Pular para o conteúdo principal

DISTÂNCIA >> Paulo Meireles Barguil

Considerando que a impermanência é constante, as transformações são inevitáveis.


Aquela costuma ser silenciosa, por isso não é facilmente percebida.


De repente, tal qual um vulcão adormecido, ela desperta.


As mudanças podem ser lentas, aceleradas, vertiginosas.


Diante delas, há quem coloque o cinto, segure em algo, balbucie e feche os olhos!


Outros, todavia, dispensam qualquer ritual e, confiantes, seguem em frente de braços abertos...


A distância, espacial e temporal, é um ingrediente poderoso para potencializar tanto as alterações, como a sua compreensão.


A variação da contiguidade produz resultados ignorados, no máximo, especulados.


Proferimos Vade retro (Afasta-te) e Veni propius (Aproxima-te) de acordo com o queremos e vislumbramos na nossa frente ou dentro de nós.


O que as suas palavras, verbalizadas ou abstidas, estão lhe trazendo?

Comentários