Pular para o conteúdo principal

CARTA AO PASSADO - - Paula Pimenta

Querida Paula de 1998,

Sei exatamente onde você está nesse momento. Acabou de entrar de férias na PUC. Está prestes a começar o último período e crente que irá realmente trabalhar com Publicidade pelo resto da sua vida. Está compondo suas primeiras músicas e escrevendo seus primeiros textos, sem nem imaginar que isso se tornará o sentido da sua vida. Namora há três anos e meio, está apaixonada por outro e sem coragem de jogar o namoro para o alto.

Então, deixa eu te falar umas coisinhas que eu morreria para saber se pudesse estar na sua pele neste momento. Em primeiro lugar, saiba que o tempo passa muito depressa. Você está aí, achando que 10 anos demoram uma vida pra passar, mas saiba que é num piscar de olhos. Ontem eu estava aí. Hoje eu estou aqui, 10 anos mais velha, e achando que ainda sou 10 anos mais nova do que você é. Não se preocupe, eu continuo igual fisicamente, sei porque além das pessoas falarem, eu ainda tenho essa mania de tirar retratos que você tem. Me acho até mais bonita agora. E mais inteligente. Mas acho que você pode economizar um tanto de lágrimas e dor de cabeça se me escutar.

Em primeiro lugar, essa faculdade de Música que você sempre quis fazer. É pra ontem, minha filha. Claro, termine a de Comunicação Social, mas não perca muito tempo com isso. Em dois anos você vai descobrir que não quer estar por trás das câmeras e sim na frente. Então, esqueça os convites de emprego que vai receber (todos vão te pagar uma mixaria) e invista de uma vez nas artes. Você vai ganhar mais e ter mais prazer. Vai por mim.

Em segundo lugar, o que você ainda está fazendo com esse menino que você nem gosta mais do que como amigo? Eu sei que a sua melhor amiga está voltando pra cidade natal dela, que sua prima do coração está fazendo intercâmbio no exterior e que você acha que vai ficar sem companhia, mas não se prenda a isso. A sua prima volta logo. Sua melhor amiga vai continuar sendo sua melhor amiga mesmo depois de 10 anos. E você tem outros vários amigos, olhe em volta. Então, dê uma desculpa qualquer pra esse sujeito e siga com sua vida. Ele ainda vai ficar mais 6 meses no seu pé depois que você criar coragem, tenho preguiça só de lembrar, então faça um favor a ele e a você: adiante as coisas.

Em terceiro lugar, esse outro aí. Esse cara que você não tira da cabeça. Ele vale a pena apenas por um motivo. Graças à essa inspiração toda que ele te traz, você vai fazer a música que as pessoas que gostam de te ouvir, mais gostam de escutar até hoje. Sim, daqui a 10 anos terão pessoas que gostam das suas músicas. Então comece depressa a compor e pare de achar que não consegue. Ah, e sobre o tal cara, avise a ele que é pra usar preservativo. Não se desespere, vocês nunca chegarão tão longe, mas a namorada dele (a atual, que vai virar ex) vai engravidar pra tê-lo de volta. Não fique triste, você já vai estar em outra.

Em quarto lugar, sabe esses seus textos que você escreve e guarda na gaveta porque seus professores de Jornalismo te contaram que são crônicas e não matérias? Visite o site www.patio.com.br/cronica. É a sua cara. Ele acaba de ser lançado e daqui a 10 anos você já vai ser cronista dele há 7. Pena que você só vai descobri-lo em 2001. Então, adiante a vida e já mande suas crônicas para lá, porque isso vai te dar um prazer e um retorno que você nem imagina. Depois de começar a escrever pro tal site, você não vai parar mais de escrever. Não só crônicas. Serão poemas, romances, roteiros... aguarde pra ver. Ou não aguarde, já providencie!

Então é isso, amiguinha. Espero que esses conselhos tenham sido úteis a você de alguma forma. Gostaria muito que a Paula de 2018 me enviasse uma carta dessas, para que eu pudesse tomar um atalho qualquer. Mas quero que você saiba que de alguma forma, você vai se sair bem. Sou muito feliz do jeito que estou hoje e tenho que te agradecer por ter me permitido chegar até aqui. Viva intensamente esses 10 anos que nos separam. Não me preocupo, eu sei que você vai viver.

Comentários

Maria Eugenia disse…
Muito boa a sua comemoração dos 10 anos do Crônica do Dia. Estilo "de volta ao passado" dando uma idéia aos leitores de como seria interessante nós nos escrevermos cartas ao futuro e ao passado.Parabéns a você e ao Eduardo pela feliz idéia.
Paula, não sei se é a emoção desta data tão especial, mas...

Sua crônica está perfeita. Muito bem sacada e executada essa carta ao passado.
Anônimo disse…
Paulinha,adorei....quem dera a Maria Regina de 1998 pudesse conversar com a de 2008,só nos resta torcer pela de 2018,que ela consiga encontrar os atalhos já na madura idade,que não é o seu caso.
Vc é linda,Paulinha,orgulho nosso e da Gegena.
Beijos
Maria Regina Jacob
Anônimo disse…
Paula Querida, gosto de Você sempre e de suas crônicas. Mesmo mais adulta é e será sempre Minha Pricesa Inteligente, Interessante, Infantil em muitos pontos, Adulta em outros tantos, a crõnica de hoje mostra isto e não espere seja sempre como quer a qualquer época. Beijo da sua Fada Madrinha.
Anônimo disse…
Acho que a magia da palavra está justamente em poder tocar o outro. E a gente muitas vezes nem sabe que consegue ir tão longe.
Foi maravilhoso "ler você". E não é a emoção do dia, como diz o Educardo, é porque sua crônica na verdade é um pouco de cada um de nós, por isso marca, tatua, impregna e emociona.
Imagine uma corrente...todos fazendo a mesma coisa, escrevendo cartas para seus "eus"...quanta coisa descobriríamos...quantos de nós não gostariam de estar exatamente dez anos atrás; quantos de nós ainda estão lá, sem saber como andar pra frente e seguir o rabo-cometa do tempo; quantos de nós dariam tudo pra voltar e fazer diferente...
Obrigada por esse momento tão bonito Paula. E feliz futuros dez anos pra nós.
Cris...a amiga do É do ar do Pátio
Marisa Nascimento disse…
Paula, que maravilha este presente que você deu ao Crônica e a você. A vida se faz o tempo todo, em cada detalhe e justamente nós somos os protagonistas...
Elisa disse…
Amei!!!
Muito gostosa essa crônica... ainda mais entendendo todas as linhas a fundo e voltando na história juntinho a você!
Mais uma vez arrasando Lets!!! Adoro!!!
Beijo grande da "sua prima do coração"!
Elisa disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Carla Dias disse…
Paula, adorei essa sua prosa! E esse olhar de irmã mais velha que lançou a a si mesma só que a que já foi... Mas ainda é!
Foi ótimo embarcar nessa viagem com você.
LoirinhaLu - Luzia disse…
Adorei... nossa, demais!!! É sempre bom ler alguma coisa sua, mas essa foi muito boa Paula. PARABÉNS, por escrever, e por escrever bem. Bjssss Luzia
Debora Bottcher disse…
Ai, que amor de texto! :) A gente podia mesmo ter uma cópia da gente no futuro escrevendo uma carta pra agora, antecipando detalhes e ensinando a construir a vida com menos sofrimento. Eu ia adorar! :)
Beijo, bonita. Lindo mesmo esse texto.
albir disse…
Paula, por favor, escreva-se com mais freqüência. E publique as cartas, claro.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …