Pular para o conteúdo principal

VIAGEM >> Eduardo Loureiro Jr.

Miranda do Norte - MA (wikimapia.org)
No meio do caminho, tinha uma cidade. O carro deu o prego em Miranda do Norte. As horas de viagem se transformaram em horas de paragem. Do lado da oficina, tinha uma lanchonete que tinha uma dona que tinha uma filha que tinha um avô.

Eu tirei o violão do saco e fiquei dedilhando o dia, auxiliando o Sol a transformar pacientemente a manhã em tarde. A menina, que se chamava Vitória, e que já sabia falar — embora não comigo — amava violentamente as cordas do violão: batia, puxava... Seus cabelos me encaracolavam. E ela só parou de bater e puxar quando eu assobiei uma canção que eu não sabia que sabia, uma canção nova, novinha, que mais tarde seria a canção de Vitória e de seu avô.

Com o carro quase pronto, eu sentei para um último descanso: gentileza de não apressar um tempo já tão largo. Seu Moura, o avô de Vitória, estava lá sentado, com um olho fechado, seco, sem bola, feito um dia que perdeu um sol para ganhar a lua do outro olho — clara-escura —, que vê menos o presente que o passado.

— O senhor é daqui?

E Seu Moura desfiou sua história, suas duas mulheres, seus dezessete filhos, seu trabalho de agrimensor, os loucos da família, a loucura de sua filha, a mãe de Vitória... Tudo ele contava com uma voz muito baixa que pedia toda atenção.

Quando o carro ficou pronto e eu lhe estendi a mão, ele a segurou. E quando eu fiz gesto de soltar, Seu Moura agarrou meu braço com a outra mão. Eu e ele — um encontro improvável — enlaçados naquele terraço. Até que fui...

No fim do caminho, tinha um aniversário, ao qual cheguei atrasado. E lá, voando sentado, viajando quieto, conversando calado, eu descobri — a faca afaga: o dia todo tinha sido o aniversário.

neste natal
presenteie Atenção

"Noite enluarada.
O sereno cai em gotas.
Sementes de luz."

De madrugada, a lua nova nasceu, quase invisível, e me abraçou. E eu viajei por esse abraço. E eu: — Viajei por esse abraço.

Antes de regressar, um violão a ser afinado. E aquela canção, que era de Vitória e depois também de Seu Moura, agora era minha todinha deles:

Olha,
Vitória e seus dedos de aço
fazendo um violão em pedaços,
seus cachos cheios de luz.

Olha,
Seu Moura juntando os pedaços
de um tempo perdido no espaço,
mirando, do norte, uma luz.

Eu só quero ter coragem pra cruzar
o rio que é a chuva que cai devagar,
nadar pro alto, gota a gota, até chegar,
unindo o lado daqui ao lado de lá.

E quando sentei na poltrona número 2 do ônibus de voltar — porque o carro resolveu ficar por lá—, eu chorei feito um menino que deixa a mãe pra aventurar.


Comentários

criscalina disse…
Agrimensor. Eu não sei o que eu sinto quando eu falo essa palavra. "Agri" não tem nada a ver com terra, mas tem.
Meu avô era Agrimensor. Mediu muitas terras no Piaui.
otanetto disse…
eduardo parabéns pelo lirismo, pelo exercício primoroso da delicadeza, transformando um momento em poesia ou melhor a poesia do dia em poesia escrita...teremos um belo sarau qualquer dia desses. axé!
ines disse…
Não sei se é seu relato de viagem que é lindo ou se o seu modo de encarar as supresas de um dia "perfeitamente atrapalhado" que tornam seu texto fascinante... Você é um bom "desembrulhador de presentes", mesmo quando reclinado na poltrona 2 do ônibus chora como menino que deixou a mãe prá se aventurar, ou quando na poltrona 7 do avião respira profundo e se aquieta para descansar os olhos.
Beijo,
Cris Ebecken disse…
Ah... o presente das descobertas no abrir-se à estrada... o fluir das águas para ser feliz no se aventurar...
Anônimo disse…
Dear Edu,
every time I see you falling ,I get down on my knees and pray ..waiting for the final moments.....
Can you figure it out?I mean how I feel or better felt when I read that?
Love
Carla Dias disse…
Seu moço cantador da poesia da crônica que era pra ser prosa, mas ficou foi toda prosa e, olha só, lá vem a poesia novamente!

Texto lindo e canção perfeita. Adorei a viagem.
Dilma disse…
Compreendo com o seu texto que de tudo se pode fazer uma festa. Se lhe derem um limão vc faz uma limonada. Nas entrelinhas acho que ficou dito o motivo de suas lágrimas.Não sei se estou fantasiando demais. Será que a aniversariante era seu bem querer? Ter que retornar lhe causou lágrimas de saudades????
Dilma
padma wangmo- disse…
não há o que dizer...mesmo assim vou blá blá blá nesse cantinho:

toda coragem prá cruzar o rio.

ternura prá ti, essa ternura que tu espalha pelo ar.
florzinha disse…
Posso simplesmente dizer que "Adorei"?!!!
lander_paz disse…
Curti a canção. Bom texto!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …