Pular para o conteúdo principal

FRUSTRAÇÕES [Mariana Monici]


Tive a idéia, junto com uma amiga, de escrever um inventário sobre frustração. Ela está em crise com uma frustração profissional, das grandes! Encomendou-me um ensaio a respeito e aqui está a tentativa. Ela, por sua vez, escreverá um trecho da sua frustração que muda de formato a cada dia.

Amiga, não é fácil. Eu mesma arrumei metafóras para as minhas frustrações de forma que ficasse mais fácil pensar a respeito. E são tantas na vida.... Nem sei onde começam. Na sala de parto talvez?! Quando viemos ao mundo, cumprindo zilhões de expectativas alheias e já aprendendo a tê-las.

Blogs começam em frustrações. O problema pode morar aí: expectativas. Junto com elas ilusões, fantasias, inocência, uma vontade tamanho família de crer - no outro, em coisas, em lugares e na vida. Tipo pizza 12 pedaços... gigante! O que acontece é que às vezes vêm 12 pedaços cortados tão injustamente pequenos que, apesar de serem 12, não são suficiente para todas as pessoas. Aí algumas se frustram. Sem contar que, quando fazemos o pedido, imaginamos um palmito delicioso, com um molho fantastico, coberta com uma mussarela fininha, etc. E pode ser que venha, que seja suficiente para todos, mas seja um palmito meio duro, um molho pomarola e uma mussarela
engorduradíssima. Sem gosto, sem graça, cara e que, portanto, não preenche nossas expectativas e desejos mais genuínos.

Sim, o problema da frustração me parece mesmo começar com expectativas. Em relacionamentos afetivos é comum ouvirmos logo no início "não crie expectativas e tudo vai bem". Como? Porque eu faria algo, qualquer coisa, sem esperar nada dela? Qual a razão do esforço, do investimento, do tempo, beijos ou estudo dedicados?

O problema sabemos. E a solução? Sou ninguém para sugerir e menos ainda definir algo a respeito. Mas, fico aqui imaginando que uma idéia razoavelmente boa seria ter um equilíbrio. Esperar na medida certa. Não é fácil, eu sei. Costumamos esperar na medida em que oferecemos.

Se oferecemos muito, esperamos demais. Troca que parece mais que justa. Quando oferecemos pouco e ganhamos pouco, ficamos felizes, nos sentimos satisfeitos e justiçados. Aí, tenho que observar que é importante saber dar pouco. Eu particularmente não sei... Ou então oferecer um pouco, receber, depois oferecer mais um pouco, ir observando e avaliando, revendo as doses de tudo na situação.

Frustração dói. Quase não consigo separar a palavra frustração de traição. Seu amor te traiu, você se frustra porque esperava mais dele e da relação. O chefe te traiu, você se frustra porque afinal se doou tanto, que erroneamente deixou outras coisas da sua vida de lado. A vida te trai e você fica tentando pensar porque mereceu o câncer da sua mãe, a morte do pai, ou a falência da família.

Acho que está mais do que claro que a coisa toda não é uma questão de merecimento. Até porque não somos juízes para julgar quem merece e quem não. E também não temos juízes com muito juízo, não é, amiga?

Além do mais, percebo outra expectativa aí: juízes deveriam ser pessoas justas, mas antes de juízes são pessoas. Pessoas - todas - têm expectativas, desejos, erros e vontade enorme de acertar, falhas, uma coleção de pedidos de desculpa a serem feitos e, na maior parte das vezes, não sabem o que fazer.

A parcialidade incomoda, por isso é fácil receber conselhos de quem está de fora. Só que queremos receber coisas de quem está dentro da situação, porque esperamos. Por que criamos um cenário e nossa mente projeta o futuro de tal forma que muitas vezes esquecemos de viver intensamente - e apenas - o dia de hoje. Quando ganharmos três mil, quando emagrecermos 2 quilos, quando terminarmos de pagar o carro, quando o nenê puder ir à escola, quando o marido voltar a trabalhar, quando ele finalmente
reconhecer tudo que faço, quando eu entrar na academia, quando eu for contratada. Está sempre . Por isso sofremos, porque o nunca chega. E também porque fazemos para ter resultado e não o contrário: temos resultados porque fazemos.

Não se pode deixar de lado outro detalhe. É certo que algumas pessoas proporcionam que tenhamos expectativas e esperanças a respeito de algo que já sabem que provavelmente não poderão cumprir. Ok, isto é fato. O Presidente da República talvez aja assim, os namorados talvez ajam assim, os chefes agem assim. Está em cada um de nós querer realizar o outro em suas expectativas e está no outro a vontade de confiar. Porém, para que alguém nos faça acreditar em coisas que não vão acontecer, precisamos permitir. Deixamo-nos seduzir ao invés de pensar!

Bem, a boa e velha balança sendo requisitada de novo. Ponderação, razão x emoção e a capacidade, unida ao talento de poucos, em enxergar as coisas como elas são. Percebi agora que não é à toa que nunca enxerguei bem e nem as duas cirurgias corretivas me abriram os olhos.

Cést la vie. Acabei me lembrando dos Stones: I can´t get no
satisfaction... And I try, and I try, and I try...


Outras Cenas

Imagem: Portrait of Katharina Cornell, 1951, Salvador Dali; Walking Around, Lilia Avelar

Comentários

Debora Bottcher disse…
Mari, querida,
A gente conversa tanto sobre frustração, né? E eu tô meio que sempre do lado de fora, que as minhas frustrações hoje são menores, já que não espero muito do outro, mais de mim. Acho que a idade faz isso... :)
Beijo grande.
Cris Ebecken disse…
O fazer em si, talvez seja o alvo do meu acreditar... as peneiras da frustação separam o ouro, mesmo se pequenino...

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …