Pular para o conteúdo principal

DEZEMBROS [Mariana Monici]


Nunca mais a natureza da manhã / E a beleza no artifício da cidade / Os meus olhos têm a fome do horizonte / Sua face é um espelho sem promessa
Por dezembros atravesso / Oceanos e desertos / Vendo a morte assim tão perto /
Minha vida em suas mãos.
(Zeca Baleiro)

O que mais se lê este mês são crônicas e reflexões sobre este mês... todas fazendo um balanço do ano que finda e das expectativas para o próximo ano. Uns juram que não têm expectativas, que vivem um dia após o outro. Outros prometem mundos e fundos para que venha aquilo que querem e acham mais que justo. Alguns se planejam para pular sete ondas dia 31, com sei lá quantos pedidos, comer não sei quantas romãs, dar um beijo exatamente à meia noite, e todos os santos só ficam olhando, rindo ou indignados, talvez reflexivos sobre atender os pedidos todos.

Acho que é só um jeito de simbolizar. Acredito que o Ano Novo começa todo dia. Sei lá, todo mundo (que é muita gente), acha que a mudança do calendário, o engavetamento da agenda, a roupa nova e branca, o Natal, o Papai Noel... isto tudo vai mudar a vida. Acho que poucos se dão conta de que a roupa nova deve ser vestida por dentro e não por fora.

Eu, particularmente, colocaria 2007 suspenso num universo paralelo, que eu alcançasse só quando quisesse muito, e que ele não ficasse me jogando na cara o tempo todo o quanto ele está pra lá de Marrakesh, sabe? Já ficou velho quando começou, lá por janeiro. Vejo perto a morte do ano - o do calendário, pois meu ano interno não vai morrer tão facilmente, já que mudou minha vida de novo, tirou tudo do lugar, me obrigando a aprender um monte de coisas, sem pedir licença menos ainda desculpa, este 2007. Há quem diga que bom mesmo são anos pares, com seus Dezembros igualmente pares – Par é sempre melhor, acho eu. Aprender o que quer que seja também é bom, e os sonhos se mantiveram intactos. Então, já que é inevitável pego este Dezembro, e faço dele também o balanço. Fico feliz porque nele, e hoje é só dia 8, têm acontecido muitas coisas boas.

Dezembro não é fácil... Uma melancolia permanente, parece que as pessoas se escondem de costas, olhando vitrines e dando as costas pra este Dezembro que teima em ter 31 dias (por que não troca com fevereiro?!). Melancólico e bonito. Ele é mais que o 13º, que roupas e pares de sapatos pra combinarem, que laços de fita, brinquedos e a enorme roupa de cetim vermelho amarrada com um cintão preto, acompanhada de uma risada engraçada e acolhedora, que aos meus olhos parece um tanto cindida. Nada contra o bom velhinho, adoro! Não é pessoal, mas vamos combinar que Dezembro não está lá pra muito Ho Ho Ho, não é mesmo? Quem sabe na Páscoa?! Vida e morte.

Tanta confusão neste país nada sustentável, nestas cidades todas, que a vida do velhinho está mais do que atribulada para atender todos os pedidos. Aposto que anda mandando currículos e fazendo entrevistas em consultorias de recolocação, pleiteando vagas já preenchidas. Na última, foi desclassificado por não ter grandes orelhas e pelo branquinho. Reflete sobre novos cursos para mudar de área, mas qual pode ser mais promissora?

Dezembro está aí, e em poucos dias estará lá, no passado. Que os balanços sejam positivos e que o peru seja light, para que Janeiro não seja à sombra.

Outras Cenas

Imagem: Tim Pannell

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …