Pular para o conteúdo principal

"E O INFERNO... FORA DAQUI!" >> Eduardo Loureiro Jr.

Pennie Tweedie - corbis.com
Quase ninguém leva a idéia realmente a sério, mas uma vez ou outra na vida a gente se pega falando "estou no meu inferno astral" ou — se o refresco for a pimenta no olho do outro — "ah, você está só no seu inferno astral".

O inferno astral seria o período de aproximadamente 30 dias antes do aniversário de alguém. Mas por que seria inferno algo que antecede uma data de que, tirando os deprimidos, todo mundo gosta? Não deveria ser um período de alegria, de antecipada celebração, de expectativa confiante?

A primeira analogia que me aproximou do significado do inferno astral foi a de um tanque de combustível na reserva. Nós, segundo a analogia, encheríamos nosso tanque uma única vez por ano e, perto do finalzinho do nosso ano particular, já estaríamos com o tanque na reserva e com aquela sensação de ansiedade sobre quanto ainda se pode esperar antes de encher novamente o tanque ou — em casos extremos — de dúvida sobre se vai dar ou não para chegar até o próximo posto de gasolina. A analogia é boa, mas ficam perguntas no ar: por que encher o tanque uma única vez no ano? Por que não antecipar uma reposição se já se está consciente do fim?

Então fui seguindo pela vida sem me preocupar muito com inferno astral e usando a analogia do tanque na reserva sempre que precisava, por motivos profissionais, explicar o suposto inferno.

Até que, desenvolvendo a abordagem da Astrodramaturgia — que associa a estrutura narrativa das histórias à interpretação astrológica —, alcancei uma nova compreensão do que seria o inferno astral. Ele corresponderia à reta final das histórias, àquele momento em que o herói está prestes a retornar para casa. Para que ele possa completar esse retorno, entretanto, é necessário que ele se desfaça de alguma coisa que foi necessária durante sua aventura, mas que não ficará bem em seu retorno ao lar. É a fase do descarte. Em Rapunzel, por exemplo, a moça de longa cabeleira tem seus cabelos cortados antes de ser libertada da torre em que vivia prisioneira.

O descarte não precisa ser de um objeto, pode ser de uma pessoa. Chapeuzinho Vermelho não termina antes que um personagem seja descartado. Em algumas versões, pode ser a própria Chapeuzinho — talvez representando o fim da infância — em outras, quem é descartado é o Lobo Mau, representando possivelmente a ação mal-direcionada, agora recuperada na figura do Caçador.

Também pode ser descartada uma atitude. No final de A Gata Borralheira, versão dos Irmãos Grimm, quando o emissário do rei termina de experimentar o sapatinho de cristal nas duas filhas da madrasta e pergunta se há ainda alguma moça que pode experimentá-lo, é o pai de da Gata Borralheira, ausente em praticamente toda a história, que diz ter ainda uma filha. Na história, o que é descartado é o descaso do pai com a própria filha.

A sensação de inferno, então, estaria associada à permanência de um apego quando a atitude necessária seria a de liberação. Uma vez feito o descarte, a história se liberta de seu nó e tende para um desfecho que, mesmo que não seja feliz em si, é promotor de crescimento, de abertura para um novo ciclo e para uma nova possibilidade de felicidade.

*

Estamos mais uma vez nos aproximando do final do ano. Dentro desses trinta dias de dezembro, temos também nosso inferno astral coletivo. Oportunidade de descartar objetos (reciclagem), pessoas (distanciamentos ou incorporações) e hábitos (abandono de vícios de ação e de pensamento).


As resoluções de final de ano se encaixam nesse princípio e têm mais força se pensarmos que estamos apenas descartando algo em vez de buscando algo. É mais efetivo pensar que se está largando mão da preguiça ou da acomodação do que pensar que temos que ganhar coragem ou disposição. A força, a energia, a abundância... sempre estão conosco. São as coisas que acumulamos que bloqueiam seu fluxo.


E, se me permitem um conselho profissional, o descarte não precisa esperar pelo último dia do ano, pela última chama do inferno astral. Podemos nos livrar do que nos limita em qualquer momento desse período de trinta dias. Os dias restantes agora podem ser dias de vôo. Livres do peso que carregávamos, seremos todos leveza e, antes do novo ciclo, teremos um descanso, merecidas férias.


Na história principal desse mês, a do nascimento de Jesus, seus pais, José e Maria, desfazem-se de tudo: são os mais pobres na face da Terra, não têm nem um lugar decente para dormir ou receber seu filho. E, no entanto, é nesse vão aberto pelo descarte de tudo que já não interessa mais que se dá a maior manifestação de abundância imaginável: Deus presente na humanidade. Porque não tinha nada, A Sagrada Família recebeu a estrela mais brilhante, o canto dos anjos e dos pastores e, logo em seguida, a visita cheia de reconhecimento dos Reis Magos. Eis um bom exemplo a seguir.


Feliz descarte para todos! E uma próspera história nova...

Comentários

Fiquem à vontade pra comentar a crônica ou pra partilhar experiências de inferno astral. :)
Paula Pimenta disse…
Comentei com vc por email, mas vamos deixar registrado aqui:

Eu acho que o inferno astral varia de acordo com resto do ano anterior a ele. Se o ano foi fácil, a gente nem percebe o inferno astral. Se foi um ano pesado, sai de baixo! Pode reparar!

:)
Dilma disse…
Sua matéria nos leva a um reflexão. Estou pensando o aqui o que deve descartar. Feliz Natal! Dilma.
Anônimo disse…
Olha o caralho VOADÔÔÔrrrr!!!!!!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …