sábado, 1 de dezembro de 2007

MEIO-TERMO [Mariana Monici]


Meio-termo. Termo, relativo a térmico, relativo à temperatura pra mim. Meio, metade, metade do caminho, nem lá nem cá, um pouco lá, um pouco cá. Então, meio-termo temperatura média.

Um quer ir no cinema, outro quer dançar. Hoje vamos no cinema e amanhã dançar? Fazemos os dois e os dois ficam felizes? Um quer comer massa, outro Mc. Comemos no shopping e todos ficam satisfeitos? Um quer continuar, outro quer desistir? Reavaliamos juntos e tentamos um meio-termo? Um só gosta de ir à praia, outro gosta de montanha? Neste fim de semana te acompanho e no próximo pegamos onda?

Meio-termo é como um casaquinho de manga 3/4 que você pega ao sair de casa no começo de abril, ou neste novembro fresco que está fazendo em São Paulo. Meio-termo é manga de camisa dobrada até quase o cotovelo. É ventilador sem ar-condicionado. É um beijo apertado. É nota de dois reais. É mousse de chocolate light. É água esquentada no microondas. É cabelo que você corta em cabeleireiro sem indicação: fica meio-termo entre o que estava e o que você queria. Meio-termo é acelerar o passo sem correr.

Tem coisa que não tem meio-termo: ninguém fica meio grávida por exemplo. Mas até meio casado se vê. No calor das discussões, parece muito difícil que um esquente um pouco mais e o outro esfrie um tanto, para que a temperatura geral se amorne.

E tudo porque parece cada dia mais difícil que a comunicação entre duas pessoas, ou
mais, seja clara, limpa, honesta, sem ruídos e morna. Sempre detestei coisas mornas, já disse isso. Coisa bem sem graça um pedaço de pizza morno, um beijo morno, cama morna. Mas neste caso, a mornidão, mornitude ou morneza é muito bem-vinda.

Fico contente não... Numa boa discussão, é difícil parar e, mesmo se ganho a razão, fica uma reticência que deveria virar um abraço, mas está tudo tão quente que é capaz de queimar o outro... Ou tão frio que se congelam de vez.

Outra coisa que é preciso meio-termo, porque nada nem ninguém quer ficar pra sempre na geladeira - ela serve pra conservar as coisas, mas por tempo limitado. A fogueira por outro lado, extingue tudo.

De novo, tempo limitado pra existência da coisa. O morno, o meio-termo já cria um espaço possível de reflexão e de abraços. Ninguém vai se queimar nem se congelar. Vem logo aqui... Desculpa!

Meio-termo é você ter sua vontade satisfeita e satisfazer um pouco a do outro. Meio-termo é democrático (se é que sabemos o que é isso). Meio-termo acolhe. Reinicia. Pode-se novamente olhar pros caminhos e escolher. Porque você também pode escolher não chegar ao meio-termo, mas, comunicando sua decisão, o outro, aquele que quer o meio-termo, pode também escolher se esfria ou esquenta, se aceita só a praia ou a montanha, ou então se vai discutir com alguém que prefira o meio-termo.

Meio-termo é um lugar muito difícil de se chegar. Há que se ter mapa, bússola e qualquer equipamento que auxilie, porque o meio-termo é perto, mas fica escondidinho, numa quebrada, numa travessa sem placa. Mas quando você chega sente um alívio e daí percebe que está no meio-termo.

Meio-termo serve também para aquela história de equilíbrio entre emoção e razão. Aí há uma certa confusão, pois você não tem com quem discutir o meio-termo, é só você com você mesmo, escolhendo quente, frio ou morno - não se esquecendo, é claro, de que isto influenciará diretamente os meios-termos com os outros, mas tudo bem também porque não tem nada mais quente ou mais frio do que decisão tomada. Quando há escolha firme, você está livre! Pra pensar outros meios-termos.

Concluo que este texto era pra ser um meio-termo entre um desabafo e uma crônica, mas talvez tenha ficado morno demais. Como se vê, o meio-termo é uma faca de dois gumes, sempre...


Outras Cenas

Imagem: Peter Dazeley, Sem Título; Eyes And Map With Compass And Mountain, S.M. Sanford

Partilhar

3 comentários:

Eduardo Loureiro Jr. disse...

Mariana, pra mim o texto não ficou morno. Ficou no ponto. :)

Heloisa disse...

Mari!
Sabe que me considero muito uma pessoa do meio termo...e não gosto muito disso não!
Mas acho que você me fez ver o quanto é difícil ficar nele! Obrigada por me fazer refletir!
Beijo

Carol Barcellos disse...

Pra muitas coisas, o meio-termo não serve mesmo, mas pra muitas outras, ele serve, sim, e é essencial pra que haja harmonia.
Amei o texto!
Beijos!