Pular para o conteúdo principal

DAQUI A POUCO É DEPOIS? >> Carla Dias >>


Fosse o hoje um ontem travestido de agora... Desculpem-me, mas o tempo me fascina, assim como fascina a um amigo querido. Conversamos muito a respeito do tempo, não só sobre a forma como ele passa para cada um de nós, mas também sobre como não permitimos que ele passe, por medo do que virá ou até mesmo por comodidade.

Sei que, talvez, melhor fosse contar como passei meu Natal, celebrar prós e prometer melhoras aos contras. Mas só consigo pensar no que deixamos passar ao fecharmos os olhos para o que realmente importa. Porque somos seres humanos e uma das nossas falhas mais freqüentes é deixarmos passar.

Em algum momento da minha infância, essas celebrações foram importantes de uma forma peculiar. Não se tratava dos presentes, nunca acreditei em Papai Noel, mas encantavam-me os olhares das pessoas, sabe? Eram mais acolhedores, mais esperançosos. Apontavam para um futuro em que o amor seria como as roupas que minha mãe deixava quarar no sol de terça-feira qualquer: limpo, claro, perfumado. Honesto.

Com o tempo, vem a indiferença humana sobre a magia das coisas. Cuidássemos dessa possibilidade como cuidamos da ceia de natal, das bonecas e carrinhos, dos mimos, quem sabe a magia daria naquele lugar que os olhares que eu colhia alcançavam. Pois posso até ter minhas ressalvas sobre como muitos de nós, inclusive eu mesma, lidam com as verdadeiras importâncias. Mas não questiono nossa capacidade de voltar ao início das coisas e seguir adiante com o coração repleto dessas boas intenções - e o desejo verdadeiro de colocá-las em prática - que a maioria só se permite pensar contemplar e vivenciar em datas determinadas em um calendário.

Amor, respeito, presença, amizade, fé, busca, companheirismo... Há muito o que se viver antes, durante e depois das datas comemorativas. Que essas datas sirvam de ponto de encontro, mas espero que não se tornem momentos únicos, durante um ano inteiro.

Daqui a pouco é depois?

Daqui a pouco é depois, sim. Minha sobrinha me fez esta pergunta, ontem, e fiquei matutando sobre a mesma, desde então. E nem tive a coragem de questionar a origem deste questionamento. Só posso dizer que, apesar de daqui a pouco ser depois, espero que aprendamos a manter neste depois todas as boas coisas deste antes. Que não morram de sede nossos sonhos. De fome nossas benfeitorias. De solidão nossos afetos.

Escrevi esta crônica ouvindo Drops of Jupiter, do Train, no repeteco. Esta música, para mim, tem gosto dos últimos segundos antes de cair no sono numa madrugada de Natal, depois dos presentes e da farra. Daqui a pouco é depois e, para aquele daqui a pouco da minha infância, cheguei ao depois que é hoje, e me lembra aqueles olhares... Através desta canção.

Um brinde à magia da memória!
E ao tempo: bem-vindo.

Comentários

Ah, o que seria dos tios sem as perguntas das sobrinhas?

Sobrinhas... pequenas sobras de tudo que é bom. Idéias, pensamentos que sobraram, que escaparam do pacote fácil, quadrado. Palavras que sobrinharam.
Felipe disse…
Eu, que vivo deixando passar (principalmente oportunidades de fazer elogios) não podia deixar passar mais essa. Que maravilha de crônica, Carla! ;)
Mariana disse…
E depois, o que será, não?! Façamos. Totalmente de acordo sobre as datas... um beijo

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …