Pular para o conteúdo principal

MEIO-TERMO [Mariana Monici]


Meio-termo. Termo, relativo a térmico, relativo à temperatura pra mim. Meio, metade, metade do caminho, nem lá nem cá, um pouco lá, um pouco cá. Então, meio-termo temperatura média.

Um quer ir no cinema, outro quer dançar. Hoje vamos no cinema e amanhã dançar? Fazemos os dois e os dois ficam felizes? Um quer comer massa, outro Mc. Comemos no shopping e todos ficam satisfeitos? Um quer continuar, outro quer desistir? Reavaliamos juntos e tentamos um meio-termo? Um só gosta de ir à praia, outro gosta de montanha? Neste fim de semana te acompanho e no próximo pegamos onda?

Meio-termo é como um casaquinho de manga 3/4 que você pega ao sair de casa no começo de abril, ou neste novembro fresco que está fazendo em São Paulo. Meio-termo é manga de camisa dobrada até quase o cotovelo. É ventilador sem ar-condicionado. É um beijo apertado. É nota de dois reais. É mousse de chocolate light. É água esquentada no microondas. É cabelo que você corta em cabeleireiro sem indicação: fica meio-termo entre o que estava e o que você queria. Meio-termo é acelerar o passo sem correr.

Tem coisa que não tem meio-termo: ninguém fica meio grávida por exemplo. Mas até meio casado se vê. No calor das discussões, parece muito difícil que um esquente um pouco mais e o outro esfrie um tanto, para que a temperatura geral se amorne.

E tudo porque parece cada dia mais difícil que a comunicação entre duas pessoas, ou
mais, seja clara, limpa, honesta, sem ruídos e morna. Sempre detestei coisas mornas, já disse isso. Coisa bem sem graça um pedaço de pizza morno, um beijo morno, cama morna. Mas neste caso, a mornidão, mornitude ou morneza é muito bem-vinda.

Fico contente não... Numa boa discussão, é difícil parar e, mesmo se ganho a razão, fica uma reticência que deveria virar um abraço, mas está tudo tão quente que é capaz de queimar o outro... Ou tão frio que se congelam de vez.

Outra coisa que é preciso meio-termo, porque nada nem ninguém quer ficar pra sempre na geladeira - ela serve pra conservar as coisas, mas por tempo limitado. A fogueira por outro lado, extingue tudo.

De novo, tempo limitado pra existência da coisa. O morno, o meio-termo já cria um espaço possível de reflexão e de abraços. Ninguém vai se queimar nem se congelar. Vem logo aqui... Desculpa!

Meio-termo é você ter sua vontade satisfeita e satisfazer um pouco a do outro. Meio-termo é democrático (se é que sabemos o que é isso). Meio-termo acolhe. Reinicia. Pode-se novamente olhar pros caminhos e escolher. Porque você também pode escolher não chegar ao meio-termo, mas, comunicando sua decisão, o outro, aquele que quer o meio-termo, pode também escolher se esfria ou esquenta, se aceita só a praia ou a montanha, ou então se vai discutir com alguém que prefira o meio-termo.

Meio-termo é um lugar muito difícil de se chegar. Há que se ter mapa, bússola e qualquer equipamento que auxilie, porque o meio-termo é perto, mas fica escondidinho, numa quebrada, numa travessa sem placa. Mas quando você chega sente um alívio e daí percebe que está no meio-termo.

Meio-termo serve também para aquela história de equilíbrio entre emoção e razão. Aí há uma certa confusão, pois você não tem com quem discutir o meio-termo, é só você com você mesmo, escolhendo quente, frio ou morno - não se esquecendo, é claro, de que isto influenciará diretamente os meios-termos com os outros, mas tudo bem também porque não tem nada mais quente ou mais frio do que decisão tomada. Quando há escolha firme, você está livre! Pra pensar outros meios-termos.

Concluo que este texto era pra ser um meio-termo entre um desabafo e uma crônica, mas talvez tenha ficado morno demais. Como se vê, o meio-termo é uma faca de dois gumes, sempre...


Outras Cenas

Imagem: Peter Dazeley, Sem Título; Eyes And Map With Compass And Mountain, S.M. Sanford

Comentários

Mariana, pra mim o texto não ficou morno. Ficou no ponto. :)
Heloisa disse…
Mari!
Sabe que me considero muito uma pessoa do meio termo...e não gosto muito disso não!
Mas acho que você me fez ver o quanto é difícil ficar nele! Obrigada por me fazer refletir!
Beijo
Carol Barcellos disse…
Pra muitas coisas, o meio-termo não serve mesmo, mas pra muitas outras, ele serve, sim, e é essencial pra que haja harmonia.
Amei o texto!
Beijos!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …