Pular para o conteúdo principal

GUDE >> Albir José Inácio da Silva


                                                                            A Janela

As bolas de gude voavam em todas as direções. Antes de entrar em casa, Roberto soltou as que tinha na mão, pegou uma pedra e, com uma mira que não mostrou no jogo, acertou a cabeça de Adilso.

Adilso, de pé sobre o triângulo para proteger as mais de quatrocentas bolas que ganhou, limpou o sangue da testa com as costas da mão e pegou uma bilha.l A bola de vidro deixa um roxo na pele, mas a bilha de aço é uma arma.

A mira que fez Adilso ganhar todas as partidas o abandonou, o arremesso passou por cima de Roberto e atingiu a janela.

Durante a batalha eu me escondi atrás da amendoeira. Adilso juntou na camisa as bolas que sobraram no triângulo, recolheu as que encontrou em volta e foi pra casa, o sangue já seco na testa.

O largo da amendoeira ficou vazio, como sempre acontecia depois das brigas. Quando eu fui pra casa, Dona Dalva, mãe do Roberto, batia palmas no portão do Adilso. 

                                                                             O Jogo

Era um tempo sem televisão, pelo menos pra nós. Na casa do Roberto tinha, mas de vez em quando ele jogava com a gente. A brincadeira na sombra da amendoeira começava na camaradagem, com apertos de mão e empréstimos para os que não tinham. As apostas, tímidas a princípio, chegavam ao final com centenas de bolas no triângulo.

Roberto foi limpando os outros garotos que, como eu, traziam meia dúzia de bolinhas suadas. Não tirava da cara o sorriso de vencedor. Trouxe um saco de bolas novinhas da loja, que ainda estava cheio porque ele ganhava. Mas empacou no coisa ruim, no tição, como ele dizia.

Adilso estava com o capeta. Acertava bolas impossíveis, topava qualquer aposta, dobrava. Nem chegava a tirar as bolas do triângulo. Começou com quatro que eu emprestei só pra ele não ficar sem jogar porque era meu vizinho. Os depenados iam saindo e reclamando de roubo. Os que ficavam faziam ameaças com palavras, gestos e carrancas. A temperatura subia a cada lance.

Lá pelo meio da manhã já estava todo mundo liso, Roberto perdia, enquanto as latas enferrujadas do Adilso estavam lotadas.

Pra piorar, Adilson ganhou a saída. Com suavidade rolou a bola pra perto do triângulo. Dava palmo. Roberto procurou ficar fora do alcance do endemoninhado. Adilso mediu, roçou o alto da bola mais destacada, que saiu suavemente, e a de jogo foi parar a dois metros do fujão. Roberto ainda estava confiante: vai errar! Estava meio protegido por uma raiz. Adilso ficou de pé e o polegar soltou a bola com tanto efeito que ela fez uma curva. Um barulho choco, sem piedade, no alvo.

Roberto não ligava a mínima pra aquelas bolas, podia comprar quantas quisesse, mas a humilhação era demais! Já tinha perdido outras vezes. Mas pra aquele neguinho?! Aquilo era coisa feita. A mãe dele mexia com isso. Aquele moleque não estava sozinho não!

- Então vamos aos tudo! – gritou Roberto - Eu boto isso aqui – disse entornando o resto das bolas que tinha – e mais dez cruzeiros. Mas ninguém vai fugir do jogo! – ameaçou, de mãos fechadas, cara franzida e respiração soprada.

Adilso não pensava em fugir de nada, ganhou tudo até ali e se perdesse não ligava. Chegou de mãos abanando e agora era o único que sorria.

Começou outra partida. Silêncio. Ouviam-se as respirações. Depois de quatro jogadas, com um teco de três metros de distância, Adilso liquidou o jogo.
  
Vi quando Roberto cochichou com uns moleques e eles gritaram:

- Avanço!

                                                                         O Avanço

Trata-se o avanço de uma subversão, um motim, um golpe no vencedor, na civilidade, no direito, na paz e na amizade. Devastador e de consequências imprevisíveis.

(Continua em 24/08/2020)

Comentários

branco disse…
me senti um dos meninos, acho que vou continuar por um tempo, quando acabar...prevejo uma mudança súbita em seu martelo.
Carla Dias disse…
Lembrou-me as brincadeiras e os desafios de quando era menina que só, vivendo no mesmo quintal que um monte de crianças. Vamos ver na continuação o que será que será.
Zoraya Cesar disse…
Me deixou nervosa, Albir! Veja lá como vai terminar essa história prá lá de bem contada e interessante!
Albir disse…
Obrigado, Branco, Carla e Zoraya, pela generosidade de sempre.