueles encontros mágicos e felizes. :)
Obrigada pelo carinho, bonita. Vc também teve uma trajetória de sucesso, que todos nós acompanhamos - e sempre que vejo o 'Altas Horas' lembro ainda mais de vc! :)
Um beijo enorme.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …