Pular para o conteúdo principal

MULHERES À FRENTE DO SEU TEMPO [Débora Böttcher]


"O que marca um líder é sua capacidade de absorver fracassos." (Benazir Bhutto)

*21/06/1953 | +27/12/2007


A Revista Claudia de Janeiro, com entrega prevista para o próximo dia 04, amanheceu debaixo da porta nessa sexta-feira. Numa rápida folheada, foi possível saber o motivo da antecipação: uma das principais matérias traz o retrato de Benazir Bhutto, assassinada durante um atentado no dia anterior.

No artigo, a história da ex-premiê, elaborada pela repórter Marília Scalzo, não tem final: uma nota ao pé da página diz que quando o texto foi escrito, o Paquistão permanecia em estado de exceção, com as eleições de 08 de Janeiro garantidas e a candidatura de Bhutto assegurada.

Não sou especialista em política - muito menos internacional -, mas acompanho, ainda que de longe, a trajetória de algumas mulheres - líderes por natureza, centradas em lutas acirradas, com ideais visionários e coragem destemida.

Benazir Bhutto é uma dessas mulheres, cuja vida foi marcada por extremos - como é próprio a seres com causas irreverentes. Saiu da infância privilegiada e romântica em fazendas no Paquistão para ser educada em Harvard e Oxford, construindo seu destino político quando prometeu ao pai, deposto por golpe militar e condenado à forca, continuar sua luta pela democracia - uma promessa dura de cumprir, considerando as linhas radicais do Oriente.

Viveu em prisão domiciliar, mas foi numa cela no deserto, onde permaneceu por três anos, doente e privada de tudo, que começou a acreditar que 'Deus só nos dá a carga que podemos aguentar.' Com permissão para tratar-se de uma infecção fora de seu país, exilou-se em Londres por dois anos. De volta em 1986, foi aclamada pelo povo e em 88, aos trinta e cinco anos, tornou-se a primeira mulher a comandar um país muçulmano. No auge de sua popularidade e única herdeira do legado de seu pai, foi acusada de corrupção - 12 bilhões de dólares perderam-se em negócios obscuros -, e tirada do governo.

Linda, glamourosa, jovem, inquieta, ela polarizava opiniões: era amada e odiada com a mesma intensidade.

Consolidando suas convicções, em 93 venceu novamente as eleições e essa era de ouro poderia ter sido um coroamento que duraria para sempre. Mas em 96, sob as mesmas acusações de anos atrás, foi destituída outra vez, exilando-se em propriedades gigantescas na Europa.

O Paquistão é o segundo país no topo da lista de mais corruptos do mundo e Benazir é considerada a líder que mais auto-enriqueceu através do poder. Ela sempre negou essa acusação. Pesa sobre ela ainda os piores registros de execuções extrajudiciais, torturas e mortes de prisioneiros sob custódia, além do fato de ter ajudado a fortalecer, armar e financiar grupos no Talibã. Diferentemente do que Benazir afirmava, um coro de feministas a acusa de nada ter feito pelas mulheres de seu país, que lutam pela revogação de leis, baseadas na religião, para julgar casos de adultério e estupro.

Benazir retornou à sua terra natal em 18 de Outubro depois de oito anos de exílio voluntário, com a chance de resgatar sua credibilidade e recuperar o prestígio de outros tempos. De mãos voltadas para o céu, seu inseparável lenço branco cobrindo os cabelos, olhos marejados e vasta esperança na bagagem, ela desceu do avião em Karachi, ao sul do Paquistão, com discurso de conciliação em defesa da democracia, outra vez
candidata à presidência civil.

Carismática, foi saudada por 250 mil pessoas. Escapou ilesa a um primeiro atentado nesse mesmo dia e sabia que sua vida corria risco. Mesmo assim, sem perder seu foco de idealização, continuou sua peregrinação, valente e engajada.

Na última quinta-feira, sua alegria ao ouvir o povo aclamá-la, a fez romper as normas de segurança, expondo-se como alvo de peito aberto: a sorte vacilou, seu corpo tombou inerte, sua voz está calada para sempre.

Símbolo de modernidade, a história de Benazir Bhutto foi pontuada por contradições: sua determinação e ousadia a levavam do auge à ruína, e cada revés fortalecia mais seu espírito imbatível.

Na análise superficial de seu percurso, não consigo definir se ela era princesa ou bandida, mas não há dúvida de que sua morte a transformou de ícone em mártir.

Imagens: AFP e Reuters

Expressões Letradas

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …