Pular para o conteúdo principal

MÃE >> Eduardo Loureiro Jr.


Amanhã será o aniversário de minha mãe. Ontem foi o aniversário de minha mãe. Ontem, a festa. Amanhã, a data. Hoje, a crônica.



Na família de minha mãe, existe a tradição de comemorar os aniversários redondos (50, 60, 70, 80 anos) com uma grande festa em que se reúne de 100 a 200 pessoas, entre familiares e amigos mais próximos do aniversariante. É feita uma ambientação temática de acordo com a vida e os gostos do homenageado. Mensagens de pessoas distantes são recolhidas e lidas. Coletam-se fotos e histórias. Prepara-se uma paródia, a partir de uma das canções preferidas da pessoa, substituindo a letra original por outra que conta a história de sua vida. Foi assim ontem com a minha mãe, que está fazendo 60 anos.



Tem gente que não acredita que minha mãe tem 60 anos. É uma tendência humana, ou pelo menos dessa nossa época, associar juventude com beleza. Se é belo, não pode ser velho. Se é velho, não pode ser belo.



Eu penso que minha mãe chegou bem a tempo, nem adiantada nem atrasada, para os seus 60 anos. No pequeno "discurso" que fez ao final da festa, minha mãe apenas agradeceu. E isso é coisa que o tempo ensina: a agradecer. Minha mãe revelou que, sempre que se sentia triste, elaborava uma lista de tudo, e todos, que tinha na vida. Com tanta coisa a agradecer, a tristeza sumia tímida entre os itens da lista.



Nesses dias, brinquei de pensar que minha mãe só foi autorizada a chegar aos 60 anos porque proferiu, há alguns meses, a frase que considero um verdadeiro certificado de que se viveu a vida do jeito que a vida deve ser vivida. Disse minha mãe: "Deus tem uma pedagogia diferente para cada um de seus filhos". E ela nem precisou de um doutorado em Educação para chegar a essa conclusão. A afirmação de minha mãe veio da própria prática: ela mesma ensinou cada um de seus três filhos de uma maneira peculiar. A mim, ela educou com uma liberdade crítica preocupada. Sempre me deixou livre para fazer o que eu quis, sempre se sentiu livre para dizer aquilo de que não gostava em minhas atitudes e sempre se preocupou quando as coisas não saíam como eu ou como ela esperávamos.



Com o tempo, temos nos afinado: a minha liberdade incorporou os seus conselhos, as suas críticas ganharam mais tolerância e temos lidado melhor com as coisas, principalmente aquelas que não acontecem conforme o esperado.



Eu vim de dentro de minha mãe, Mazé, que veio de dentro de sua mãe, Izolda, que veio de dentro de sua mãe, Encarnadinha, que veio de dentro de sua mãe... Nós, homens, somos os derradeiros a vir de dentro. Nossos filhos não mais virão de dentro de nós. Nós, homens, somos o final daquele presente em que uma caixinha se abre para outra caixinha, que se abre para outra caixinha, que se abre para outra caixinha... e, quando se espera mais uma caixinha, tem-se um homem. Nós, homens, somos em parte frustração e em parte satisfação: interrompemos um longo ciclo de vida receptiva, mas, ao mesmo tempo, oferecemos algo, uma recompensa afinal.



No momento, a única recompensa que eu, enquanto homem, posso oferecer às caixinhas de que saí, e em especial à caixinha mais próxima, minha mãe, é o agradecimento pelo útero, pelo leite e pelas outras formas daquilo que pode ser resumido numa palavra antiga que já tem muito mais do que 60 anos de vida: a palavra AMOR.

Comentários

Cris Ebecken disse…
Ah, a palavra Amor... guardada na caixinha da Vida, guardada na caixinha da Esperança... da família do Tempo e da Coragem... Caixinhas uterinas de Deus... Águas-Dadas...
Carla Dias disse…
Que homenagem linda, Eduardo. Homenagem a sua mãe e a você mesmo, quem soube usufruir da sabedoria dela, alimentando a sua própria.
Este comentário foi removido pelo autor.
Karina disse…
Linda cr�nica meu ism�o. Parab�ns pela m�e que tem e a mainha pelo filho que �s. Beijos. Karina
criscalina disse…
Edu,
Adorei a história das caixinhas. As mulheres são caixinhas, caixinhas, caixinhas, até que vem uma coisa tão boa de acabar o ciclo: um homem. :)

Minha mãe também fez 60 anos este ano. Tenho a impressão de que, aos 60 anos, as mulheres que viveram a vida como a vida deve ser vivida chegam numa felicidade sabida. Vi isso nos olhos da minha mãe no dia do aniversário dela.

Beijo pra você e pra suas caixinhas.
Fábio Barros disse…
É por isso que sou fã desse caba...:)
Parabéns pelo brilhante texto! Parabéns a D. Mazé! Felicidades a todos!

Um abraço!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …