Pular para o conteúdo principal

O PRIMEIRO NATAL >> Eduardo Loureiro Jr.

Nativity of Jesus Christ by Hans Rottenhammer
"Ele virá...
Quem nasceu para sempre pra sempre virá;
é uma eterna semente solta pelo ar,
fecundando de felicidade por onde for."
(Paulinho da Viola)

Astrônomos pesquisam novas estrelas no céu. Astrólogos calculam sinais. Famílias sem teto buscam um lugar para passar a noite. Crianças nascem. Pessoas cantam. Anjos passeiam, despercebidos de muitos, aparentes para alguns.

Eu olho o mundo, farejando o instante do tempo sem tempo. Procuro no céu de hoje a estrela que há muito brilhou. Pergunto em que improvável lugar a família abençoada passará a noite. Faço silêncio para ouvir o canto. E espremo os olhos para entrever a imatéria dos anjos.

Se minha fé for do tamanho de um grão de mostarda — penso —, a montanha do tempo desaparecerá. Eu estarei em Belém. Sentirei o cheiro forte de José e mirarei Maria com olhos de paixão e joelhos de reverência para com sua barriga: bela e redonda. Tímido — e assustado com a inexistência do tempo —, procurarei uma pedra em que me sentar: "Não se preocupem comigo, só quero assistir."

Quando a hora chegar, chegou. Meu cochilo cansado interrompido por um grito de Maria. E José:

— Segure aqui!

— Eu?!

— Você não pode ficar só assistindo.

— Mas, senhor, eu nunca...

— Sempre, meu rapaz. Sempre.

Eu seguro o sorriso de Maria entre as contrações. Ela sorri feito minha mãe, minhas tias, minhas irmãs, minhas mulheres, minha mulher. Ela sorri feito Maria, porque quem sorri — percebo agora — é Nossa Senhora, uma luz branca cheia de toda e cada cor. Sim, mãe só tem uma: toda mãe é uma só.

— Somos o mesmo filho.

— Você não se importa de não ser o pai?

— Eu também sou o filho.

— Parece um sonho.

— Um sonho que desfaz os sonhos.

— São anjos?

— Os primeiros raios da luz.

— Ele está vindo?

— Feche os olhos.

— Ele está aqui.

— Você também.

— Ele sabe que está aqui. Mas é só uma criança...

— Só se você abrir os olhos...

— Maria está bem?

— Ela é o bem.

— Por que estou aqui? Por que eu?

— Você não está sozinho.

— Quem são eles?

— Eles são sãos.

— Os leitores?!

— Sãos.

— Posso abrir os olhos?

— Você sempre pode. Mas tente não se iludir.

— Eu não imaginei que seria assim.

— Segure aqui.

— Eu não sou digno.

— Segure-o.

— Eu...

— Não se deixe iludir.

— Eu sou.

— Ele está sorrindo pra você.

— Ninguém vai acreditar.

— Todos estão acreditando.

— ...

— Está na hora de ele mamar.

— Por que Maria não fala?

— Feche seus ouvidos para escutar.

— Ela está cantando...

— Uma canção de acordar.

— Sim, estou ouvindo.

— Todos estão.

— Grato por meu primeiro Natal.

— Nosso.

Comentários

Mariana disse…
Que emocionante Eduardo...belo texto. otimo Natal pra vc!
Um abraço
Mariana
Inês disse…
Oi, Edu!

Na espiritualidade cristã chamaríamos a essa sua crônica, contemplação.

Linda viagem para além do tempo.

Que seu Natal seja pleno e por ser plen, seja feliz.

Beijo,
Carla Dias disse…
Eduardo,

Belíssima crônica... Pensamento admirável.Que lembrança boa sobre o que realmente importa.
Cris Ebecken disse…
O primeiro... o trazer à vida dos sentidos o conceber do ir de encontro; fé nas possibilidades do todo...

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …